Chacina de Unaí: criminosos seguem soltos

Em uma investigação de “trabalho escravo” realizado por auditores fiscais do Ministério do Trabalho, no dia 28 de janeiro de 2004, em uma fazenda de feijão do município de Unaí, na região Noroeste de Minas Gerais, os auditores Nélson José da Silva, João Batista Soares Lage e Eratóstenes de Almeida Gonçalves, bem como o motorista Aílton Pereira de Oliveira, foram executados a tiros por pistoleiros a mando de latifundiários. O episódio ficou conhecido como a “Chacina de Unaí”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia


Como é de praxe no velho Estado, os crimes cometidos por latifundiários e seus pistoleiros ou não são investigados ou são marcados pela morosidade do judiciário, o que reflete o caráter de classe burguês-latifundiário dessa instituição. No caso da Chacina de Unaí, ocorreu o segundo caminho. Após 9 anos, os primeiros responsáveis foram julgados, e não por coincidência, os primeiros a serem condenados foram os executores, ou seja, os pistoleiros, que, no caso em questão, são: Rogério Alan Rocha Rios (94 anos de prisão), Erinaldo de Vasconcelos Silva (76 anos e 20 dias) e William Gomes de Miranda (56 anos).

Os mandantes dos assassinatos começaram a ser julgados apenas no final de outubro desse ano, ou seja, 11 anos após a chacina. No dia 30/10, sentaram no banco dos réus da 9ª Vara Federal de Belo Horizonte, os latifundiários Norberto Mânica — proprietário da fazenda onde os auditores realizavam a investigação e o principal responsável por “contratar” os pistoleiros — e José Alberto de Castro. O primeiro foi condenado a pena de 98 anos, 6 meses e 24 dias e o segundo a 96 anos, 5 meses e 22 dias de reclusão. No dia 05/11, foi julgado Antério Mânica — irmão de Norberto e ex-prefeito de Unaí por 2 mandatos —, condenado a 100 anos de prisão. Apesar das provas e da condenação, todos foram agraciados com o direito de responder em liberdade e saíram pela porta da frente do fórum. O último a ser julgado será o empresário Hugo Alves Pimenta, em audiência marcada para este mês de novembro.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin