USA e Rússia esmeram-se na contrapropaganda de guerra

A- A A+

No último dia 31 de outubro, um avião de passageiros Airbus 320 da companhia aérea russa Metrojet despencou-se sobre o solo na península do Sinai, no Egito, matando um total de 224 pessoas, entre tripulantes e passageiros, quase todos russos. O avião caiu cerca de 20 minutos após decolar da cidade de Sharm el-Shiek, um balneário egípcio muito frequentado por turistas russos e europeus, com destino a São Petersburgo. Trata-se de um tão trágico quanto nebuloso episódio que já está direta ou indiretamente inscrito, dependendo das reais causas do incidente, a serem confirmadas, no acirramento das contradições interimperialistas no Oriente Médio.

Nos dias subsequentes ao desastre, após a circulação de boatos de que o Airbus teria sido abatido por um míssil, o oligopólio internacional da imprensa dos grandes grupos monopolistas, porta-voz da contrapropaganda do imperialismo ianque, repercutiu com mal contido entusiasmo as informações obtidas de fontes anônimas “ligadas à investigação do acidente” (investigação essa que parece ter sido levada a cabo em tempo recorde) de que o avião teria se partido em dois em pleno ar devido à explosão de uma bomba plantada pelo Estado Islâmico (EI) no compartimento de bagagens da aeronave.

A “mídia ocidental”, por assim dizer, evitou usar o jargão “atentado terrorista” para definir esta versão da causa do desastre, como o faria imediatamente se o avião destruído fosse de bandeira ianque ou europeia. Em vez disso, buscou instrumentalizar a ampla repercussão desta versão como informação de guerra, ou seja, para denotar um revés militar para Moscou, tudo sob o ronrom que USA e Reino Unido propagaram de que seus serviços de espionagem haviam interceptado mensagens de integrantes do EI planejando o ataque, e sob a declaração do próprio EI reivindicando a responsabilidade pelo ataque.

E assim, de súbito, o imperialismo ianque e o imperialismo europeu demonstraram grande sintonia com os seus “inimigos” do Estado Islâmico para transformar a queda do avião da Metrojet e a morte de duas centenas de russos em um pesado contragolpe, vitimando civis, imposto a Putin, cujo exército nas últimas semanas lograra conquistar significativas posições do território sírio para o controle de Bashar al-Assad — o que significa o mesmo que dizer que lograra conquistar posições para o imperialismo russo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja