Guantânamo: A arrogância ianque

Logo após a invasão ianque ao Afeganistão seus mandantes decidiram embarcar os prisioneiros para a base naval em Guantânamo, Cuba.

Posteriormente, os ianques negaram dar status de prisioneiros de guerra aos capturados, um direito que somente eles podem conceder e que ninguém, no entender dos ianques, tem que falar nada.

Dois anos depois de recolhidos em jaulas, como se fossem leões expostos ao público, os prisioneiros de Guantânamo (aproximadamente 650 detidos provenientes de 40 países) não tiveram direito a advogados e nem sequer foram submetidos a juízo algum. Alguns foram libertados assim que disseram "podem ir", sem nenhuma explicação. É como os ianques manejam as coisas.

Agora, cinco cidadãos britânicos estão sendo libertados. E os afegãos? Bem, igualmente, para os ianques, todos devem ser "terroristas da Al-Qaeda".

Os ianques, escandalosa e jocosamente, justificam o fato dos detidos em Guantânamo não gozarem dos direitos de prisioneiros de guerra sob as normas internacionais porque são "combatentes ilegais".

Então uma guerrilha deve ser legal? O governo Taleban foi ilegal? E os afegãos, são eles que se colocam ilegais diante do mundo?

E falando de normas internacionais... Por que os ianques não aceitam a autoridade do Tribunal Penal Internacional de Haia?

Por que todos os ditadores do mundo devem ser julgados neste Tribunal, mas não os ianques? O que faz Slobodan Milosevich detido por esse Tribunal?

Porque os responsáveis ianques não são sentenciados por todos os massacres ocorridos na África, na América Latina, na Ásia, no Oriente Médio...?

Por que não se viu até agora um presidente ianque sentado em um desses "Tribunais Internacionais" acusado de crimes de guerra? Porque a ONU fecha os olhos diante da invasão ianque no Iraque?

Os ianques estão dominando o mundo, como fez o império romano na Antiguidade. Sua prepotência fez arrasar qualquer regra legal e ética da vida social e política. Manejam o mundo a seu juízo precipitado, sem que exista força e lei que os detenha. Os ianques se julgam com o direito de decidir pelo destino dos povos, da humanidade. Desta maneira estão operando até agora.

Porém, esquecem eles que a história tem um ciclo e que o fim do "poderio ianque" se avizinha. O povo, o mundo, não poderá seguir suportando tanto abuso, tanta arrogância por muito tempo.

Nesse dia veremos os ianques... no outro lado da grade...


Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro