Pelo direito de lutar: #EuApoioOs23

A- A A+
Pin It

Enquanto esta matéria é redigida, os 23 ativistas processados no Rio de Janeiro (presos e perseguidos na véspera da final da Copa da Fifa em 12 de julho de 2014) esperavam a sentença do juiz Flávio Itabaiana, que pode sair a qualquer momento, pois, neste fim de 2015, o processo chegou em sua fase de decisão.

Durante todo esse tempo, tal processo, que obteve ampla repercussão em todo o país, foi desmascarado por completo por uma campanha democrática e pela atuação de advogados populares, como o Dr. Marino D’Icarahy, que atuou em defesa de 11 dos 23 ativistas. O que se viu foi uma sequência de violações cometidas pelo judiciário contra os ativistas e suas defesas, numa clara tentativa de criminalizar as organizações independentes da juventude, em particular a Frente Independente Popular (FIP-RJ), surgida após as jornadas de junho de 2013, acusada de ser uma “quadrilha armada”. E, indo além, o objetivo principal do processo foi o ataque ao legítimo direito de manifestação do povo, ainda mais num momento em que o país vive uma crise e a população se lança cada vez mais em lutas combativas exigindo seus direitos pisoteados pelas “autoridades” do “Estado Democrático de Direito”.

Segundo o advogado ativista Hare Brasil, em artigo publicado na página Mídia Coletiva, “o fim do ano chegou e tudo indica que o fim da primeira fase desse processo também se aproxima. O processo está em fase de conclusão/decisão, isto é, está prestes a sair a sentença do Juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau. A defesa de todos os réus e o Ministério Público já apresentaram as alegações finais.

O processo está em fase de conclusão a mais de um mês, sendo que nesse espaço de tempo foram cumpridas apenas diligências de mero expediente. Em uma dessas diligências o Juiz solicitou ao cartório informações sobre o comparecimento periódico dos acusados e foi constatado que 5 dos 23 ativistas não foram ao cartório pra assinar a ficha de comparecimento periódico, o que configura em descumprimento de medida cautelar podendo resultar em decretação de prisão na sentença vindoura”.

Lutar não é crime!

Nesta reta final da primeira instância do processo, as organizações populares e ativistas atuantes na campanha #EuApoioOs23 e o Comitê em Defesa dos Presos e Perseguidos Políticos alavancaram com força redobrada a mobilização levantando as palavras de ordem em defesa do direito de manifestação, de organização e contra as perseguições e prisões políticas. Pelas ruas da cidade do Rio de Janeiro, centenas de cartazes e pichações repercutem a defesa dos jovens lutadores. Nas “redes sociais”, apoiadores, páginas da imprensa popular e personalidades democráticas prestam o seu apoio militante.

E não somente no Rio de Janeiro que a campanha obteve repercussão. Em São Paulo, onde a Juventude Combatente, que luta contra a “reorganização” escolar, tem enfrentado prisões e a feroz repressão policial, estudantes têm se posicionado em apoio aos 23 ativistas cariocas, estreitando os laços de solidariedade e luta.

Um ano da prisão de Igor Mendes

Em 3 de dezembro de 2015, completou-se um ano em que, por decisão do juiz Flávio Itabaiana, Igor Mendes era preso e as ativistas Elisa Quadros e Karlayne Moraes foram forçadas a entrar na clandestinidade por terem, segundo afirma a “justiça”, quebrado uma das medidas cautelares que os proibia de participar de manifestações. Decisão travestida de “justiça” que revela o fascismo, que treme de pavor diante da juventude consciente, organizada e em luta.

Igor Mendes encarou com firmeza, serenidade e combatividade os mais de 6 meses de cárcere no Complexo Penitenciário de Bangu. E, exatamente um ano depois, a ameaça de encarceramento se volta, não só contra Igor, Elisa e Karlayne, mas contra os demais processados. Pode ser que, quando esta edição estiver nas bancas, a sentença já tenha sido publicada. O importante, segundo afirmam os ativistas, é “permanecermos atentos e fortes”.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja