MS: violência e criminalização contra indígenas

A- A A+

Há pouco mais de dois meses, uma sequência de ataques de caráter paramilitar conduzidos por fazendeiros, policiais e inclusive com participação de parlamentares do velho Estado culminou com o assassinato do indígena Kaiowa Simeão Vilhalva, 24 anos – segundo noticiamos na edição nº 157 de AND. A cruz de Simeão repousa agora na divisa da área retomada pelos indígenas com a Fazenda Fronteira, como símbolo da luta e resistência Kaiowa na determinação de ocupar definitivamente o seu Tekoha (território sagrado) de Ñanderu Marangatu, após décadas de esbulho e exploração pelos latifundiários.    

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Após os ataques, os assassinos seguem impune, a fazendeira que deu a ordem de comando para o ato que acabou com a execução de Simeão segue explorando o território e a demarcação da Terra Indígena segue suspensa por inércia do Executivo (Dilma\PT) e por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu o procedimento de retirada dos não-indígenas ainda em meados de 2005.

Enquanto a estagnação programada do Estado e o peso das armas do latifúndio pesam sobre as famílias de Ñanderu Marangatu, a violência e as violações não cessam. Lideranças da Tekoha denunciaram em entrevista ao Comitê de Apoio ao AND de Dourados, que entre o dia 18 e 19/11, 4 indígenas da comunidade foram presos de maneira arbitrária pela polícia. Dentre os presos encontrava-se Loretito Vilhalva, irmão de Simeão. Loretito foi condenado em 2011 por posse ilegal de arma, a qual usava para caçar, o fato teria ocorrido ainda em 2007. Após ser conduzido para a delegacia de Ponta Porã, Loretito foi solto sob a responsabilidade de se apresentar diariamente a “justiça” de Ponta Porã. 

As lideranças da Tekoha Marangatu se mostram indignadas e denunciam que estas prisões tratam-se de uma política clara de criminalização contra as lideranças de Marangatu. “Estão buscando todos os processos antigos para nos punirem pela luta pela terra e fazer a gente recuar de nossa retomada. Roseli [latifundiária local] prometeu que isso aconteceria, que iriam nos punir, que a policia viria. Como podem punir um indígena de ter uma arma para caçar, enquanto os fazendeiros vem aqui armados e executam nossas lideranças?” desabafou Ava Apyka Miri , líder Kaiowa.

Os Kaiowa também denunciam que estão sofrendo cercos coercitivos realizados pelo Departamento de Operação de Fronteira (DOF), que continua rondando a terra indígena e que o município de Antônio João fechou as portas para eles. Os kaiowa não podem comprar na cidade e o clima de hostilidade pode ser sentido no ar.     

Apesar de tudo, as lideranças anunciaram que não deixarão mais sua Terra ancestral e que dela só sairão mortos. Contra todos os ataques, violações e ações de criminalização resistirão avançando sobre suas terras. Garantem ainda que se a “justiça” e a gerência estadual não retirarem os invasores e não punirem os assassinos de Simeão, não terão alternativa, se não recuperar o que resta de seu território, por meio da continuidade da luta direta, pelo direito de acesso ao seu território.

MG: Indígenas ocupam ferrovia da Vale

Indígenas do povo Krenak iniciaram uma ocupação, no dia 13/11, de trecho da Estrada de Ferro Vitória-Minas, por onde a Vale – controladora da Samarco e da ferrovia –, transporta seus minérios para exportação. A ocupação é uma forma de chamar atenção para a situação calamitosa dos indígenas (e demais pessoas) que vivem na região, que perderam um dos seus meios de sobrevivência: o rio Doce. Geovani Krenak, líder da referida tribo indígena, disse em entrevista a BBC Brasil: “Com a gente não tem isso de nós, o rio, as árvores, os bichos. Somos um só, a gente e a natureza, um só. [...] Morre rio, morremos todos”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja