Cadê o Amarildo? Condenação de policiais não isenta Estado genocida

A- A A+

O que já era amplamente denunciado pelos familiares do operário Amarildo, pelos moradores da favela da Rocinha, Zona Sul do Rio de Janeiro, e por milhares de vozes em todo o país foi novamente comprovado, dessa vez pela 35ª Vara Criminal do RJ, que condenou 13 dos 25 policiais militares acusados pelo sequestro, tortura, assassinato e desaparecimento do operário da construção civil, Amarildo de Souza, em 14 de julho de 2013.

http://anovademocracia.com.br/165/06.jpg

 O crime hediondo foi comandado pelo major Edson Santos, ex-comandante da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, condenado a 13 anos e sete meses de prisão pelos crimes de tortura e ocultação de cadáver.

 Mas, apesar da condenação dos policiais envolvidos no assassinato de Amarildo, em sua decisão — como bem analisou o delegado de polícia civil Orlando Zaccone —, a juíza da 35ª Vara Criminal individualizou a culpa dos agentes policiais com base no que chamou de “despreparo” e “ineficiência”, discurso consonante com o dos gerentes de turno Cabral, Paes e Pezão (PMDB), aqueles de quem partem as ordens para a PM/UPPs, em todos os casos de crimes cometidos por agentes das forças de repressão, com discursos sobre “desvios de conduta” e em punir os “maus policiais”. É o subterfúgio que utilizam para negar e isentar a política genocida que parte de seus gabinetes.

Cadê o Amarildo?

Imagens de câmeras de segurança flagraram o momento em que Amarildo foi colocado na viatura e levado para o container da UPP no alto do Morro da Rocinha, onde foi barbaramente torturado. O trajeto das viaturas que desceram a favela com as provas da tortura e assassinato e, provavelmente, com o corpo do Amarildo, foi monitorado. Conhece-se o mandante e os executores. Então “Cadê o Amarildo?”. A pergunta acusatória contra os gerentes de turno do estado e da capital do Rio e a polícia fascista que ecoou por todo o país não se cala. Onde está seu corpo? Por que mesmo com a condenação dos culpados não é apresentada a prova maior desse crime?

Elizabeth Gomes da Silva, companheira de Amarildo, protestou indignada após a condenação dos assassinos de seu marido:

Me sinto aliviada, mas não totalmente. Os restos mortais dele não apareceram. Estou lutando e vou continuar lutando mais ainda para achar o corpo dele depois disso. Desde que o meu marido entrou no carro da polícia e sumiu no Portão Vermelho, eu sabia que o erro era deles. Eu só queria ter o direito de enterrar o meu marido.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja