“Josué, nunca vi tamanha desgraça”

A- A A+

Na noite do último Natal, no centro do Recife, centenas de pessoas com andrajos faziam filas quilométricas para receber “cestas básicas” distribuídas pelos governos federal e estadual, igrejas, centros comunitários, clubes de mães... A cena repetia, de modo concentrado, o que acontece diariamente pelas ruas centrais e adjacentes desta cidade “tomada ao mar”. A secular miséria aumenta ano após ano, decorrente da mesma prática política que Josué Apolônio de Castro denunciava há mais de 40 anos.

Foto do livro A Geopolítica da Fome, de Josué de Castro

Nanismo alimentar. Duas crianças da mesma idade, uma faminta

Médico, geógrafo, professor catedrático e autor do livro Geografia da fome, obra traduzida em 25 idiomas, o pernambucano nascido no Recife, Josué de Castro foi um dos mais importantes brasileiros do século XX, cuja vida foi dedicada a desvendar e denunciar as condições em que subsistem milhões de seres humanos, condenados a morrer de fome, vítimas da exploração de um sistema moribundo e de suas relações sociais.

Utilizando-se de instrumentais teóricos marxistas, a obra de Josué de Castro se notabilizou pelo estudo e pela denúncia das condições que produzem o flagelo da fome. Ela analisa o imperialismo e o seu desenvolvimento nos países semicolonizados ao criticar as classes dominantes e enfocar o papel da economia e a necessidade de erradicar o latifúndio e o semifeudalismo, fonte primeira das condições de vida subumanas encontradas a cada esquina do nosso país e demais nações sob o jugo colonial.

A sua denúncia do “flagelo fabricado pelos homens contra outros homens”, como diz em Geografia da fome, sintetiza o seu vigoroso trabalho, referência mundial obrigatória quando o tema é fome como consequência da ação política.

Segundo sua filha, Anna Maria de Castro, “a publicação da primeira edição da Geografia da fome, em 1946, marca o início das denúncias que pretendeu levar , aos brasileiros e ao mundo, sobre esse grave flagelo”. Anna diz que “a vida de Josué de Castro foi uma grande lição de engajamento em sua própria realidade, sua própria cultura. Ele procurou desenvolver uma ciência a partir de um fenômeno que é a manifestação do baixo padrão de vida em sua mais dura expressão: a fome, e tentou criar uma teoria explicativa para a triste realidade da negligência, da pobreza, da miséria, buscando modificar a história de seu país. É este homem que o Brasil de hoje precisa deixar de ignorar.”

Hoje, principalmente, quando os governantes do FMI/PT baseiam sua política no assistencialismo das tais comunidade solidária, bolsa-escola, cartão alimentação (cópia do food stamp distribuído pelos ianques na década de 40), bolsa família, fome zero, restaurantes a R$ 1,00, nada mais estabelecem que um grande engodo eleitoreiro para mantê-los no poder, sem nenhuma melhora nas condições de vida do povo. Trata-se de uma política social de amansamento, de domesticação que agride a dignidade humana, porque é voltada para aprofundar a submissão, a ignorância e a idiotização. Com essas esmolas as autoridades acreditam que essa imensa massa humana não cobrará delas nada mais que uma cesta básica. Situação idêntica inspirou o poeta Zé Dantas e a Luiz Gonzaga, o rei do baião que cantou em Vozes da seca: “Uma esmola a um homem que é são ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão.”

O pensamento brasileiro

É a esse processo de dominação que Josué de Castro se opunha ao afirmar, por exemplo, que “os interesses econômicos das minorias dominantes trabalham para escamotear o fenômeno da fome do panorama espiritual moderno. É que ao imperialismo econômico e ao comércio internacional a serviço do mesmo interessa que a produção, a distribuição e o consumo dos produtos alimentares continuem a se processar indefinidamente como fenômenos exclusivamente econômicos — dirigidos e estimulados dentro de seus interesses econômicos — e não como fatos intimamente ligados aos interesses da saúde pública. E a dura verdade é que, as mais das vezes, tais interesses são antagônicos.”

Esse pernambucano de Recife, filho de sertanejo fugido da seca, nasceu em 1908 e faleceu em Paris, no exílio, em 1973, com apenas 65 anos. Durante sua vida profissional Josué de Castro foi uma das mais notáveis personalidades e contribui para erigir o pensamento brasileiro dos dias atuais. Com 21 anos formou-se em medicina, no Rio de Janeiro, e voltou ao Recife para exercer a profissão. Josué de Castro graduou-se em 1929, pela então Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil. Foi livre-docente de Fisiologia da Faculdade de Medicina do Recife, 1932; Professor Catedrático de Geografia Humana da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais do Recife, 1933 a 1935; Professor Catedrático de Antropologia da Universidade do Distrito Federal, 1935 a 1938; Professor Catedrático de Geografia Humana da Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, 1940 a 1964.

Em 1933, Josué de Castro foi chefe da Comissão que realizou o inquérito sobre as “Condições de Vida das Classes Operárias do Recife” — o primeiro desta natureza no país. Três anos mais tarde, foi membro da “Comissão de Inquérito para Estudo da Alimentação do Povo Brasileiro”, realizado pelo Departamento Nacional de Saúde. A partir de então, passou a receber convites de governos de vários países para falar sobre a questão da alimentação e nutrição.

Entre 1939 e 1941, esse grande mestre foi idealizador, organizador e diretor do Serviço Central de Alimentação, depois transformado no Serviço de Alimentação da Previdência Social (SAPS), cargo que deixou para assumir o posto de presidente da Sociedade Brasileira de Alimentação (1942-1944). Em agosto de 1947, foi nomeado delegado do Brasil para a Conferência de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas, convocada ela FAO (Organização para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas). No mesmo ano, assumiu o posto de membro do Comitê Consultivo Permanente de Nutrição da instituição.

O reconhecimento de sua destacada atuação veio em 1952, quando assumiu a presidência do Conselho da FAO, posto que ocupou por quatro anos. Castro foi, ainda, presidente da Associação Mundial de Luta contra a Fome e presidente eleito do Comitê Governamental da Campanha de Luta Contra a Fome, da ONU, em 1960.

Veio o golpe

Em 1954, Castro elegeu-se deputado federal por Pernambuco. Ao concluir seu mandato, quatro anos mais tarde, foi indicado embaixador do Brasil na ONU, em Genebra. O golpe militar, que alçou ao poder em 1964 a contra-revolução, mudou totalmente o rumo da sua vida. O Professor demitiu-se e, em abril do mesmo ano, teve seus direitos políticos cassados por meio do Ato Institucional nº 1. A partir daí os fascistas e os oportunistas mantêm no ostracismo, inclusive nas universidades, suas obras, a pretexto de estarem “superadas”.

As corporações estrangeiras (destacando-se seus laboratórios), a oligarquia latifundiária e seus representantes nas políticas oficiais de saúde, desde então se sentem mais felizes. As campanhas de combate às doenças entre o povo, reduzidas aos mecanismos de publicidade, podem fazer circular impunemente suas drogas e tagarelice, suas falsas juras de que combatem todas as moléstias. Mas a fome, a principal delas, é intocável, tanto quanto o sistema que a produz.

Exilado na França, ainda integrou diversas associações e academias internacionais, até sua morte, em 24 de setembro de 1973.

Ao longo de sua carreira, Josué acumulou uma série de prêmios e títulos, nacionais e internacionais. Entre eles, destacam-se: Prêmio Pandiá Calógeras, 1937; Prêmio José Veríssimo da Academia Brasileira de Letras, 1946; Professor Honoris-Causa da Universidade de Santo Domingo, República Dominicana, 1945; da Universidade de San Marcos, Lima, 1950; da Universidade de Engenharia, Lirna, 1965; Prêmio Roosevelt da Academia de Ciências Políticas dos EUA, 1952; “Grande Medalha da Cidade de Paris”, 1953; Prêmio Internacional da Paz, 1954; “Grande Cruz do Mérito Médico”, Brasil; “Oficial da Legião de Honra”, França, 1955; e Detentor da “Ordem de Andrés Bello” do Governo da Venezuela, 1968.

Ciclo do caranguejo

No prefácio de sua obra mais famosa, ele diz:

A lama dos mangues do Recife é povoada de seres humanos feitos de carne de caranguejo, pensando e sentindo como caranguejos. Seres anfíbios — habitantes da terra e da água —, meio homens e meio bichos, alimentados desde a infância com caldo de caranguejo, este leite de lama. Seres humanos que se faziam assim irmãos de leite dos caranguejos. Que aprendiam a engatinhar e a andar com os caranguejos da lama e que depois de terem bebido na infância este leite de lama, de se terem enlambuzado com o caldo grosso da lama dos mangues, de se terem impregnado do seu cheiro de terra podre e de maresia, nunca mais se podiam libertar desta crosta de lama que os tornava tão parecidos com os caranguejos, seus irmãos, com as suas duras carapaças também enlambuzadas de lama.

Cedo me dei conta deste estranho mimetismo: os homens se assemelhando, em tudo, aos caranguejos, arrastando-se, agachando-se como os caranguejos para poderem sobreviver. Parados como os caranguejos na beira d’água ou caminhando para trás como caminham os caranguejos. É, por isso, que os habitantes dos mangues, depois de terem um dia saltado para dentro da vida, nesta lama pegajosa dos mangues, dificilmente conseguiram sair do ciclo do caranguejo, a não ser saltando para a morte e, assim, se afundando para sempre dentro da lama.

Outro combate veemente de Josué de Castro se deu contra a proposta do controle de natalidade, dizendo que “os neomalthusianos, ao afirmarem que o mundo vive faminto e está condenado a perecer numa epidemia total de fome porque os homens não controlam de maneira adequada os nascimentos de novos seres humanos, não fazem mais do que atribuir a culpa da fome aos próprios famintos.”

Responsável pela mudança de enfoque em relação à fome no Brasil e no mundo, ele insistia que “A fome é a expressão biológica de males sociológicos. Está intimamente ligada com as distorções econômicas.” Mas não foi apenas no mangue, no litoral pernambucano que o geógrafo encontrou homens famintos e vítimas do sistema imperialista.

Após analisar as condições de vida dos camponeses, (“a parte que lhe cabe deste latifúndio” nos versos de João Cabral de Melo Neto), Josué de Castro escreveu que “Os mangues apenas atraíram os homens famintos do Nordeste: os da zona da seca e os da zona da cana. Todos atraídos por esta terra de promissão, vindo se aninhar naquele ninho de lama, construído pelos dois e onde brota o ciclo do caranguejo.”

Certamente, se lhe fosse possível analisar as condições vigentes no país sob o governo neocolonial do FMI/PT, Josué de Castro teria razões ainda maiores para se indignar. Se soubesse a que ponto chegou hoje a exploração colonial imposta ao nosso povo, se soubesse o quanto aumentam agora as vítimas do latifúndio, do número infinitamente maior de grandes massas de trabalhadores sem um único meio de produção, ou dos homens tornados servos da engrenagem feudal que se alastra pelo país, certamente faria valer sua indignação diante da miséria que se espalha como um praga, para manter oligarquias e as novas classes neste poder em que eles buscam se eternizar.{mospagebreak}

O médico e a subnutrição

Doutor, mais um doente
Está de volta de novo
Não tem remédio que cure
É um homem de nosso povo.
Doente de verminose
Mora a beira do mangue
Seu corpo extenuado
Já perdeu bastante sangue.
Os poderosos com fome de poder
Os pobres sem poder, com fome.
A nação inteira definha
O povo inteiro se consome.
Doutor, responda-me,
Como é que pode ser?
Viver sem se alimentar,
Ou sem as pernas correr.
A arte de sobreviver
É por toda parte
A arte de se morrer
Sem comida nem arte.
Medicina Comprimida
Retorno redobrado
Dieta não-cumprida
De gente sendo finado.
A morte da medicina
É a medicina da morte
Que usa antibiótico
Para um faminto sem sorte.
Não há corpo são
Sendo mal alimentado
Quem não come hoje
Amanhã estará adoentado.
Não há saúde sem pão
Sem pão não há liberdade
Não pode um povo faminto
Ser uma nação de verdade.
Não pode o povo deixar
Um regime deste viver
Precisamos acabar com isso
De encurtar a vida e morrer.
Bom cabrito é o que dá o berro
Chegou a hora do grito e de lutar
Porque somos nós mesmos
Quem vamos nos libertar.
Acabar com o regime da fome
Acabar com o regime da nova escravidão
Conduzirmos todos a luta
Que nos conduza à libertação.

José de Souza — João Pessoa /PB 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja