Editorial - PT: o grande fracasso do oportunismo

A- A A+

Não, não é esta conjuntura putrefata que nos leva a afirmar que o PT fracassou. Ela é, simplesmente, a manifestação do fenômeno em toda a sua extensão e em toda a sua abrangência, quando aquilo que em um momento anterior era um sinal, agora é fato concreto.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia


Muito antes da crise econômica que afunda o país se instalar com todos seus indicadores; muito antes da crise política que tornou coisa corriqueira e comum na política oficial o descaramento, a desfaçatez, a mentira, a corrupção, enfim, o vale-tudo, revelar claramente que os de baixo não aceitam mais viver como antes, de engano a engano, e que os de cima não conseguem mais seguir dominando como dantes, o PT já estava condenado ao fracasso. A crise moral que envergonha a nação, imersa no lamaçal no qual boiam todas as instituições do velho Estado — em que as siglas do Partido Único se engalfinham num verdadeiro “saco de gatos” e, ao mesmo tempo, fecham acordos na calada da noite para livrarem a pele uns dos outros, como ocorreu na CPI da Petrobras e nos conchavos de Luiz Inácio com Eduardo Cunha —, é só a exposição à luz do dia dos intestinos de um sistema de exploração e opressão anacrônico que se recusa a desaparecer.

Quando, em julho de 2002, a edição de número um do AND já advertia que as quatro principais candidaturas ao pleito presidencial (no caso, Serra, Garotinho, Ciro Gomes e Luiz Inácio) eram “farinha do mesmo saco”, adiantávamos que, ao assinarem o documento, apresentado por Cardoso — o qual estabelecia a total submissão do candidato eleito às imposições do imperialismo —, aqueles postulantes se igualavam ao curvarem-se à política de subjugação nacional imposta pelo imperialismo ianque. Mas isto fora somente um ritual, como diz no ditado, “bata na carroça que o burro entende”, pois que, pouco importa que discursos façam quaisquer pretendentes ao posto, aí, de fato, a casaca faz o que a veste. É o gerenciamento de turno.

Contando em sua coalizão desde uma parcela da grande burguesia, representada pelo seu vice José Alencar, e com o aval da quase totalidade das forças ditas de “esquerda”, Luiz Inácio chega ao gerenciamento do Estado, logo demonstrando a que veio em seus primeiros seis meses no exercício do cargo, sendo, portanto, desmascarado pelo AND em sua edição de número 10 (junho de 2003), com a manchete ‘Governo Lula é uma fraude’.

Em editorial, o AND fundamentava sua denúncia aclarando a seus leitores que “As oligarquias enviam para o aparelho estatal e governamental seus representantes, defensores e apologistas, entre eles desertores de outras classes, quadros experimentados, formados ao longo das batalhas travadas contra o povo. Por isso, o petismo é a fusão das ‘teorias toleráveis’ com a ‘virtude paga com o bem’, ou seja, da renúncia e da filiação ao ‘bem’ do império. Comporta crendice, populismo, demagogia, serviços de intriga, delação, greves administradas e o sindicalismo domesticado com suas confederações ligadas à CIOLS — essa central manipulada pelo USA, sua grande aspiração, única força... transcendental”.

E, já antevendo o que viria a acontecer (e que de fato não tardou acontecer) com o envolvimento petista com os negócios das classes dominantes, adiantávamos que “A elite petista, uma escória saída da pequena burguesia tecnocrática, foi absorvida, isto sim, pelos especialistas em negócios do governo e admitida na administração auxiliar do imperialismo em nosso país, principalmente, firmando um continuísmo regido à maneira das prefeituras municipais que se submetem ao poder centralizador, dominante. Não por acaso, a direção petista, quando ainda ensaiava os trejeitos debutantes que adotaria na rampa do poder, marcou orgulhosa a sua primeira medida — a de reconhecer obediência ao capital monopolista internacional”.

Treze anos depois vamos encontrar os despojos de um projeto filho da conciliação de classes que, ideologicamente, se vincula à convergência entre as teses da transição pacífica do revisionismo moderno kruschovista com as teses imperialistas da Cepal sob a estratégia da “Aliança para o progresso” e todas as combinações oportunistas daí derivadas. Daí que o fracasso petista é, também, o fracasso das tendências trotskistas, revisionistas e social-democratas, hoje abrigadas em siglas cujas denominações nada dizem de seu conteúdo ideológico, tais como PSTU, PCO, PSOL, pecedobê, Rede, PCB e outros insignificantes que, durante todo este período ou em parte dele, respaldaram o embuste.

Se por um lado é de se lamentar o alto preço pago pela nação e pelo povo brasileiro, por outro é preciso reconhecer que a história anda por caminhos tortuosos, donde os fracassos e as crises abrem passagem ao novo lançando abruptamente suas forças para a frente. Objetivamente, hoje, as massas populares, o proletariado, o campesinato, a pequena e média burguesias, as classes oprimidas e exploradas, ao tomar cada vez mais consciência do engodo a que estiveram submetidas sob a farsa do gerenciamento petista, se mobilizam, politizam e organizam dando-se conta, cada vez mais, que estiveram secularmente submetidas e que não puderam, por falta de uma correta direção, triunfar em suas revoltas anteriores. E por isto mesmo elas se acham à procura e clamam por uma direção que levante a nova bandeira, que aponte o rumo novo, que afirme que é possível o Brasil Novo, livre de toda esta podridão. Clamam pela direção revolucionária que tenha a coragem de afirmar a Revolução como único caminho possível para livrar o Brasil da secular condição semicolonial e semifeudal, causa de todas as desgraças de nossa gente sempre empobrecida e garantia dos privilégios de uma minoria abastada, exploradora e opressora.

Atualmente, no Brasil, a politicalha, mais desavergonhada que nunca, zomba de nosso povo com sua ciranda de imundícies, chantageando uns aos outros (governo e oposição) na rinha por decidir quem cairá e quem seguirá enganchado no topo do velho Estado. Inclusive parece não se importar com a cruzada por moralização que os verdadeiros donos do poder movem, assustados que estão com o nível de decomposição e desmoralização a que se chegou as instituições de seu sistema de exploração e, principalmente, temerosos com um possível tsunami de revoltas que tal situação prepara e anuncia. Porém, mais indiferente ainda, a politicalha se mostra com a desgraça cotidiana que se avoluma sobre o povo. Ora, “que se dane o povo”! Pois que as “medidas de ajustes” serão inevitavelmente tomadas como reza a cartilha do imperialismo.

Mas, enquanto isto, o que fermenta entre o povo poderá, muito mais cedo que se imagina, gestar e parir a direção que anuncia e reafirme a promessa e esperança do novo mundo, a promessa e os atos da Revolução Democrática em nosso país.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja