Sobe o tom das provocações do imperialismo

A- A A+

No último 2 de janeiro, a Arábia Saudita, este enclave do imperialismo ianque no Oriente Médio governado por uma ultrarreacionária monarquia sunita, executou 47 pessoas acusadas de “terrorismo”. Oito dessas pessoas foram mortas à moda Estado Islâmico: decapitadas. Entre os executados estava o conhecido clérigo xiita Nimr Baqir al Nimr, opositor ferrenho do regime de Riad.

http://www.anovademocracia.com.br/164/22.jpg
Protesto anti-imperialista em Teerã: bandeira ianque é queimada

Prontamente, a administração xiita do Irã reagiu com veemência contra a execução do clérigo, e na madrugada do dia 2 para o dia 3 centenas de pessoas atacaram a embaixada da Arábia Saudita em Teerã com paus, pedras e coquetéis molotov. Uma das alas do prédio foi incendiada. Houve um violento ataque também contra o consulado saudita na cidade iraniana de Mashhad.

Imediatamente, a Arábia Saudita retirou às pressas seu corpo diplomático do Irã, anunciou o rompimento das relações diplomáticas com o governo de Teerã e suspendeu todos os voos que partiriam dos seus aeroportos para o território iraniano. O “presidente” do Irã, por seu turno, acusou a Arábia Saudita de ter lançado mão de todas essas medidas para “encobrir seu crime de ter decapitado um líder religioso em seu país”.

As decisões de Riad levaram a uma reação em cadeia entre os países da África e do Oriente Médio gerenciados por grupos sunitas: Sudão, Bahrein, Kuwait e Emirados Árabes também retiraram seus embaixadores de Teerã. O Bahrein foi além e deu 48 horas para os diplomatas iranianos deixarem seu território.

Ao contrário do que o monopólio da imprensa burguesa tenta fazer crer, esta sucessão de episódios não se balizam apenas pela rivalidade histórica entre sunitas e xiitas, mas também, e sobretudo, não pode ser compreendido em sua totalidade senão à luz da geopolítica, ou seja, das contendas entre o blocos de poder encabeçados pelo USA, de um lado (que abarca a Arábia Saudita), e pela Rússia, do outro (que abarca o Irã); da escalada das tensões e provocações entre esses blocos; das vésperas da conflagração de um conflito de maiores proporções no Oriente Médio; e, afinal, do odioso manejo político, geopolítico, por parte das potências internacionais justamente das explosivas diferenças religiosas historicamente nutridas entre sunitas e xiitas.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

No início de janeiro, em outra frente das provocações de guerra do imperialismo, a contrapropaganda do USA e dos seus sócios da União Europeia se esforçou para fazer cair como uma bomba, quase que literalmente, a notícia de que a Coreia do Norte levou a cabo mais um teste com armas nucleares, este supostamente com uma bomba de hidrogênio. Dias depois da notícia, o USA fez um bombardeio B52 das suas forças armadas sobrevoar a fronteira entre as Coreias e anunciou o envio de mais armamentos para seu enclave Coreia do Sul, subindo o tom das provocações dirigidas a Pyongyang.

A Coreia do Norte, evidentemente, está longe de ser um Estado popular, mas é um Estado soberano e tem o direito de se defender, sobretudo se é alvo constante de provocações por parte das potências. Vejam como opera a demagogia neste assunto: uma “jornalista” do monopólio da imprensa no Brasil, comentando o caso, disse: “em se tratando de Coreia do Norte, temos que ficar todos atentos”.

Como se fosse a Coreia do Norte um país imperialista ora em franca beligerância mundo afora; como se atuasse para além de suas fronteiras como atua o maior desses países imperialistas, e justamente o que tem o maior arsenal atômico do mundo: invadindo, provocando, destruindo, sabotando e subjugando países e regiões inteiras do planeta, e ameaçando o mundo, afinal, com a deflagração de uma contenda nuclear com seu antagonista maior nestes violentos e correntes esforços pela partilha do mundo, a Rússia.

Ou seja: como se a Coreia do Norte fosse o USA, cujo chefe de turno, Obama, costuma receber atenção do monopólio, sim, mas para bajulação e para a “crônica jornalística” de conivência com seus bárbaros crimes contra os povos do mundo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja