Homenagem vermelha ao camarada Sridhar Srinivasan

A- A A+
Pin It

http://anovademocracia.com.br/165/24a.jpgEm 18 de agosto de 2015 as massas oprimidas da Índia e a Revolução Indiana perderam um dirigente comunista exemplar e um brilhante intelectual revolucionário, o camarada Sridhar Srinivasan, conhecido no campo revolucionário como camarada Vishnu ou Vijay, que faleceu em decorrência de um ataque cardíaco.

O Comitê Central do Partido Comunista da Índia (Maoísta) rendeu seu tributo vermelho a este membro do Comitê Central reafirmando seu compromisso em cumprir os ideais revolucionários pelos quais Sridhar Srinivasan viveu e consagrou sua vida. Publicamos trechos de comunicado assinado por Abhay, porta-voz do Comitê Central do PCI (Maoísta)

Sua trajetória revolucionária

Nos anos de 1978/79, quando era um jovem estudante de Filosofia e Letras no Elphinstone College de Bombaim, decidiu abandonar seus estudos para dedicar-se por inteiro a servir as massas oprimidas do país, tarefa a que se consagrou durante 35 anos com espírito e dedicação inquebrantáveis.

O camarada Sridhar Srinivasan participou do movimento estudantil e dirigiu mobilizações em Bombaim pela democratização dos conselhos estudantis em diversas universidades e fomentou a solidariedade dos estudantes com a classe operária e o campesinato. Foi um dos líderes da histórica ocupação, em 1979, da Universidade de Bombaim pelos estudantes contra o aumento das taxas. Desempenhou também importante papel na Associação da Juventude Indiana.

Junto com o Sindicato de Trabalhadores Fabris, organizou os operários em uma combativa greve no princípio da década de 1980. O camarada Sridhar Srinivasan foi um dos principais organizadores de muitas ações militares durante o período dessa greve e se converteu em membro do Comitê Urbano, movimento que se estendeu a zonas industriais próximas.

Mais tarde, nos anos de 1990, por decisão do Partido, se transferiu para a região de Vidharbha, onde organizou os trabalhadores das minas de carvão em Chandrapur, Vaniand e outras localidades próximas.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Durante mais de vinte anos, até 2007, dirigiu habilmente o Partido como Secretário do estado de Maharashtra. Foi eleito membro do Comitê Central do PCI (Maoísta) em 2001 e reeleito no Congresso de Unidade (IX Congresso), celebrado em janeiro de 2007. Nos altos e baixos pelos quais atravessou o movimento, sempre se manteve firme na defesa da linha do Partido. Tinha absoluta confiança no Partido e em sua linha, opondo-se às tendências oportunistas que surgiram em seu seio e mantendo-se firme ante as adversidades enfrentadas na luta.

Jamais fraquejou, cumprindo com absoluta disciplina qualquer tarefa confiada pelo Partido. Foi um grande dirigente até seu último momento, comprometido com a Revolução, com determinação e uma força de vontade de aço.

Detenção e vida no cárcere

Em agosto de 2007 foi preso. Sofreu interrogatórios e torturas psicológicas, mas nunca se dobrou ante ao inimigo. O Estado reacionário fez todo o possível para prolongar seu encarceramento, acusando-o de mais de 60 crimes e o condenou a seis anos e meio de prisão em um processo totalmente manipulado.

No cárcere, seguiu educando e inspirando os jovens quadros que estavam na prisão com ele. Incansável, dedicou seu tempo a leitura e ao estudo da situação nacional e internacional. Entrou em contato com vários ativistas islâmicos e tratou de entender suas motivações. Nas madrugadas, escrevia longas cartas e notas políticas sobre os mais variados assuntos a camaradas de outras prisões.

Foi libertado em agosto de 2013. Mas se a prisão não quebrou suas convicções, afetou sua saúde. Uma vez solto, dedicou seu tempo a reuniões para difundir o movimento revolucionário. Faleceu quando se dirigia a uma reunião com seus companheiros.

A morte do camarada Sridhar é um duro golpe para o movimento. O proletariado e as massas trabalhadoras de nosso país perderam um de seus melhores filhos, um homem que serviu generosamente ao povo, um comunista em cujo coração não palpitavam nada mais que os interesses do povo e da Revolução.

O Comitê Central de nosso PCI (Maoísta) rende vermelha homenagem a sua memória, envia suas sentidas condolências a sua família e amigos e compartilha de sua dor.

Nos comprometemos uma vez mais em cumprir os grandes ideais pelos quais o camarada Sridhar Srinivasan consagrou sua vida.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja