Combater o Estado policial e a escalada fascista

A- A A+
Pin It

Ademais da brutal repressão contra as massas do campo que, com o concurso dos bandos de pistoleiros associados às forças policiais, criminaliza, persegue, prende, tortura e assassina dirigentes e ativistas do movimento camponês, indígenas e remanescentes de quilombolas; e nas cidades persegue, com seus aparatos repressivo e jurídico, os movimentos populares classistas e a juventude combatente, a escalada fascista se aprofunda mais e mais na medida em que se acirra a luta de classes.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Os últimos meses revelam de forma aguda essa situação. Peguemos como exemplo o ocorrido em Ji-Paraná – RO, conforme denunciamos no Editorial desta edição. Em resposta àquela absurda prisão e agressão aos estudantes, o Ministério Público nos âmbitos federal e estadual, a OAB-Seccional Rondônia, as defensorias públicas da União e de Rondônia emitiram uma recomendação ao gerente estadual Confúcio Moura, ao secretário estadual de ‘segurança pública’ e ao comandante-geral da Polícia Militar para que respeitem a liberdade de expressão de manifestantes. Ao que a imprensa-lixo no estado, através do portal Rondônia Vip (porta-voz do latifúndio e de toda a reação), não pela primeira vez, atacou o procurador do Ministério Público Federal (MPF) e procurador da República, Raphael Beviláqua, em publicação cujo conteúdo o acusa de defender “a ‘liberdade de expressão’ que incita violência contra produtores rurais, judiciário, segurança pública e imprensa” (!).

Em 23 de junho, agentes do Grupo de Pronta Intervenção da Polícia Federal cercaram e invadiram a sede do diretório nacional do PT em São Paulo. Nesse mesmo dia, equipes da PF cumpriram uma série de mandados de busca e apreensão e “condução coercitiva” em diferentes regiões do país, prendendo, entre outras pessoas, o ex-ministro dos gerenciamentos petistas Lula/Dilma, Paulo Bernardo. Essa operação, que além de exibir seu aparato bélico também apreendeu computadores e arquivos, foi comemorada pelos reacionários de plantão que a saudaram como se tratasse apenas de mais um golpe nessa sublegenda oportunista do Partido Único das classes dominantes.

Mas é preciso ir mais fundo nessa questão. Por baixo do debate raso da falsa polarização propalada pelos monopólios de comunicação e da pugna entre os grupos de poder pelo controle do velho Estado, está o aprofundamento da ação do Estado policial contra os direitos de livre manifestação e organização. Seu objetivo não é “sanear a velha política”, mas atacar e perseguir as pessoas e organizações que se opõem a todo esse velho Estado burguês-latifundiário, serviçal do imperialismo, principalmente o ianque, aos seus governos antipovo e vende-pátria, enfim, todo esse sistema político podre e corrupto.

Em momento algum podemos esquecer dos processos políticos contra os ativistas da juventude combatente das Jornadas de Junho/Julho de 2013 e 2014. Oportunistas eleitoreiros, que se calaram e/ou se somaram à gritaria da reação, taxando esses ativistas de “baderneiros” e “vândalos”, hoje são alvos de operações policiais.

Apontadas como o suprassumo da idoneidade e defesa da honestidade e da democracia (!), as megaoperações da Polícia Federal ordenadas desde as altas esferas do “poder judiciário” vão sendo postas em prática cristalizando a política do “investigue, invada, apreenda e prenda”. Tudo isso sob os holofotes do monopólio de imprensa e suas campanhas raivosas de criminalização.

É preciso ver a situação sob a ótica da luta de classes e não permitir que as visões se turvem pela cortina de fumaça da reação que, com sua propaganda, busca tanger a opinião pública para o campo das operações policiais.

Cabe aos democratas, patriotas e revolucionários denunciar energicamente e se opor decididamente ao Estado policial e suas campanhas de criminalização e repressão aos movimentos populares no campo e na cidade. Elevar alto as vozes em defesa do direito à livre manifestação e livre organização. Elevar ainda mais alto a consigna de que Rebelar-se é Justo!

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja