Lenin em Outubro: epopeia em película

A- A A+

Nota da Redação do AND: Por ocasião dos 98 anos da Revolução de Outubro de 1917 dirigida pelo Partido Bolchevique, sob a chefatura de Vladimir Ilich Lenin, publicamos esta resenha do filme soviético Lenin em Outubro. A data que marca a insurreição armada na Rússia inaugurando a era da Revolução Proletária Mundial é 25 de outubro (segundo o antigo calendário juliano adotado na Rússia) e 7 de novembro (segundo o calendário gregoriano adotado no Brasil).

http://www.anovademocracia.com.br/160/16a.jpg
Capa do filme 'Lenin em Outubro'

A influência dos bolcheviques nos Soviet1  havia crescido desde a revolução democrática de fevereiro de 1917, e as palavras de ordem contra a guerra imperialista tomavam as praças.

Um governista faz um discurso a favor da guerra, com promessas de que o povo seria livre com a vitória. A posição bolchevique era clara: transformar a guerra imperialista em guerra civil, e pelo fim da guerra. Enquanto ainda discursava, o governista é coberto com roupas militares e alguém grita: “chega de conversa, agora vás para a frente!”. Cinicamente, o governista responde que não pode, pois é velho, e sai sob vaia geral. Então, um membro da Frota Revolucionária do Báltico conclama as massas a lutarem pelo fim da guerra e é vigorosamente aplaudido: “Hurra!”.

Lenin, que fora viver novamente no exílio devido às perseguições do governo provisório, chega clandestinamente a Petrogrado em 7 de outubro, acompanhado do camarada Vassili.

A titânica luta ideológico-política que era travada na sociedade — entre rumar para o parlamentarismo burguês, ou para a imediata insurreição armada e passagem de todo o poder aos Soviets — tinha reflexos no Partido Bolchevique. Após a tentativa frustrada de golpe comandada pelo general Krolinov, os partidos conciliadores apostavam suas fichas em uma viragem para o parlamentarismo burguês.

É convocado um pré-parlamento no qual os bolcheviques participam com nomes como Kamenev e Theodorovich. O Comitê Central (CC) aprova a retirada do partido deste pré-parlamento, mas estes deputados, com apoio de Zinovev, resistem à saída, sendo obrigados a fazê-lo pelo CC. Stalin, juntamente com Lenin, sustenta a posição de que uma participação nesta instituição, ainda que curta, só serviria para dar ilusões às massas de que o parlamento poderia resolver seus problemas.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Na histórica seção plenária do Comitê Central de 10 de outubro, Lenin defende a imediata preparação da insurreição armada. Contra ele se levantaram os mesmos Zinoviev e Kamenev. Na ocasião, Trotsky foi mais sorrateiro, propondo que a insurreição não começasse antes da instalação do II Congresso dos Soviets. Se aprovada, tal proposição serviria de alerta ao governo provisório. De forma enérgica, Lenin desmascara e derrota os traidores da Revolução. Conclama unir a Frota do Báltico, operários e exército. A insurreição requer decisão e coragem!

Entre as resoluções do CC, além da aprovação da insurreição, está o envio de delegados à frente de guerra e a outros rincões da Rússia. O Comitê Militar Revolucionário, adjunto ao Soviet de Petrogrado, comandado por Stalin, seria o Estado Maior da insurreição.

Uma cena retrata uma reunião de empresários, latifundiários e diplomatas estrangeiros (não se especificam os países, mas seguramente trata-se de Inglaterra e França). Eles tratam do repartimento da Rússia em troca de apoio a uma tentativa de golpe.

No dia 16 de outubro houve outra plenária do CC. Zinovev e Kamenev se levantam contra a insurreição e são novamente derrotados. Dois dias depois, Kamenev publica um artigo em um jornal menchevique revelando a preparação da insurreição pelos bolcheviques. Lenin propõe ao Partido a expulsão dos traidores.

http://www.anovademocracia.com.br/160/16b.jpg
Cena do filme que retratou a Revolução Proletária na Rússia

Prevenido, o governo provisório toma medidas contrarrevolucionárias, deslocando tropas da frente para Petrogrado e Moscou, promovendo uma caça de dirigentes bolcheviques, e planejando um ataque ao Instituto Smolny, então sede do Comitê Central do Partido Bolchevique, para a véspera da instalação do II Congresso dos Soviets.

No dia 21 de outubro, os bolcheviques mandam comissários do Comitê Militar Revolucionário a todos os destacamentos revolucionários. Nas fábricas, os operários se armam e ouvem atentos as orientações dos bolcheviques. O combate é iminente. Trotsky, como já havia tentado na plenária do CC do dia 10, aproveita uma seção do Soviet de Petrogrado e anuncia a data da insurreição. Esta atitude de Trotsky força os bolcheviques a anteciparem a insurreição para um dia antes do Congresso, impedindo que o governo de Kerensky esmagasse a Revolução.

Na noite de 24 de outubro (6 de novembro), Lenin chega ao Smolny e assume pessoalmente o comando prático da insurreição.

Em 25 de outubro (7 de novembro), os canhões do Cruzador Aurora dão o toque de alvorada para a era da Revolução Proletária Mundial, bombardeando o Palácio de Inverno. A Guarda Vermelha e as tropas revolucionárias ocupam pontos-chave, como os telégrafos, correios e Banco do Estado. O Palácio de Inverno, onde o governo provisório havia se refugiado à espera de reforços, é tomado pelas massas lideradas por seu Partido. Triunfa a Revolução!

Naquela noite, o II Congresso dos Soviets declara que todo o poder havia passado para os Soviets e, no dia seguinte, aprova o Decreto Sobre a Paz, propondo um armísticio de três meses e conclamando os operários dos países beligerantes a porem fim à guerra. Na mesma noite é aprovado o Decreto sobre a Terra, abolindo os direitos dos latifundiários sobre a terra sem qualquer indenização.

Tudo isso é apresentado no filme, pese o prejuízo causado pela adaptação, de uma forma ao mesmo tempo empolgante e bem humorada: os comissários do Comitê Militar atuando na frente de combate, o desespero do governo provisório, sua tentativa de capturar e assassinar Lenin, a confiança do proletariado nos bolcheviques e em Lenin, etc.

Lenin em Outubro tem como personagens centrais Lenin e Vassili, seu companheiro, segurança e estafeta que garantia a ligação entre Lenin e os dirigentes bolcheviques. Na casa simples de Vassili, Lenin trabalhava na preparação da insurreição, recebia informes e dormia no chão sobre tapetes e tendo livros como travesseiro. Vibrava com os informes sobre como as massas se rebelavam contra a guerra e o velho Estado e animava Natasha, companheira de Vassili, que, grávida, temia pelo futuro do marido e de sua família: “Tudo isso em breve terminará”.

Merecem destaque duas cenas em sequência: Na primeira, uma delegação do governo tenta desarmar os operários de uma fábrica. São, porém, astutamente embromados e postos para correr pelos trabalhadores. Na cena seguinte, Vassili informa a Lenin o acontecido. Às gargalhadas, e orgulhoso da autoridade das massas,  o grande líder da revolução pede que lhe conte a história outra vez.

Vassili também lê uma carta de seu irmão, que vive no campo. Ele relata o trabalho com os jovens que chegam da frente de guerra. Narra que incendiaram a casa do latifundiário e que não sabiam se podiam tomar suas terras. Lenin responde animado: “Podem tomar!”. À pergunta do irmão de Vassili se devem expulsar os latifundiáros, Lenin responde: “Devem expulsá-los!”. Então Vassili conclui a leitura. “Eles pensaram em expulsá-los, mas decidiram executá-los”. Lenin, então, estusiasma-se: “É uma pessoa inteligente!”.

Na cena final, um turbilhão de massas em armas toma as ruas. Vassili abre uma porta de onde sai Lenin, que estava disfarçado e clandestino até então. “É Lenin!”, alguém grita. Redobra-se o ânimo. Lenin entra em um grande salão onde está reunido o Congresso dos Soviets. Aplausos e Hurras! Um operário diz, emocionado: “Ele é igual a nós!”.

Lenin sobe a tribuna e declara: “Camaradas! A revolução de operários e camponeses da qual sempre falaram os bolcheviques se realizou!”

Trovejam os acordes de A Internacional.

_____________________
Nota:

1- Órgãos criados pelos próprios trabalhadores russos nos quais os bolcheviques foram instruídos por Lenin a atuar, transformando-os no embrião de um poder popular.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait