A farra olímpica, a calamidade e a farsa eleitoral

{gallery}172-ellan{/gallery}

O atual representante dos interesses empresariais acertou: declarou “estado de calamidade” na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro e no estado.

Sem nada ter feito de bom pelos cariocas e fluminenses, servindo aos interesses, além dos próprios, das empresas que sugam o Rio, o governador interino Francisco Dornelles/PP segue com  o projeto do PMDB, que contou com o apoio irrestrito e a cumplicidade do PT em tempos de Lula e Dilma no Planalto: sangria dos recursos públicos e riquezas naturais por grandes corporações transnacionais e nativas, arrocho, precarização, completa destruição dos serviços públicos, maior violência contra o povo etc.

A maior parte da população do Rio de Janeiro já vive a “calamidade” há muito tempo. Na saúde, no transporte, na moradia, na educação, nos salários… É o legado do assalto dos cofres públicos que vem de muito tempo, e que teve seu ponto alto na gestão do então governador Sérgio Cabral com a farra da Copa da FIFA.

A ficção vendida de que se taparia o grande rombo criado pelo governo antipovo e vende-pátria com a venda dos royalties do pré-sal caiu por terra e deu lugar ao marco das calamidades carioca e fluminense.

O pior está por vir

Entramos na era das Olimpíadas, como mesmo o prefeito se orgulha em falar: “É a primeira vez que o estado dialoga com o município; nós trabalhamos juntos”.

Em primeiro lugar, essa é uma grande mentira, porque, quando se trata de reprimir as massas, estado, município e “governo” federal trabalham juntos desde bastante tempo, numa convergência fascista contra as massas jamais vista.

Mas a situação se agrava ainda mais para o povo. Remoções de comunidades, buracos por toda a cidade, “sumiço” de vigas que pesam toneladas e valem pilhas de dinheiro, obras despencando, degradação ilegal, políticos e outros bandidos lucrando milhões com essas mesmas obras, elefantes brancos inaugurados, milhares de pessoas morando nas ruas, chacinas nas favelas, ondas de violência contra o povo, superfaturamentos, um mar de promessas não cumpridas e discursos pífios.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza