UPP segue matando em Manguinhos: “Nossos filhos estão sendo condenados à morte”

A- A A+
 
http://www.anovademocracia.com.br/167/09a.jpg
Após a violência do Estado, resta a dor das famílias das vítimas e a luta por justiça

Na noite do dia 9 de março, policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de Manguinhos, Zona Norte do Rio de Janeiro, assassinaram o menino Caio Daniel da Silva Lima, de 14 anos. Caio brincava no Campo da Esperança, na localidade Vila Turismo, ao lado de sua casa, quando foi atingido por tiros disparados por PMs do outro lado do rio que corta a comunidade. Ele foi socorrido pela própria mãe com a ajuda de moradores, mas morreu a caminho do hospital.

O primo de Caio, Erik Cardoso de Aquino, 19, foi ferido na mesma ocasião, quando teve sua mão dilacerada por um dos disparos de fuzil. O jovem também foi levado para o Hospital Salgado Filho, onde foi submetido a uma cirurgia. Depois do crime, policiais fugiram e deixaram os dois jovens agonizando à espera do socorro, que ficou a cargo dos próprios moradores que testemunharam a ação covarde dos PMs. Para a surpresa da mãe de Erik, a dona de casa Rosana Cardoso de Aquino, seu filho foi algemado à maca do hospital e enquadrado nos crimes de associação ao tráfico, porte de arma e resistência à prisão.

Acompanhada da ativista e pedagoga Ana Paula Oliveira — uma  reconhecida Mãe de Manguinhos que também teve seu filho assassinado por PMs da UPP em 2014 —, a equipe de reportagem de AND foi até lá e conversou com as mães de Erik e Caio. Muito abaladas, elas descreveram os momentos de pânico que viveram quando receberam a notícia de que seus filhos haviam sido baleados.

Eu estava dentro de casa quando ouvi os tiros. Eu coloquei a mão no coração e pensei: ‘Meu filho!’. Não demorou um minuto e uma menina entrou na minha casa dizendo que o Daniel tinha sido baleado e um outro menino estava com a mão pendurada. Esse menino era o meu sobrinho. Quando eu saí pelo beco na Beira-Rio e cheguei no local, eles [PMs] ainda deram mais três tiros na minha direção. Eu gritei ‘continua atirando! Já mataram o meu filho. Podem me matar também’. Foi nesse momento que eles pararam de disparar. Eles fugiram e eu fiquei sozinha gritando por socorro. Um senhor abençoado veio com o seu Fusca e levou meu filho e meu sobrinho para o hospital, mas para o meu filho não havia mais salvação — conta a dona de casa Kelly Cristina Pereira, conhecida por moradores pelo apelido de “Fofa”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja