Chacina de Unaí: criminosos seguem soltos

A- A A+

Em uma investigação de “trabalho escravo” realizado por auditores fiscais do Ministério do Trabalho, no dia 28 de janeiro de 2004, em uma fazenda de feijão do município de Unaí, na região Noroeste de Minas Gerais, os auditores Nélson José da Silva, João Batista Soares Lage e Eratóstenes de Almeida Gonçalves, bem como o motorista Aílton Pereira de Oliveira, foram executados a tiros por pistoleiros a mando de latifundiários. O episódio ficou conhecido como a “Chacina de Unaí”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia


Como é de praxe no velho Estado, os crimes cometidos por latifundiários e seus pistoleiros ou não são investigados ou são marcados pela morosidade do judiciário, o que reflete o caráter de classe burguês-latifundiário dessa instituição. No caso da Chacina de Unaí, ocorreu o segundo caminho. Após 9 anos, os primeiros responsáveis foram julgados, e não por coincidência, os primeiros a serem condenados foram os executores, ou seja, os pistoleiros, que, no caso em questão, são: Rogério Alan Rocha Rios (94 anos de prisão), Erinaldo de Vasconcelos Silva (76 anos e 20 dias) e William Gomes de Miranda (56 anos).

Os mandantes dos assassinatos começaram a ser julgados apenas no final de outubro desse ano, ou seja, 11 anos após a chacina. No dia 30/10, sentaram no banco dos réus da 9ª Vara Federal de Belo Horizonte, os latifundiários Norberto Mânica — proprietário da fazenda onde os auditores realizavam a investigação e o principal responsável por “contratar” os pistoleiros — e José Alberto de Castro. O primeiro foi condenado a pena de 98 anos, 6 meses e 24 dias e o segundo a 96 anos, 5 meses e 22 dias de reclusão. No dia 05/11, foi julgado Antério Mânica — irmão de Norberto e ex-prefeito de Unaí por 2 mandatos —, condenado a 100 anos de prisão. Apesar das provas e da condenação, todos foram agraciados com o direito de responder em liberdade e saíram pela porta da frente do fórum. O último a ser julgado será o empresário Hugo Alves Pimenta, em audiência marcada para este mês de novembro.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja