Fogo nos sertões (II) – Água

A- A A+

No último texto desta breve série de reflexões sobre a vida sertaneja (publicado na edição 161 de AND) a definição do fogo está imprecisa. Como alertou um companheiro professor de Física seria mais correto afirmar serem as chamas “o espetáculo do surgimento de novas moléculas de água (H2O) e gás carbônico (CO2) provenientes da combinação de átomos de hidrogênio (H) e carbono (C) liberados durante a combustão com o oxigênio (O) presente na atmosfera”.

O desejo de ressaltar a relação dialética entre o fogo e a água acabou levando-me a eludir acerca do surgimento do gás carbônico resultante da mesma combustão geradora de novas moléculas d’água. Gás carbônico essencial ao “ciclo do carbono” e que está na base da fotossíntese (processo natural imprescindível à vida humana), o que é propositalmente “esquecido” pelos pseudocientistas a soldo do imperialismo em suas campanhas de “Terrorismo Ambiental” tornadasainda mais “fanáticas” nos últimos dias devido à realização da “Conferência do Clima” em Paris.

Quisera eu possuir conhecimentos sólidos sobre as leis que regem a Natureza para comprovar por A + B como é absurda a hipótese sobre o perigo do fim da água potável no Planeta (!!!). Antoine Laurent de Lavoisier (1743-1794), considerado por muitos como o pai da Química moderna, se vivo fosse (e não estando corrompido pelos monopólios que controlam praticamente todos os principais centros de pesquisa e difusão de conhecimentos) ficaria estarrecido ao ouvir tamanhos disparates difundidos como verdades absolutas e inquestionáveis pelos porta-vozes do Capital. Afinal, para esta gente, qual o significado do célebre princípio por ele enunciado de que na Natureza nada se crianada se perdetudo se transforma”?  

Mais do que simplesmente parte da Natureza a água é um Elemento Natural; é parte essencial da Matéria (que existe desde sempre e para sempre independente da vontade do Homem) e da qual o Ser Humano não é senão a sua expressão mais desenvolvida.Objetivamente, por todos os conhecimentos que o Homem adquiriu até o momento sobre a Natureza e as suas leis, pode-se afirmar que, enquanto existirem os elementos químicos oxigênio (O) e hidrogênio (H), a existência da água (em seus diferentes estados físicos) está assegurada. E, tendo em vista que estes elementos químicos são dos mais abundantes, não apenas no Planeta mas em todo o Universo, este não é um problema real, pelo menos, para os próximos bilhões de anos.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja