Fecha-se o ciclo do embuste do Partido Único

A- A A+

Os grupos de poder das classes dominantes, sua imprensa e seu círculo de intelectuais encontram-se atordoados diante da completa falência de seu sistema político montado sobre a farsa eleitoral das várias siglas do Partido Único para gerenciar o velho Estado genocida de grandes burgueses e latifundiários, garantidor da condição semicolonial e de total subjugação ao imperialismo, principalmente ianque. Suas pesquisas de opinião apontam para a rejeição deste sistema expresso na rejeição das siglas e das desgastadas lideranças que, até a bem pouco tempo, engabelavam as massas com suas falsas promessas e demagogias mimetizadas pela distribuição de migalhas.

Capitulação da “esquerda”. Que “esquerda”?

O Partido Único e a farsa eleitoral são duas das principais características do sistema de governo da democracia burguesa nas semicolônias como o Brasil. A sua vigência atual foi construída como transição pacífica do regime militar fascista para o regime “democrático”, com base no acordo de “Anistia Ampla, Geral e Irrestrita” aprovado no Congresso Nacional em 1979. Este foi pactuado entre os representantes do regime militar e a representação liberal da grande, média e pequena burguesias, com o apoio da “esquerda” capitulacionista e renegada. Como resultado do manejo dos estrategistas do regime militar, ARENA e MDB, ou, como se falava na época, o partido do ‘sim’ e o do ‘sim senhor’, deixaram de abrigar as várias frações de classe que se expressavam em seu seio devido à imposição do bipartidarismo, dando surgimento a dezenas de siglas, como uma das aparências da “redemocratização”.

A alternância entre as várias siglas do Partido Único, realizada sob o manto da farsa eleitoral, possibilitando a chegada ao gerenciamento de turno do velho Estado a cada uma das principais legendas, sempre apoiadas por uma base aliada, configurou o que se convencionou chamar de “presidencialismo de coalizão” e “governabilidade”. A essência deste sistema é a política de “toma lá, dá cá”, usando como moeda de troca desde as mais altas funções na burocracia do Estado aos milhares de cargos intermediários espalhados nas esferas federal, estadual e municipal, além de liberação de verbas para emendas parlamentares.

Ocorre que sendo a política de subjugação nacional de aplicação obrigatória por qualquer das siglas no gerenciamento de turno deste velho Estado, o que implicava na adoção de acordos lesivos aos trabalhadores e a nação como um todo, o desgaste do gerenciamento apontava para sua rejeição pelo eleitorado que, indo por falsas promessas e pela demagogia de outra sigla, era levado a viver nova desilusão.

Tomando este curto período da história política do país, foi assim que PMDB, PSDB e PT, sucessivamente (tendo como coadjuvantes PFL/DEM, PTB, PDT, PSB, pecedobê, PDS/PP, PPS e outros de menor estatura), tiveram oportunidade de gerenciar o apodrecido Estado brasileiro, aprofundando, cada um a sua maneira, seu avançado estado de decomposição.

Assim, as criações de novas siglas como PSOL, REDE e Frente Brasil Popular não passam de mais um truque da “esquerda” oportunista eleitoreira que resulta, em última instância, na busca de sobrevida a um processo de total descrédito, deste sistema montado pelas classes dominantes serviçais do imperialismo, para seguir tirando proveito máximo da opressão e exploração de nosso povo, independente de qual seja a sigla do Partido Único à frente do gerenciamento do Estado.

Mudar para nada mudar

Nesta semicolônia chamada Brasil ninguém chega ao gerenciamento sem o beneplácito do imperialismo ianque, mesmo aqueles que alimentam o sonho de trocar de amo, por China ou Rússia digamos. Com a transição do regime militar para a democracia de aparência com Tancredo e Sarney, e com a súbita morte do primeiro, aplicaram-se planos econômicos voltados a conquistar apoio popular para legitimar o frágil gerenciamento do segundo. Resultou, da mesma forma, a reprodução da lógica imperialista, pois, com os altos índices inflacionários, serviam a fabulosas transferências de renda dos trabalhadores para os bancos. O proletariado, sem direção, reagiu de forma dispersa realizando greves e saques a supermercados.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja