Percutindo com cajón

A- A A+
 

Percussionista maranhense radicado em Belo Horizonte, Zeca Magrão faz shows, acompanha outros artistas em gravações e se dedica a fabricação e uso do cajón, instrumento peruano adaptado aos ritmos brasileiros. Trabalhando em vários projetos de percussão, Zeca também luta contra a atual lei do silêncio, que está prejudicando muitos músicos.

http://www.anovademocracia.com.br/166/14.jpg

Ainda carrego muita coisa do Maranhão, mas estou mais do que radicado aqui, onde desenvolvo trabalhos de percussão com alguns nomes como Rubinho do Vale, Paulinho Pedra Azul, João Araújo, Saulo Laranjeira e muitos outros. Mas lá em São Luís do Maranhão já trabalhava com o Zeca Baleiro —conta.

Cheguei aqui em Belo Horizonte por causa do Seminário Brasileiro de Música Instrumental, organizado pelo Toninho Horta, em 1986, e não voltei mais. Veio eu, o Zeca Baleiro e mais dois músicos. Eles ficaram uns dois anos e depois voltaram para São Luís .

Zeca Magrão começou a desenvolver um trabalho de percussionista ainda na capital maranhense, desde os quatro anos de idade.

Meus tios tinham escola de samba, blocos carnavalescos, e assim a percussão chegou para mim de uma forma bem natural. Só que, primeiramente, tive que satisfazer minha família, tive que estudar, e assim fiz meu segundo grau —lembra.

Depois já comecei a trabalhar profissionalmente com percussão, me envolver com os movimentos de música de lá. Quando cheguei só dei continuidade ao trabalho, só que com o pessoal daqui, e toco com gente de fora também, acompanho artistas de diversos estilos musicais: violeiros, pessoas do forró, do instrumental, do samba etc —diz.

Magrão conta que, além das gravações e apresentações, ele dá aulas, realiza oficinas de percussão pelos interiores do estado e trabalha na confecção do cajón, seu instrumento oficial.

Toco quase todos os instrumentos de percussão, não digo todos porque é impossível, esse universo é muito amplo. Mas, desenvolvi um trabalho especial com o cajón —explica.

Apesar da origem peruana, ele foi muito adaptado na música flamenca por um brasileiro, o Rubens Dantas, que, na época, tocava com o Paco de Lucia.  Me identifiquei muito com esse instrumento e hoje trabalho mais com ele —continua.

Porém, continuo trabalhando com outros instrumentos, o pandeiro etc. Muitas pessoas têm a oportunidade de conhecer o cajón nos meus shows e se interessam. Artistas acabam me chamando para fazer gravação, som e até para comprar mesmo, porque é um instrumento muito versátil, dá para fazer qualquer ritmo com o cajón —expõe.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja