Merkel quer por ‘sobras’ de migrantes em campos na Turquia

A- A A+

Na última edição de AND ressaltamos uma nuance da chamada “crise dos refugiados” na Europa que tem sido solenemente ignorada pelo monopólio da imprensa capitalista, que é o macabro processo de seleção, por parte da grande indústria alemã, de refugiados sírios e de outras nacionalidades castigadas pela miséria e pela guerra semeadas pelo imperialismo. Mostramos que por trás do aparente “bom mocismo” de Angela Merkel para com os migrantes está um interesse objetivo de atender à demanda do imperialismo alemão por força de trabalho menos custosa e mais vulnerável a demissões, arrochos salariais e cortes de direitos. Mas mostramos também que, não obstante, à Alemanha do capital monopolista não interessa absorver toda a massa de pessoas que se batem em fuga da desgraça imperialista e que ora batem à porta da Europa, em um perverso jogo de ambiguidades que, entre outras consequências, ajuda a atiçar à ação dos grupos xenófobos que estão sempre à espreita e à espera do mote para botarem as asinhas de fora, tentando manipular os ânimos dos alemães — e logrando algum sucesso nessa empreitada, como mostrou a manifestação que reuniu 20 mil pessoas na cidade de Desden no dia 19 de setembro para celebrar o primeiro aniversário do movimento racista Pegida (Europeus Patriotas contra a Islamização do Ocidente).

http://www.anovademocracia.com.br/160/20.jpg
Milhares de refugiados sendo escoltados na Eslovênia

Sendo assim, é fruto do manejo deste macabro processo seletivo, em que a Alemanha ora acena com empregos para refugiados, ainda que precários, ora fecha os olhos para ataques a estrangeiros por grupos fascistas mais exaltados, fecha fronteiras e delega a países como a Hungria o trabalho sujo de conter os migrantes à força.

É também à luz deste macabro processo seletivo sob a batuta da senhora Merkel que se deve entender a viagem dela, a própria, à Turquia, para entendimentos tête-à-tête com o facínora Recep Tayyip Erdogan. Em Istambul, Merkel prometeu a Erdogan apoio à entrada da Turquia na União Europeia, pedindo em troca que o “presidente” turco aceite ajuda da UE para financiar campos de refugiados onde seriam confinados os refugos do processo seletivo alemão, ou seja, os postulantes a refúgio que, uma vez recusados pelo magnata Ulrich Grillo (presidente da Federação da Indústria Alemã) e sua camarilha, transformam-se automaticamente em “imigrantes ilegais” e, como Merkel requisitou a Erdogan, poderiam ser deportados para a Turquia.

Naquele fim de semana pelo menos 28 pessoas não passaram pela primeira etapa desta infame peneira da sobrevivência, que é a travessia clandestina do mar Mediterrâneo ou do mar Negro. Entre os que morreram afogados nos dias 17 e 18 de outubro havia várias crianças, como tem sido tristemente comum em todo este cenário de barbárie. Até o início de outubro quase três mil pessoas já haviam morrido afogadas em 2015 só em tentativas de travessia do Mediterrâneo. Outras 300 perderam a vida tentando vencer o mar Egeu.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja