Opiniões

A- A A+

Passe livre do idoso

Apreciada editoria,

Venho estudando, ao longo da vida, a história da humanidade, e acumulando conhecimentos, apoiado no discernimento de que “o saber não tem fim e a sequência dele é o desenvolvimento infinito.” Segue um escrito para que todos tomem conhecimento.

O estatuto do Idoso, promulgado em 03/10/03, vigora desde 1/01/04. A lei de número 10.741 foi decretada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente da república.

O Congresso Nacional é formado por senadores e deputados federais oriundos da aristocracia (latifundiários, industriais, altos comerciantes e banqueiros), que é proprietária dos impostos pagos pelo povo trabalhador, e o presidente da República, pela primeira vez na história do Brasil, é oriundo da classe operária, antes, e também hoje, explorada pelos ricos.

Portanto, quando a lei é decretada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente da República, um e outro sabem de onde vêm os recursos e quem os paga. O artigo 39, parágrafos 1º, 2º e 3º, artigo 40, Incisos I e II, parágrafo único, artigos 41 e 42, capítulo X, “Do Transporte”, criam a gratuidade de passagens de transportes coletivos públicos urbanos e semi-urbanos e no sistema de transportes interestadual para os idosos de 65 anos e os acima dessa idade, e deixam a critério da legislação local (Câmara de Vereadores) legislar sobre a gratuidade do transporte coletivo na faixa etária entre 60 e 65 anos de idade. Hoje a gratuidade beneficia os idosos de 65 anos avante.

Quando a constituição federal de 1988 (artigo 230, parágrafo 2º) criou a gratuidade do passe livre aos idosos de 65 anos e aos acima dessa idade, foi seguida da lei de número 8899/94, instituindo passe livre no sistema de transporte interestadual para pessoas portadoras de deficiência comprovadamente carentes. Empresas de transportes se recusam a cumprir a lei até hoje. Defensores bem situados economicamente, com altos salários pagos com os impostos que os trabalhadores pagam, e com o espaço na mídia escrita, falada e televisada, vieram em defesa das empresas com argumentos desse teor: “Aí reside o problema: a Lei número 8899/94 ‘esqueceu’ a fonte de custeio do passe livre, e com isso dificultou a regulamentação, ao descumprir o artigo 195 da Constituição Federal. Para corrigir, é preciso incluir a despesa na lei orçamentária, indicando assim a fonte do custeio. Nossa Constituição, tão injustamente criticada, está perfeita: a assistência social deve ser custeada por toda sociedade, e não seletivamente por grupos específicos (empresas privadas, leia-se). Supermercados devem distribuir à sua custa cesta básica de graça para os pobres? Farmácias devem fornecer remédio gratuito? Claro que não. È inviável. O orçamento público (isto é, o dinheiro dos tributos pagos por toda sociedade, pelos trabalhadores explorados, leia-se) é que custeia esses benefícios. O mesmo vale para o transporte, atividade econômica que tem custos.” Revista CNT, pág.31, Carlos Átila Alves da Silva.

É de conhecimento geral que o orçamento público, ou seja, os impostos pagos pelo povo trabalhador, é propriedade do empresariado nacional e internacional. Não sobra nada para o povo trabalhador. Tanto assim é que na Europa, nos Estados Unidos e no Canadá o passe livre no sistema de transporte público e privado para os idosos vigora há anos, custeado pelos sul-americanos e outros povos explorados da África, Ásia e Centro-América. Lá, basta a apresentação da carteira de identidade. Não é preciso outro documento para viajar. A fonte de custeio da gratuidade somos nós, os pobres explorados.

No dia 05/01/04, a televisão mostrou os idosos voltando da estação rodoviária para casa com a carteira de identidade e a prova da renda de salário mínimo na mão. Não viajaram. A lei foi descumprida. A empresa privada, uma das donas dos impostos pagos pelo povo trabalhador se nega a cumprir a lei decretada pelo seu representante no Congresso nacional. Quando o Congresso Nacional aprova qualquer lei é porque a fonte do custeio já existe no poder do empresariado. Se não existe, a lei não é aprovada. Aprovada e descumprida a lei, é mais um passo adiante na desmoralização do Estado elitista, que temos e não somos.

O povo trabalhador deve exigir o cumprimento da lei, e estabelecer entre si que os lugares livres, sem pagamento de passagens, devem ser ocupados pelos idosos mais velhos, uns em relação aos outros, sem ordem de chegada à rodoviária, meio eficiente e insuscetível de fraude, causadora de dano e desordem. O caso urgente é decidido pelo idoso mais velho, cedendo ou não a vaga a outrem. Esse critério independe de lei, por justo e lícito. Idosos, organizemo-nos e exijamos o cumprimento da lei!

Com distinto abraço e cordial aperto de mãos do leitor e amigo,

Eugênio Rios
Goiânia - GO


Combatividade

Prezados Companheiros,

Li alguns números desse combativo jornal e concordo que devemos construir uma nova democracia, Isto é, uma democracia socialista. Por isso, tomo a liberdade de transcrever uma de minhas poesias*, todas revolucionárias.

Saudações!

José de Souza
João Pessoa - PB
*Leia a poesia O médico e a subnutrição clicando aqui.


Quando o teatro é politico

Caros,

Gostei muito da matéria com a Companhia do Latão na edição de dezembro de 2003. A Companhia conseguiu mostrar que é possível fazer teatro bom e politizado, que um aspecto não exclui o outro.

No entanto, apesar da qualidade da matéria e da Companhia, sinto falta de espaço para teatro nas páginas de AND. Sei que não é fácil encontrar gente boa assim. Muitos bons atores estão amarrados a contratos em televisões e evitam dizer o que pensam.

No mais, tudo legal. Continuem lutando.

João Baptista Amaral
São Paulo - SP


Para salvar mil empregos

Os trabalhadores da Cipla/Interfibra há um ano e meio assumiram o controle administrativo e operacional das empresas, através de um acordo assinado pelos antigos proprietários e autoridades, salvando-as de iminente fechamento.

Hoje, ouvem-se comentários na cidade que os antigos donos estariam vendendo os parques fabris que não mais lhes pertencem e articulando uma avalanche de leilões de máquinas, equipamentos e terrenos das fábricas para inviabilizar a administração dos trabalhadores e vender a sobra para os possíveis compradores ou “laranjas”.

Diante desses acontecimentos, os trabalhadores da Cipla e Interfibra, em assembléias realizadas nos dias 18 e 19, reafirmam sua disposição de levar até o fim e às últimas conseqüências o desejo de salvar seus mil empregos.

Serge Goulart
Comissão de Transição da Cipla/Interfibra


Divulgar é preciso

Olá

Há muito acompanho a situação brasileira e esse querido e vital jornal A Nova Democracia. Que fazer então caros senhores leitores, diante do que passa em nosso país e continente. Vamos então: cada um de vocês que compra esse jornal deve colocá-lo em murais dos colégios de vossos filhos, e de todas as demais escolas, faculdades e universidades.

Todas as pessoas inteligentes que vêem com clareza o país devem agora se concentrar em como mudar. O que fazer... em como transformar, como realizar a mudança. É essencial meus amigos; a maior divulgação das matérias devemos inflamar os nossos ânimos. Divulgar a nova visão nos meios já organizados, como os Advogados do Povo.

Brasília é isolada de propósito para que o povo não consiga chegar unido as suas portas. É imprescindível noticiar a todos que o sistema por votos não funciona. Como li no último AND, a América latina é uma “bomba de tempo”, usemos essa própria força a nosso favor e derrubemos Brasília e todo esse sistema de leis básicas e secundárias que são instrumento de poder dos que se colocam no poder no Congresso e no executivo, isso começando pela publicação massiva.

Avante!

Um abraço a todos .

André de Araújo Lima
por e-mail

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja