Notas internacionais

França: trabalhadores em luta agitam o país

http://www.anovademocracia.com.br/172/19a.jpg
Juventude rebelde enxota, com paus e pedras, as forças policiais francesas

As greves e manifestações das massas trabalhadoras contra a “reforma” antitrabalhista (assunto correntemente tratado nas últimas edições de AND) prosseguem. Isso porque o presidente francês François Hollande se mantém irredutível quanto a sua posição de manter a contrarreforma, cujo conteúdo é impor ao proletariado francês (principalmente aos mais jovens) o peso de sustentar as posições da burguesia francesa em tempos de crise geral do imperialismo.

A Eurocopa já se iniciou e as greves não só continuam, mas avançam, graças à decisão das massas proletárias que, como uma grande onda, arrastam os sindicatos, mesmo os mais duvidosos, rumo à combatividade. Se, por um lado, a decisão de Hollande e da burguesia francesa atrasa uma vitória econômica para os trabalhadores em greve, por outro lado, dá gás para que essa luta ganhe, cada vez mais, condições para se desenvolver enquanto luta mais consequente e combativa, forjando a consciência das massas e sendo escola de luta, apontando para o caminho da revolução – único caminho para o proletariado e trabalhadores do mundo.

Dia 14 de junho, 1 milhão de pessoas marcharam em Paris contra as medidas anti-operárias e antipovo de Hollande, fato que se repetiu nos dias 23 e 25. A repressão fascista agiu e os manifestantes responderam ao mesmo tom. Mais de 50 pessoas foram detidas e 130 foram proibidos de participar de protestos, num ato abertamente fascista negando ao povo o direito de manifestação.

Mais expressão desse fascismo se viu na manobra do governo para aprovar a medida de uma vez, acionando um dispositivo que a permite ser aprovada sem passar pela análise do parlamento reacionário.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Etiópia: barbárie contra as massas

http://www.anovademocracia.com.br/172/19b.jpg
Ato de solidariedade aos estudantes de Oromia

Desde novembro do ano passado, milhares de pessoas foram detidas e aprisionadas e 400 foram assassinadas pelas forças repressivas do velho Estado etíope, segundo a ONG Human Rights Watch (HRW).

Os protestos foram parte de um grande levantamento de massas contra os — assim denominados — “planos de reorganização urbana” que tinham como eixo a remoção e deslocamento de camponeses pobres e médios na região de Oromia, ao redor da capital do país. Frente às massas insurgidas, o velho Estado etíope assassinou os manifestantes no afã de afogar em sangue a luta deflagrada.

Ademais de prisões e assassinatos, há denúncias de torturas como choques elétricos e outras barbáries; no entanto, destacam-se as denúncias de abusos sexuais contra mulheres.

Tais acontecimentos demonstram dois fatos: primeiro, o reflexo na Etiópia da fascistização generalizada dos velhos Estados (e dos Estados imperialistas) para responder com violência reacionária às exigências das massas empobrecidas pelos seus direitos e interesses; e segundo, que as massas empobrecidas, em todo o mundo, estão, em graus desiguais de desenvolvimento, se alçando e tateando em busca do caminho da libertação popular, e esse não é outro senão o da Revolução.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin