Migrantes: muito frio, muito calor, muita humilhação

A- A A+

É grave a situação das massas migrantes em todo o mundo. À parte as agruras próprias das grandes migrações e os aproveitadores de toda ordem que veem oportunidade na desgraça, é de cunho cada vez mais claramente fascista a reação das potências da União Europeia e de outros países, como o Estado criminoso de Israel, à chegada à suas fronteiras e à entrada em seus territórios de grandes contingentes de deserdados da terra. São trabalhadores, crianças e velhos a quem, com a miséria, a violência e a barbárie mordendo-lhes os calcanhares, restou não mais do que a arriscada e humilhante jornada da emigração, na maioria das vezes dita “clandestina”, a fim de postular a condição de refugiado em países onde, julga-se, é possível viver com alguma, ao menos alguma dignidade.

http://www.anovademocracia.com.br/166/21.jpg
Refugiados protestam no campo de detenção de Holot

Na Europa, a situação dos migrantes que chegam da África e do Oriente Médio se encontra em estágio particularmente dramático na Grécia, onde cerca de 150 mil pessoas, a maioria sírios, veem o passar dos dias amontoadas em campos improvisados, estádios de futebol e outros tipos de confinamento reservados pelo “ideal europeu” a quem chega sem ser convidado.

Nos primeiros dias de março, cerca de 30 mil migrantes se espremiam sob o frio e contra os aramados da fronteira grega com a Macedônia, novamente fechada em meados de fevereiro pelo governo daquele país, e sob regras arbitrárias, humilhantes e hipócritas, resumidas no anúncio de que podiam embarcar em trens para a Sérvia quem viesse de “cidades que estão em guerra”.

Podiam passar, assim, cidadãos que comprovassem ser de Allepo, cidade síria onde o monopólio da imprensa gravou e fez repercutir imagens chocantes e comoventes da barbárie da guerra civil, mas não podiam passar cidadãos que vinham, por exemplo, de Damasco ou de Bagdá, como se nas capitais da Síria e do Iraque, países arrasados por agressões e ingerências das potências capitalistas, não houvesse motivo para a emigração. Em Bagdá, a explosão de um caminhão-bomba destroçou pelo menos 60 pessoas no dia 6 de março. Em Damasco, no fim de fevereiro, três incidentes deixaram 87 mortos e 180 feridos.

Na Palestina invadida, Israel fascista tenta se livrar de imigrantes provenientes da Eritreia e do Sudão prometendo-lhes dinheiro para que procurem outro lugar para viver, conforme mostrou reportagem publicada em fevereiro pela BBC. Israel fascista, que acolhe menos de 1% dos pedidos de refúgio que recebe, manda a maioria dos imigrantes que chegam ao seu território ao campo de refugiados (verdadeiramente um campo de detenção) de Holot, no deserto de Negev, onde milhares de sudaneses e eritreus padecem sob o calor sufocante, carências alimentares e falta de cuidados de saúde.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja