Estão soltando o Tigre, quem vai prendê-lo?

A- A A+
Pin It

A história, como ciência, nos fornece dados de como a humanidade ao longo do tempo se movimenta, e, principalmente, se transforma.

http://www.anovademocracia.com.br/168/20.jpg
Caveira Zapatista, gravura de José Guadalupe Posada

A história não se repete apenas como farsa, como já disse Marx há tempos. Mas isso não significa que o passado esteja distante e inútil para entender o presente.

A história revolucionária no México nos traz bons exemplos de como se gestou e desenvolveu a crise do Estado Moderno na América Latina. A história da Revolução Mexicana, em resumo e no que nos interessa aqui, é mais ou menos assim:

Havia um ditador militar que administrou o país ao longo de 30 anos para as empresas estrangeiras. Garantiu a estabilidade, em parte através de sua figura paternal, e, na maioria das vezes, à base de muita repressão.

Quando chegou o século XX, Porfirio Díaz já fazia 30 anos no governo, com 80 anos e símbolo de uma era envelhecida, sem condições mais para gerenciar em favor dos negócios gringos e dos coronéis (terratenientes, no México).

Nesse ínterim surge uma figura com ares modernizantes, um latifundiário do norte, de discurso liberal. Seu nome era Francisco Madero. Esse latifundiário conquista apoio e se candidata a presidente.

Prevendo que perderia as eleições para Madero, o ditador manda prender seu oponente, frauda as eleições e consegue mais uma vez se reeleger. Madero foge para a fronteira gringa e redige um manifesto, em que convoca o povo mexicano às armas para derrubar a tirania. Como precisa do máximo apoio, inclui algumas demandas populares em seu programa, como distribuição de terras e direitos para os trabalhadores.

Inicialmente não há adesões, mas pouco tempo depois começam a brotar inúmeros grupos armados que atacam o exército federal, em uma onda rebelde crescente. A insurgência popular acaba forçando a renúncia de Porfirio Díaz, que foge para Paris. Madero é eleito presidente e entra triunfante na capital.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

No plano de Madero a história acabaria aí, com pequenas reformas do corpo político, algumas regras mais liberais e o fim da reeleição presidencial, que perpetuou Díaz por 30 anos.

Mas, diferente do que imaginou Madero, o povo que se armou contra o ditador não pretendia se desarmar em nome de remendos na ordem social. Exigia mudanças sociais profundas, e não estava disposto a entregar as armas sem que o programa democrático fosse efetivamente aplicado.

Dentre os que não aceitaram depor as armas estava o lendário Emiliano Zapata, líder do movimento camponês do Sul, que exigia uma Revolução Agrária e terra para quem nela trabalha.

Madero também se enganou com os elementos porfiristas que permaneceram no Estado, particularmente no exército. Em 1913 sofreu um golpe e foi assassinado por forças conservadoras que anularam as pouquíssimas reformas conduzidas pelo seu breve governo.

A guerra civil continuou, forças progressistas e democráticas contra conservadores se enfrentaram, por vezes em grupos, uns contra os outros, sem identidade de classe clara, ao longo dos 10 anos seguintes, até que um governo, talvez o primeiro governo populista latino-americano, conseguisse derrotar as organizações populares e desarmá-las, alcançando gradativamente estabilidade política. Para alcançar essa estabilidade precisaram ceder diversas coisas, e desse processo nasceu a mais avançada constituição da época, a primeira a considerar a terra sob uma perspectiva social, a reconhecer as 8h de trabalho diário, liberdade de expressão e liberdades em geral, a separação da Igreja e do Estado, etc.

Embora o processo revolucionário mexicano seja de fundamental importância, as palavras que a história conferiu ao ditador Porfirio Díaz quando soube da convocação de Madero às armas são particularmente interessantes: “Madero está tirando o tigre da jaula, quero ver como vão colocar ele de volta”.

Sob diversos aspectos vivemos uma situação parecida. A briga entre os grupos de poder que controlam o Estado brasileiro por aumentar o seu quinhão, usam as demandas populares e os anseios democráticos da população,  acreditando poder controlar a situação. Apenas descortinam cada vez mais o que de fato é o velho e podre  Estado brasileiro: um balcão de negócios, um espaço para a rapinagem, para o saque e instrumento de repressão política e social contra os mais pobres e trabalhadores.

Eles, como Madero, não estão contando com o grande Tigre que está saindo da jaula. O povo brasileiro não vai mais aceitar, seja o governo que for, que suas reivindicações não sejam atendidas.

O Tigre já está esmigalhando os amestradores profissionais do PT. Depois que estiver fora da jaula, os próximos serão os palhaços e a própria lona que cobre o grande circo da palhaçada eleitoral.

Grandes tempos, tempos de Tigres soltos...

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja