As leis do poder

A- A A+
Pin It
  1. Recordei faz pouco: Em 17.04.2016, a Câmara, com 25 votos além dos requeridos 2/3, aprovou encaminhar ao Senado o processo de impedimento. O que mais impressiona, nos representantes da prostituição política, é o cinismo: enrolados na bandeira nacional, gritando “Viva o Brasil!”, enquanto tratam de demolir o pouco que falta para completar a alienação da soberania nacional... O império angloamericano vale-se de irrecuperável regime político, formado e controlado por ele, e colhe mais frutos dos investimentos em ignorância e corrupção que realiza no País, há mais de 70 anos.
  2. Que isso não seja entendido como defesa de Dilma, Lula e seus aliados. Pela enésima vez: qualquer das falsas opções oferecidas pelo regime apodrecido, não pode produzir outro resultado que o de deteriorar ainda mais as inviáveis estruturas econômica e social implantadas nestes 62 anos.
  3. Em março, publiquei artigo intitulado “O Poder”. Recordei lições de política, principalmente de Maquiavel. A propósito da facilidade com os golpes comandados de fora do País atingiram seus objetivos, há que acrescentar mais conceitos básicos.
  4. Entre esses: O poder não aceita o vácuo: quem o detém, trata de ocupar todos os espaços dele, com esta implicação: todos os que contam com alguma parcela dele, disputam com os demais detentores a preponderância em cada um dos espaços.
  5. Geralmente os acordos, escritos ou não, de divisão do poder são transitórios: duram até que um dos detentores tenha prevalecido sobre os demais, e acabado o equilíbrio, não hesita em dar por terminados tais acordos.
  6. A divisão e o equilíbrio entre os detentores de poder, amiúde fictícios, não se restringem aos poderes do Estado definidos nas Constituições.
  7. Essas regras estão presentes na realidade interna dos países e Estados, e também nas relações ditas internacionais. Implicação: estão fadados a perder a soberania, por inteiro, os Estados que cedem espaços próprios dela às potências estrangeiras — quer Estados, quer oligarquias políticas, quer grupos financeiros e econômicos “privados”.
  8. Exemplos da indivisibilidade do poder encontram-se desde a Antiguidade. Roma já era imperialista, no Século III A.C, e conquistou a hegemonia mundial nas três Guerras contra Cartago (264 a 146 A.C.).
    Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia
  9. Foi, até 27 A.C., oligarquia aristocrática de base rural, que controlava os poderes do Estado (Senado e os cônsules), ligados às famílias nobres.  No Século I, intensificaram-se os conflitos armados internos, quando líderes político-militares enfrentaram o Senado.
  10. Alguns desses líderes entenderam-se para dividir o poder. O primeiro triunvirato durou de 59 a 53 A.C., e o segundo, de 43 a 33 A.C. No final do primeiro, prevaleceu Júlio César. No do segundo, Otávio, que se tornou imperador.
  11. Após a Revolução francesa, Napoleão Bonaparte dividiu o poder no Diretório, e pouco depois, emergiu como 1º Cônsul, no golpe de Estado de 1799, e em seguida imperador.
  12. No Brasil, até 1930, oligarquias estaduais de chefes rurais eram a classe principal no plano interno, mas subordinada à City de Londres, em função das relações comerciais e financeiras externas.
  13. A História deu ao País oportunidade de alterar esse quadro, mercê de duas guerras mundiais e da crise econômico-financeira dos anos 30. O presidente Vargas, percebia o absurdo — que ainda perdura — de um país importar a preços elevadíssimos as matérias-primas que exporta a preço vil, depois de industrializadas.
  14. A indústria e a tecnologia são espaços de poder sem o controle dos quais não há como exercer a soberania nacional.
  15. Em 1945, não obstante seus acordos com o presidente dos EUA e a cooperação brasileira na 2ª Guerra Mundial — claro que a gratidão é irrelevante para o império —, o País foi logo punido sob a política da Guerra Fria, com a deposição do presidente Vargas, em outubro de 1945.
  16. Por que? Os estrategistas imperiais viam que, com o potencial de desenvolvimento do Brasil, a permanência de governos inclinados a fomentá-lo e capazes disso, o poder nacional crescia. Ora, a geopolítica dos EUA não admite que isso ocorra em qualquer país do “Western Hemisphere” (América Latina).
  17. Daí que o Mal. Dutra, obcecado pela aliança com os EUA para reprimir o comunismo, praticou políticas econômicas grandemente prejudiciais ao País.
  18. A popularidade granjeada por Vargas nos tumultuados 15 anos de governo (1930-1945), fê-lo vencer as eleições diretas de 1950.
  19. Isso colocou Vargas, pela primeira vez, na desgastante situação de chefiar o Executivo, sob regime “democrático”, com o Legislativo majoritariamente hostil, num país desprovido de serviços secretos bem-estruturados, aberto à penetração corrompedora de instituições estrangeiras, além do fogo incessante de mídias que abusavam da “liberdade de imprensa”, em favor do golpe, consumado em 1954.
  20. O espírito conciliador do presidente Vargas, o levou a aumentar o conjunto de enormes  trunfos de que já dispunham os patrocinadores de sua destituição.
  21. Aí está mais uma ilustração disto: quem divide o poder de fato com forças hostis e poderosas — no caso potências imperiais (EUA e Reino Unido à frente) se condena à ruina, se permitir que ampliem e aprofundem seus espaços de poder no País.
  22. Dentro da mesma lógica, imediatamente após o golpe de 1954, aquelas forças ocuparam, de forma ainda mais radical, os espaços de poder. Para isso, deram grande impulso à desnacionalização e desindustrialização da economia, elevando a vulnerabilidade do País, entre outras coisas com a galopante dívida externa e maior influência, na política interna, da finança e da economia concentradas sob controle estrangeiro.
  23. Assim, um poder que, nos anos 50,  ainda não era total, se torna absoluto.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja