Saúde mental e capitalismo*

A- A A+

Era uma vez um fazendeiro. Ele se orgulhava da qualidade dos seus produtos. Detestava ter que usar chicote, tronco e outros castigos, mas seus escravos muitas vezes se negavam a trabalhar e até fugiam. Chegou a pensar em libertá-los e contratar empregados, porém, se assim o fizesse, seus produtos ficariam muito caros, sem competitividade no mercado e quebraria. Então rezou pedindo ajuda. Rezou com tanto fervor que Deus o ouviu e lhe enviou um monte de caixas de Prozac para ministrar aos seus escravos.

E o Prozac atuou divinamente, sem efeitos colaterais, e com tudo o que a propaganda viria a prometer.

E os escravos viveram escravos, felizes para sempre...

http://www.anovademocracia.com.br/168/19.jpg

Depois da fábula a realidade

O Dr. Samuel A. Cartwright, médico que exerceu a sua profissão em Luisiana, USA, publicou, em 1851, no prestigioso periódico científico New Orleans Medical and Surgical Journal, um artigo no qual relatava a descoberta de uma nova doença mental. O “raro mal”, segundo seus estudos, atingia pessoas negras de origem africana, mais especificamente escravos. A enfermidade, que denominou de Drapetomania, levava os acometidos a um “desejo inconcebível de fugir”. Como terapia para a prevenção e até a reversão deste quadro de saúde humana, Cartwright propôs a ministração de chicotadas e, em casos mais graves, recomendava a amputação dos dedos dos pés dos pacientes.

Com o tempo a tal “doença” saiu da bibliografia médica. Talvez pelo fim da escravidão ou pela completa falta de base científica. Porém, hoje existem muitas doenças mentais reconhecidas com duvidosa base científica.

A fonte mundial para a definição das doenças é o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, mais conhecido como DSM, produzido pela Associação Americana de Psiquiatria, que, de tempos em tempos, ganha uma nova edição. Na primeira, de 1952, eram catalogados 106 transtornos psiquiátricos; na segunda, de 1968, já eram 182; e no de 1980 subiam para 265. Na última edição de 2013, o DSM 5, ultrapassou 300 doenças catalogadas (algumas das quais parecem ter sido inventadas sob encomenda dos laboratórios).

No geral, do meio acadêmico vigente, ante a queixa de um paciente, o mecanismo que o profissional de saúde mental adota consiste basicamente em enquadrar uma doença ou grupo de doenças que acometa a pessoa: depressão, psicose, distúrbios etc. E o tratamento: um psicofármaco. Assim como a penicilina e os antibióticos enfrentam as infecções, os psicofármacos enfrentariam os problemas mentais. Porém a analogia não se aplica nesse caso.

A consulta

Assim é o dia a dia do consultório de muitos médicos, e que não são especialistas psiquiatras:

Uma paciente chega ao médico, conta para ele que sente tristeza. O doutor rapidamente diagnostica depressão, explica que ela é motivada pelo baixo nível de serotonina no cérebro e que isso será resolvido tomando o medicamento Prozac.

Outro paciente relata ao médico que sempre está preocupado com alguma coisa que pode dar errado, não relaxa, vive tenso, sente falta de concentração e irritabilidade. Então, o doutor determina o diagnóstico: ansiedade generalizada, e a culpa é de um desequilíbrio químico capaz de ser resolvido tomando umas caixas de Aropax.

A leviandade na prescrição destes remédios muitas vezes é bem vista pelo paciente que, se achando bem informado, se auto-diagnostica e já vem solicitando a receita.

Mapa da mina

Como se chegou a este consenso na medicalização (caraterísticas e eventos da vida cotidiana convertidos em doença) onde um fármaco vai passar a garantir a saúde e até a felicidade?

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja