Notícias da Guerra Popular

A- A A+

Guerrilha golpeia duramente a reação

Com informações de icspwindia.wordpress.com e revolucionnaxalita.blogspot.com

Em 27 de janeiro, pelo menos cinco policiais e dois civis (possivelmente informantes das forças reacionárias) foram aniquilados em uma emboscada empreendida pelo Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL), dirigido pelo PCI (Maoísta).

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

As tropas reacionárias realizavam uma patrulha quando foram surpreendidas por uma forte explosão de uma mina terrestre em Chattarpur, distrito de Palamau, em Jharkhand

Segundo informações da imprensa indiana, a polícia de Jharkhand havia detectado a atividade dos combatentes do EGPL na região e realizava operações de caça aos guerrilheiros quando foi atacada. 

Em 11 de fevereiro, os combatentes do EGPL detonaram cinco minas terrestres e travaram combate armado contra soldados das forças armadas de Chhattisgarh. Não há informações sobre mortos ou feridos. As explosões das minas terrestres ocorreram entre os distritos de Bodli e Bhairamgarh. Após as explosões e o combate, os guerrilheiros se retiraram para a selva. Uma equipe das forças armadas de Chhattisgarh realizou, sem sucesso, uma operação para persegui-los.


Protestos após morte de “intocável”

Rohith Vemula, de 26 anos, era um estudante de doutorado na Universidade Central de Hyderabad, no Sul da Índia. Pertencia à casta social mais oprimida da Índia, os chamados dalits, ou “intocáveis”. Por isso, havia sofrido todo tipo de abusos e discriminações.

http://anovademocracia.com.br/165/24b.jpg
Manifestação no pátio da Universidade de Belas Artes

No domingo, 17 de janeiro, seu corpo foi encontrado pendurado em uma residência do campus. A versão oficial diz que se tratou de suicídio, porém sua família suspeita que o assassinaram.

Blogs e páginas revolucionárias e democráticas da Índia e de organizações que apoiam a luta do povo indiano relatam que as contradições entre estudantes dalits e a ABVP, ala estudantil do BJP (o reacionário partido nacionalista hinduísta, atualmente no governo) havia se agudizado e, junto a outros quatro estudantes dalits e membros da Associação de Estudantes de Ambedkar, Vemula era acusado de assassinar um jovem da ABVP.

Enquanto esses acontecimentos estavam sob investigação, Rohith Vemula foi expulso de suas acomodações no campus e teve sua bolsa de estudos suspensa.

O suposto suicídio do jovem dalit desatou protestos massivos em várias partes do país, sobretudo em Hyderabad, Delhi, Bombaim, Pune e Chennai.

A família de Vemula rechaçou a “compensação” equivalente a 11.200 euros oferecida pela Universidade após a morte do jovem. “Queremos saber por que ele morreu. Se o mataram ou se ele morreu. Por que o suspenderam? Os responsáveis devem ser presos e punidos. Isso é o que queremos!”, assegurou a irmã de Vemula em declaração para a imprensa.

 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja