Cantos da resistência

A- A A+
Pin It

Um apoiador do jornal passava por um parque em Belo Horizonte quando, em uma banca, o título de um CD chamou sua atenção: Cantos da Resistência – Pela preservação da memória, contra o esquecimento. Comprou o CD e me apresentou as músicas entusiasmado. Os títulos já soam como convite: ‘Xote do arroz’, ‘Canção de libertação’, ‘Crítica e autocrítica’, ‘Latifúndio caduco’...

http://www.anovademocracia.com.br/166/15.jpg

Quem divulgava o CD era Annete Scotti Rabelo, militante fundadora da Ação Popular (AP) e da Ação Popular Marxista-Leninista (APML) em Goiás, no Maranhão e na Bahia, e uma das organizadoras do projeto que reuniu as canções de luta e resistência compostas pelos militantes da AP nos anos de 1960-70 que atuavam no Movimento de Educação de Base (MEB), dedicado a promoção de ensino e politização para os camponeses.

Durante uma manhã inteira tivemos a satisfação de entrevistá-la, conhecer o trabalho realizado e outros antigos militantes da AP e do MEB para reunir essas canções, o processo de composição das músicas que compõem o CD e ouvir um pouco da sua história.

Annete é alfabetizadora, historiadora e fundadora do curso de Fonoaudiologia na PUC-GO, onde atua como docente e pesquisadora na área de pessoas com necessidades auditivas. Sua vida está intimamente ligada ao ensino e à música, e, durante décadas, à luta dos camponeses pelo direito à terra e contra o latifúndio.

Mas, para entender melhor o disco, comecemos por sua trajetória como militante revolucionária.

Junto aos camponeses

Ela e seu companheiro, Antônio Rabelo, dirigente regional da AP, dedicaram uma parte importante de sua militância aos camponeses do ‘Goiás Velho’. Ele trabalhava em laboratórios e estudava Medicina. Ela, alfabetizadora e professora de História. Antônio foi um dos fundadores do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Goiânia e atuou na direção de importantes greves dos operários na capital. Era respeitado e reconhecido pelos operários e pelos militantes de outras organizações. Ambos trabalhavam junto aos camponeses com iniciativas para a promoção da sua saúde, alfabetização e politização.

A Ação Popular transferia seus militantes para diferentes regiões de campo para estudar as contradições e a realidade dos camponeses a fim de definir locais em que estabeleceria seu trabalho político. A integração dos militantes da AP no campo — conta Annete — foi algo planejado.

 — Se falava de semifeudalidade, mas se estudava pouco sobre o problema. Fomos estudar a realidade do campo, as lutas anteriores desenvolvidas em cada região, o nível de politização das massas. Fomos para o norte de Goiás, Maranhão e Bahia — lembra.

— Nos preparávamos, fazíamos cursos e sabíamos que todo o trabalho de politização que fazíamos iria se desencadear em uma guerra armada. Tinha que dar nisso, tem que dar nisso.

 A AP já estudava o maoísmo e a questão do campo.

As músicas do Odilon Pinto, que atuava no Vale do Pindaré Mirim, no Maranhão, junto com o Manoel da Conceição, tratam muito da questão do campo — recorda Annete. Ele fez composições lindas e algumas não entraram no disco por falta de espaço. Uma diz assim: “Sou comunista, companheiro, sou contra a fome e o cativeiro...”

O MEB no Goiás Velho

O Movimento de Educação de Base, dirigido pelos militantes da AP e que contava em Goiás e outras regiões com uma rede ampla de apoiadores, em pleno regime militar fascista, organizava cursos de alfabetização, peças de teatro popular com os camponeses e tinha um programa de rádio em que eram difundidas canções de luta e levantados assuntos de interesse da população local. Além de apoiar com a rádio do MEB, alguns bispos progressistas também davam suporte à luta dos camponeses pagando advogados em sua defesa nos processos da terra contra grileiros e tentativas de expulsão feitas pelos latifundiários.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Os maiores latifúndios da região — conta Annete — estavam no Goiás Velho, onde está localizado o município de Itauçú. Os latifundiários grilavam as terras e os camponeses resistiam. Lá, o dedicado trabalho dos militantes da AP despertou os camponeses para a luta, estimulou sua organização e contribuiu para o movimento que ficou conhecido à época como Guerrilha do Itauçú. Houve perseguições e, no ano de 1967,  Annete foi presa pela primeira vez devido a sua destacada atuação, particularmente entre as mulheres camponesas. 

Antônio fazia trabalho de mobilização para organização do sindicato dos trabalhadores rurais e foi transferido para outra região devido às perseguições.

Lutando e cantando

— As canções da resistência são músicas que surgiram a partir de cursos do MEB, reuniões e outras atividades. Dávamos valor aos trabalhadores, as músicas falam como eles construíam casas, do seu trabalho na roça, mostrando que eles tinham direito a essa cultura, que ela pertencia a eles — enfatiza.

Os camponeses (e até hoje é muito assim, diz Annete) consideram um deus no céu e o senhor dono da terra. O latifúndio queria difundir a criação de gado em Goiás e começam a grilar as terras porque a lavoura já não os interessava. Hoje a coisa é diferente, a lavoura interessa para plantar soja para o agronegócio.

As músicas eram cantadas na rádio, nas reuniões e nas prisões. Foram se popularizando e estavam gravadas nas memórias dos camponeses e militantes. Os anos foram se passando e foram se perdendo fragmentos.

— Quando debatemos o projeto da gravação do CD, percebíamos que essas músicas poderiam servir para contar parte dessa história da resistência, e isso nos estimulou a concretizar o projeto. Contatamos todos os compositores que pudemos para resgatar as letras — diz Annete, que continua, entre sorrisos — Em uma primeira tentativa, o companheiro Manoel da Conceição pegou uma fita que havíamos gravado, levou com ele e ela se perdeu. Tivemos que gravar tudo de novo”.

E prossegue:

— Fui até a Bahia atrás do Odilon, que dá aulas lá na universidade. Eu estou com 78 anos e os outros companheiros vão por aí no mesmo caminho. Quando cheguei na Bahia, encontrei o Odilon no hotel e ele dizia que não lembraria das músicas, que não poderia ajudar. Estimulei, comecei a cantar e lembrar. Foi só começar que ele se entusiasmou e lembrou das que eu já me recordava e de outras mais. Ele cantou, recordou as melodias e uma das músicas do disco está na voz dele. Gravei no celular e um maestro fez a base da melodia sobre a voz dele para gravarmos o disco.

Cantoria camponesa

Surgiu um novo projeto, o Romaria da terra, com músicas compostas pelos camponeses de Goiás.

— Buscando novas músicas, começamos a fazer cantorias na minha casa. Participavam vários camponeses. Alguns que conquistaram a terra, outros que se mudaram para a cidade, muita gente que está espalhada por aí. Fomos nos reunindo nessas cantorias e lembrando. Nos reunindo, reencontrando, contando histórias. Está excelente! Foram duas cantorias. Eles tocaram e cantaram. Gravei o disco com todas as músicas e eles estão discutindo quais entrarão num disco. Estamos também debatendo quem procurar para financiar e gravar — conta Annete entusiasmada.

Cantos da Resistência é composto por um CD com 20 músicas e um belo livreto com textos sobre o MEB, a Ação Popular, os autores e os contextos em que as músicas foram compostas; lista de mortos e desaparecidos da AP; bibliografia e vídeos. Os interessados em adquirir o CD podem entrar em contato através do Os interessados em adquirir o CD podem entrar em contato através do Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. O preço de um CD é R$ 30,00 mais as despesas de correio. A partir de dois CDs o preço cai para R$ 25,00 por CD + despesas de correio. A forma de pagamento será acertada diretamente com a vendedora.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja