Dia da Heroicidade: declaração conjunta dos partidos e organizações maoístas

A- A A+

Em 19 de junho de 2016, por ocasião do 30º aniversário do Dia da Heroicidade, organizações e partidos comunistas maoístas de diversos países publicaram Declaração conjunta, repercutidas em blogs democráticos, internacionalistas e revolucionários do mundo. Esta data, marcada pela heroica resistência dos prisioneiros de guerra do PCP  18 e 19 de junho de 1986, nos presídios — convertidos em “Luminosas Trincheiras de Combate” — de Lurigancho, El Callao e na ilha de El Frontón, ação consciente adotada pelos combatentes revolucionários do Partido Comunista do Peru (PCP), que levaram até as últimas consequências a decisão de não se renderem à prisão e à tortura nas masmorras do velho Estado peruano, é celebrada pelos autênticos partidos e organizações revolucionárias do proletariado em todo o mundo como Dia Internacional dos Presos Revolucionários.

http://www.anovademocracia.com.br/172/21.jpg

A declaração começa reafirmando o Dia da Heroicidade e o exemplo daqueles prisioneiros de guerra e presos políticos peruanos que, em condições desfavoráveis bélica e taticamente, enfrentaram as negras hordas fascistas do velho Estado e impuseram-lhes uma derrota moral e política, combatendo ali a capitulação, o individualismo e o ego. Estabelece que “a rebelião dos prisioneiros de guerra e presos políticos não foi um ato de desespero, senão uma ação decidida e planificada pelo PCP”. Agitando a memória dos heróis de 19 de junho, afirma que estes seguem vencendo batalhas após a morte porque vivem nos comunistas sob a guia do maoísmo e da Chefatura do Presidente Gonzalo.

A Declaração ressalva que “trinta anos após os fatos ocorridos em 19 de junho de 1986, cem prisioneiros de guerra e presos políticos seguem mantendo alta a bandeira do PCP nos cárceres do velho Estado peruano, em luminosas trincheiras de combate da guerra popular que seguem servindo à revolução; entre eles destaca principalmente a do Presidente Gonzalo”. Afirmando que o Presidente Gonzalo é o mais importante prisioneiro de guerra da atualidade, a Declaração relembra que os planos do velho Estado peruano sempre rondou o objetivo de assassiná-lo e que, após sua prisão, não se consumaram os planos da reação pela força da guerra popular, do PCP, das massas mobilizadas e das campanhas internacionais.

Rechaçando as patranhas das supostas “cartas de paz” atribuídas ao Presidente Gonzalo com coro dos revisionistas do PCR/USA, Movadef e demais ratazanas, a Declaração afirma que, a partir daí, a CIA – reação peruana passou a apostar na desmoralização do Presidente Gonzalo para semear confusão entre os comunistas, desvincular massas e guerrilha e aplastar a Chefatura e o PCP.

A Declaração convoca as massas — principalmente — a atentar-se para o perigo que corre o Presidente Gonzalo neste completar dos seus 82 anos, pois segue de pé os planos da reação de assassiná-lo, objetivo a que Míriam e revisionistas peruanos estão servindo.

Conclui sobre este ponto afirmando que: “Os comunistas do Peru, com combatentes do Exército Popular de Libertação e massas do novo Poder, pese a todas as dificuldades, se mantêm de pé combatendo, demonstrando a força do marxismo-leninismo-maoísmo pensamento gonzalo — demonstra que é forja de Gonzalo”.

Defender o Presidente Gonzalo é servir ao maoísmo

A Declaração afirma que a ofensiva contrarrevolucionária geral desatada pelo imperialismo ianque como superpotência hegemônica única se centra no ataque ao Presidente Gonzalo mediante a guerra psicológica, jogando confusão e pessimismo, impedindo o surgimento de novas guerras populares e a união do Movimento Comunista Internacional, enfim, é parte fundamental da luta por impedir que o maoísmo seja mando e guia das lutas nacionais e proletárias.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Aportes e aplicação criadora do maoísmo

Destacando os principais aportes do Presidente Gonzalo no processo de aplicação do maoísmo à realidade concreta do Peru, a Declaração indica:

1 “ter definido o maoísmo como nova, terceira e superior etapa do marxismo e que, portanto, ser marxista hoje é ser marxista-leninista-maoísta, principalmente maoísta”;

2 ter aplicado “a lei da contradição à revolução, pois a contradição rege em tudo e toda contradição tem dois aspectos em luta, neste caso revolução e contrarrevolução”, estabelecendo que nos encontramos na ofensiva estratégica da Revolução Proletária Mundial;

3 ter assumido a tese do Presidente Mao sobre Capitalismo Burocrático, como capitalismo gerado pelo imperialismo nas colônias e semicolônias, impedindo o desenvolvimento independente nacional, sua relação com o poder do Estado devenindo-se como capitalismo monopolista estatal, processo universal que amadurece as condições à revolução e estabelece sua solução: confiscar o capital burocrático para impulsionar a revolução democrática rumo à revolução socialista;

4 ter definido a construção concêntrica dos três instrumentos da revolução, como sendo: o partido — eixo e centro —, o exército popular e a frente única, e ter definido a militarização do partido para responder às condições concretas do mundo atual e conjurar a restauração do velho Poder (a Declaração ressalva que esta questão era já presente em Lenin e Mao, mas foi Gonzalo quem a estabeleceu);

5 ter aplicado a “lei da incorporação das massas à revolução”, que consiste em combater a tese de “acumulação de forças” chafurdando na legalidade, qual afirma o PCP sob chefatura de Gonzalo: “A luta pelo Poder como principal não quer dizer que desde o começo vamos incorporar as massas de uma só vez, pois o Presidente Mao nos ensina que desenvolvendo Bases de apoio e força armada é que se gerará o auge da revolução. [...] pois a guerra popular é um fato político que vai esmagando com ações contundentes as ideias na mente dos homens, que pouco a pouco vão entendendo seu único e verdadeiro caminho, desenvolvendo assim sua consciência política; a guerra popular convoca a todos os revolucionários e ao desenvolver-se abre caminho para si mesma.”; e

6 definir a guerra popular como universal, estabelecendo o caminho para os povos do mundo: reconstituir partidos comunistas maoístas militarizados dirigindo os três instrumentos onimodamente, desenvolvendo e estabelecendo novo Poder com guerra popular até o comunismo.

Reunificação do Movimento Comunista Internacional

A Declaração afirma e relembra que o MRI (Movimento Revolucionário Internacionalista) sempre esteve sob forte influência de Avakian e suas posições de direita e que, no entanto, a entrada do PCP e sua atuação como fração vermelha naquele espaço o fez desenvolver enquanto embrião de uma nova Internacional. Relembra também a necessidade de se abordar criticamente a capitulação no Nepal e não tratar como imencionável.

Conclui então a Declaração:

“O processo para reunificar o MCI é uma questão complicada e não é uma questão que se improvisa. [...] Nós estamos plenamente convencidos de que devemos unir-nos cada vez mais, no entanto isso só é possível se partimos de sólidas bases marxistas-leninistas-maoístas, lutando contra o revisionismo e servindo à revolução proletária mundial”.

Devido as limitações de espaço de nossa edição impressa, lamentamos não ser possível publicar Declaração de tamanha importância na íntegra, porém a disponibilizaremos para download em nossa página e leitura no blog da Redação.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja