Sionistas não deterão a inquebrantável Resistência Palestina

A- A A+

Nos primeiros dias de novembro, a imprensa capitalista veiculou informações sobre o saldo macabro desta mais recente escalada da violência sionista na Palestina invadida. Completado então um mês do início desta escalada, as agências de notícias internacionais davam conta de que “o conflito entre israelenses e palestinos” já resultara na morte de 83 pessoas, no período mais sangrento na região desde, nas palavras destes pregoeiros do sionismo, “a guerra de Gaza em 2014”.

A contagem mais detalhada dos mortos, porém, deixa claro que propagar a informação de que na Palestina há “conflito” ou simplesmente “guerra” é incorrer na mais infame cumplicidade com os crimes do Estado fascista de Israel. À guerra injusta e rotina de massacres, inscrita em um projeto sionista de genocídio de um povo usurpado, insultado e humilhado, o heroico povo palestino opõe a sua justa luta de libertação nacional. Não dobra os joelhos, resiste com pedras, punhais, fuzis e foguetes quase que artesanais, a um dos mais poderosos exércitos do planeta, treinado para o extermínio e armado com a última palavra em tecnologia para a destruição em massa.

Senão, vejamos: dentre os 83 mortos na Palestina do início de outubro ao início de novembro, 73 foram palestinos, incluindo duas crianças de dois anos de idade, enquanto as fileiras do sionismo, entre fardados e apoiadores civis da ocupação, amargaram 10 baixas. Ao passo que a imprensa burguesa/sionista noticia com alarde a entrada em hospitais de uma dúzia de israelenses feridos à faca em meio à “intifada de Jerusalém”, como muitos têm chamado a atual onda de revolta transbordada, em um mês os ataques do exército de Israel a manifestações de palestinos em Gaza, na Cisjordânia e na própria Jerusalém já deixaram mais de dois mil feridos. Quanto à chamada “guerra de 2014”, Israel adotou esta terminologia, classificando como a oitava guerra da sua história, um sanguinário massacre no qual morreram cerca de 2.200 palestinos, a maioria civis sem envolvimento direto com a resistência armada, contra 73 israelenses mortos, sendo a grande maioria baixas impostas às forças armadas assassinas.

Nas últimas semanas, os demagogicamente chamados “esforços de mediação internacional” lograram um “acordo”, fechado entre o USA e a Jordânia, que administra a mesquita de Al-Aqsa, para a instalação de câmeras de monitoramento na Esplanada das Mesquitas, local de constantes enfrentamentos entre palestinos e a polícia de Israel nos últimos meses. Ocorre que estes enfrentamentos têm se dado justamente por causa da revolta dos palestinos com a presença cada vez mais constante e ostensiva das forças de repressão do sionismo naquele local.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja