Queimando tudo (passa-se o ponto)

A- A A+
Pin It

Como um lojista que, a dias de passar o ponto, liquida o estoque, a senhora Rousseff busca desmanchar todos os fatores de soberania econômica ainda existentes no Brasil. A aviação é o último alvo desse surto de entreguismo contra o relógio.

http://www.anovademocracia.com.br/167/05.jpg

Com a Medida Provisória (MP) 714 (01/03), o teto de participação estrangeira no capital votante de companhias que realizam voos domésticos foi ampliado de 20 para 49%. Em caso de “acordo de reciprocidade” com país que permita o mesmo a empresas “brasileiras”, não há limite. A direção das companhias pode, agora, ser confiada a pessoas de qualquer nacionalidade.

Pode-se questionar que importa onde nasceu o controlador, se foi preciso um empresário estadunidense (David Neeleman, da Azul) para que pudéssemos voar nos aviões que a Embraer fabrica aqui e vende ao mundo inteiro, enquanto os Constantino (Gol) e Amaro (TAM) importam Boeings e Airbuses dos EUA. Mas a MP 714 coroa uma sabotagem prolongada à aviação brasileira. E os donos da Gol são seus beneficiários e inspiradores, não suas vítimas.

Um pouco de história

No século XX, todo país com um grau mínimo de organização econômica tinha uma empresa aérea, geralmente estatal. O Brasil era exceção neste último aspecto, mas, ainda assim, de meados da década de 1960 a meados da de 2000, teve a Varig.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Sua agonia coincidiu com o primeiro mandato de Luiz Inácio (2003-6), responsável por fali-la, porque o Estado lhe devia tanto quanto ela ao Estado. Um encontro de contas teria preservado seu acervo de conhecimento, suas rotas, aviões e seus qualificadissimos trabalhadores de ar e terra. Se seus dirigentes não eram idôneos, como na época se alegou, bastaria o Estado assumir o controle, concretizando a ideia que, em 1963, levara-a a demitir — e logo reintegrar, por força de uma greve histórica — o piloto e dirigente sindical Mello Bastos: a criação da Aerobrás.

Afastada tal possibilidade pelo golpe de 1964, a Varig se valeu da perseguição à Panair e de relações com os governos ditatoriais fascistas para firmar-se como grande empresa aérea.

Quem nasceu pra Constantino não chega a Ruben Berta

Quando ela não pôde mais cumprir esse papel, o governo de Luiz Inácio resolveu que sua posição seria ocupada pela Gol, cabendo à TAM fatia menor. Das não monopolistas, primeiro foi desativada a BRA. Depois, o governo deu à Gol o que restava da Varig e, já com o incubador de monopólios Luciano Coutinho à frente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Webjet. A TAM engoliu a Pantanal. A Azul absorveu a Trip.

A contrapartida que o governo exigiu para autorizar essas operações via Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e financiá-las via BNDES foi nenhuma. Nos anos 70, a Varig tinha monopólio de rotas internacionais lucrativas, mas operava trechos deficitários importantes para a integração interna e externa e garantiu ao país excelência em segurança de voo e serviços. Gol e TAM não vão à África e Ásia, voam pouco ao interior do Brasil e não usam aviões brasileiros. Com tantos favores e em tão pouco tempo, estão quase tão falidas quanto a Varig há 10 anos.

A TAM existe, hoje, graças aos subterfúgios legais que permitiram sua fusão com a chilena LAN, em 2012. A Gol perdeu 84% de seu valor de mercado em 2015, mais 52% no primeiro mês de 2016. O início de rumores sobre a liberação do capital estrangeiro no setor, a partir de fevereiro, fez com que suas ações voltassem a subir, e muito. A MP 714 elevou seu preço em 20% em um único dia (02/03).

Isso se deve à iminente tomada de seu controle pela Delta Airlines, que tem hoje 9,5% de seu capital e pode comprar combustível em sua própria moeda (dólar). Menos claros são os efeitos para a TAM e as empresas menores toleradas pelo duopólio e pelo governo: Avianca (colombiana) e Azul, que tem sócios chineses (HNA) e americanos (United Airlines).

Repete-se na aviação o que já ocorreu em outros setores. Com a desculpa de fortalecer o capital nacional, o governo incuba monopólios; depois, financia sua desnacionalização, com lucro para os controladores. Foi assim com a Brahma, que, após fundir-se à Antárctica, transferiu sua matriz para a Bélgica; e com o Pão de Açúcar, que, depois de engolir as Casas Bahia, Ponto Frio, Açaí e Sendas, passou ao controle do concorrente francês Casino. Será assim com a Gol.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja