Contra o genocídio indígena, avançar as retomadas!

A- A A+

Dourados, MS - Com muita luta se forja, dia a dia, o povo Guarani-Kaiowá nas terras do Mato Grosso do Sul. Expulsos de seus tekohas (aldeias)e colocados em reservas, onde foram durante décadas confinados e impedidos de viverem a seu modo tradicional, os guerreiros partem para a retomada de seus territórios originários, enfrentando latifundiários e seus bandos armados de pistoleiros. Em entrevista ao AND, lideranças explicam o motivo das retomadas e denunciam os crimes do velho Estado burguês-latifundiário.

http://anovademocracia.com.br/174/10a.jpg
Indígenas reunidos em visita de integrante da ONU

A política de reservas traz danos para os Guarani-Kaiowá hoje, causa problemas de conflitos entre os próprios indígenas por conta de espaço, pois a reserva não é o tekoha, não vivemos no modo de ser Guarani-Kaiowá. A reserva é um confinamento, vivemos cercados como se fosse um pássaro dentro de uma gaiola, sem o direito de viver a liberdade do nosso povo, que sempre viveu assim — afirmou Élson Canteiro Gomes, da recém identificada Terra Indígena Dourados-Amambaipeguá I.

Respondendo ao monopólio de imprensa local, que em sua histeria contra as retomadas bradam que “os índios não precisam de terra” e — num puro cinismo — chamam o latifúndio exportador de “produtores rurais” (pasmem!), os indígenas explicam que a terra não é apenas uma propriedade, mas sim a totalidade que engloba sua maneira de viver:

A retomada é importante para continuarmos reproduzindo nossa cultura, viver o nhadereko [modo de ser ou de viver como Guarani-Kaiowá], nossa cultura, a caça, a pesca, a reza, para ter a liberdade de circular no território. Não é apenas retomada da terra, é a retomada da natureza, dos animais, das rezas. É pelo futuro das nossas crianças que precisamos de demarcação, pois na reserva ou na cidade o índio não é feliz, apenas somos felizes no nosso tekoha guasu [Grande Território]. Então a cada passo pra dentro do nosso tekoha tradicional, estamos pisando em nossa terra sagrada. O nosso sonho Guarani-Kaiowá nunca vai morrer, a cada momento vai nascer uma nova esperança de viver neste tekoha, por que neste tekoha que muitos parentes morreram e foram enterrados.

Eles também denunciam o papel do velho Estado e seu caráter latifundiário:

Ao invés do governo garantir o território para que nosso povo possa viver nesta terra com paz e liberdade, criam leis que modificam a Constituição Federal, que garante o direito à demarcação, como a PEC 215, que tem como objetivo acabar com as terras indígenas. Dessa forma muita dificuldade vem ocorrendo na comunidade, como a falta de atendimento de saúde e educação das crianças, e com isso a comunidade sofre com a criminalização por parte do governo. Em Caarapó, os fazendeiros se organizam e colocam o povo em uma situação de difícil acesso à cidade, proíbe ter acesso aos mercados para fazermos compras e tudo mais. Os parentes são torturados na cidade pela própria polícia. Assim que o Estado está massacrando o povo indígena” — completaram, citando os artigos 231 e 232 da constituição de 1988.

http://anovademocracia.com.br/174/10b.jpg
Guarani-Kaiowá realizando ritual

Frente a tal realidade, a imprensa local deixa pública sua face fascista e reacionária, e suas mãos sujas de sangue indígena. Montes de calúnias são divulgadas, colocando todo o povo pobre dos municípios contra os indígenas.

Nosso povo já não confia na imprensa local, como a TV Morena e o Caarapó News, pois eles distorcem os fatos e defendem os fazendeiros, e depois dizem que o CIMI e a FUNAI incentivam as tomadas de terra, mas quem decide tudo é nosso próprio povo. Precisamos de aliados que defendam a causa indígena, que falem a verdade do massacre do povo Guarani-Kaiowá — destacou Élson, ressaltando a importância da imprensa popular e democrática.

As lideranças também denunciam os ataques sistematizados e a participação das policias junto com os latifundiários.

Os ataques pelos fazendeiros se dão de várias formas, tudo muito bem organizado. A primeira coisa é que eles são apoiados pela segurança do estado que legitimam os ataques e incentivam os latifundiários a se armarem e atacarem os indígenas das áreas de retomada. Nestes ataques sabemos que estão envolvidos a DOF, a polícia militar e a polícia civil, bem como jagunços e os próprios fazendeiros, que se articulam com outros proprietários da região. Compram armas pesadas para nos atacar e atacam de uma forma cruel, sem piedade, não escolhem se vão atacar liderança, criança ou idoso.

Ainda sobre os ataques, destacam que esta contraofensiva do latifúndio está presente em toda a região:

Essas milícias estão por toda a parte, estão atacando todas as áreas de retomada. São os mesmos que tiraram a vida de Semião Vilhalva em Nhaderu Marangatu, os mesmos que atacaram Kurussu Ambá, Poelito Kue, Guaviry, Takuara, Te’ýi Jusu, Kunumi Vera, Guapoy, dentre outros tekohas, e que ceifaram a vida de Clodiodi [no fatídico 14 de junho], uma pessoa que gostava muito de ajudar o povo dele. Sendo agente de saúde, ele foi até o local do ataque para ajudar os baleados e acabou levando tiros, não resistindo — vale destacar que, desde a morte de Semião, em setembro de 2015, foram registrados mais de 25 ataques paramilitares em áreas de retomada.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Toda esta barbárie é marcada pela impunidade. Nomes citados, figuras conhecidas, novos tiros e nada dos assassinos serem punidos. Pelo contrário, o judiciário tenta criminalizar Leonardo de Souza — pai de Clodiodi e do professor Jesus (outro ferido no massacre) — como sendo o responsável pelas retomadas de terra e agressor de policiais. Além disso, tekohas sofrem reintegrações de posse e são perseguidos por juízes locais.

A luta continua!

Cansados de esperar e sem qualquer ilusão com o velho Estado, os Guarani-Kaiowá garantem que toda esta ofensiva não abalará a luta pelas terras tradicionais e, cada cova que for aberta, uma nova terra será retomada. Exemplos desta decisão são os seis novos tekohas que se ergueram após o ataque de 14 de junho.

Com as reintegrações de posse, os Guarani-Kaiowá decidem no Conselho Aty Guasu [Grande Assembleia] de que chegou o momento de retomar para não sair mais. Nosso povo já esperou demais e acabou nossa paciência. Enquanto esperamos a demarcação, muitas mortes estão acontecendo. Decidimos de uma vez por todas que não iremos abrir mão de nosso tekoha guasu.

Demonstrando toda a fúria revolucionária da mulher, uma indígena declarou:

Nós estamos guerreando contra os fazendeiros, por que ele mataram o nosso irmão lá, derramou muito sangue, por isso estamos aqui.

Outro guerreiro emendou:

Diante dessa violência cruel que estamos vivenciando, não iremos nos calar. Quanto mais morremos, lutaremos com toda força que nos resta! Por que conseguimos ainda sobreviver através da nossa resistência e da luta, por que a nossa luta é que faz valer a lei!

Sendo assim, avancemos a cada dia fortalecendo a aliança operário-camponesa, indígena e quilombola! Defender o avanço das retomadas é tarefa dos revolucionários! Contra o genocídio, tomar todas as terras do latifúndio!

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja