Uma placa, seis ponderações

Primeira ponderação

A opção errada feita pelo Brasil, incentivando o transporte rodoviário sem aproveitar devidamente a extensa costa marítima, os rios, não desenvolvendo um sistema ferroviário. Nossas ferrovias se limitam a ligar alguns pontos interiores ao porto, com a finalidade de escoar minérios e riquezas para o exterior. Nada de integração nacional!

Segunda ponderação

A placa indica 'Fiscalização Magna Engenharia Ltda.' Para que serve o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes? Entregar para terceiros a fiscalização? Isto deve ser uma atividade de governo, realizada por funcionários de carreira (concursados).

Ora, vejam! Uma firma executa a obra e outra fiscaliza. O governo onde fica? Como é feito o pagamento da empresa fiscalizadora?

Terceira ponderação

Financiadores: Banco Mundial e Bird.

O Brasil domina toda a tecnologia de estradas e nisto é reconhecido mundialmente, até porque foi obrigado a fazê-lo pela hipertrofia do sistema rodoviário.

Nestas obras de recapeamento e restauração rodoviária, operários, engenheiros, materiais, serviços, todos recebem o pagamento na moeda nacional — o real. Isto mostra que na hora da remuneração existe a moeda. Se ela aparece, por que o financiamento em dólar?

Vamos supor: um empréstimo de 100 milhões de dólares. Primeiro haverá a propaganda de que houve investimento externo neste valor. A seguir, os 100 milhões serão destinados ao pagamento de juros da dívida, acrescidos de juros, taxas, comissões e tudo o mais que for possível.

Portanto, trata-se de uma sórdida manobra que acarreta um único resultado: aumentar a dívida externa, acentuando a nossa dependência.

Aí, dirão: nós não temos dinheiro.

Como não temos? Ele apareceu na hora de todos os pagamentos, e é maior do que o emprestado. Os economistas teleguiados pelo sistema financeiro dirão que não podemos emitir moeda. Tem de haver lastro. Por quê? Desde a década de 70 o dólar não tem nenhum lastro, nenhuma correlação com riqueza. É apenas papel pintado aceito com valor virtual e manipulado.

Quarta ponderação

Há um entorpecimento geral, uma providencial "anestesia", principalmente nos que têm responsabilidades de governo, que não divulgam e não se dispõem a enfrentar a tragédia dos juros e da dívida.

A dívida em títulos do governo totalizou 728,31 bilhões de reais (JB), 50,19% corrigida pela Selic e 23,82% pelo câmbio. Apenas 11 bilhões estão destinados para investimento no orçamento para 2004. A dívida é mais de 70 vezes o investimento. Não há nada que justifique isso!

Quinta ponderação

O governo brasileiro não é voltado para o brasileiro, mas subjugado ao sistema financeiro. Também, não há nenhuma menção em bloquear estes empréstimos.

Sexta ponderação

Por que não usam o direito de senhoriagem?

É o direito secular, inicialmente dos senhores da terra, depois dos reis, e agora dos governos, de cunhar a moeda para as trocas.

A idéia preconceituosa divulgada é a de que emitir causa inflação, mas não há nenhuma observação quando há emissão de real para pagar obras financiadas com o dólar (lembramos que o dólar é papel pintado, não tem lastro).

Nas teorias econômicas há um consenso de que o investimento que acarreta aumento da base de arrecadação não é inflacionário.

Absurdo é o aumento desenfreado dos financiamentos externos obrigando crescentes contingenciamentos de investimentos e orçamentos para pagar as dívidas. Já estão mexendo até no Fundo de Participação dos municípios.

Os financiamentos externos e o volume da dívida criam um exército de fiscais estrangeiros que vêm bisbilhotar a nossa administração (e absurdamente nós permitimos). Estão substituindo os funcionários brasileiros por consultorias e até ongs. O governo brasileiro não é voltado para o brasileiro, mas subjugado ao sistema financeiro.

Baixar juros, auditar a dívida, bloquear os empréstimos desnecessários em moeda estrangeira, senhoriagem. Por que não fazem? O que entorpece os governantes?

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro