Lutas de libertação nacional

A- A A+

Mali: soldado da ONU aniquilado

Jailson Souza

Um veículo militar das forças genocidas da ONU foi atacado na região de Kidal, em Mali, enquanto escoltava um comboio logístico, em 7 de agosto. Um soldado foi aniquilado e outros quatro ficaram feridos. O ataque contra o veículo ocorreu cerca de 11 km ao sul de Aguelhoc, onde vários grupos islâmicos que se opõem à ocupação imperialista têm atuação.

http://anovademocracia.com.br/175/23a.jpg
Veículo da ONU atingido por mina da resistência armada à ocupação imperialista

Cerca de duas horas mais tarde, uma outra mina explodiu perto de um veículo militar da ONU, a dois quilômetros a leste da base da missão, também em Kidal. O ataque causou destacados danos materiais. Dias antes, 5 de agosto, na mesma região de Kidal, uma mina também havia explodido próximo a um segmento das tropas da ONU, ferindo um agente da ocupação imperialista.

Segundo a própria ONU, desde o início da ocupação, mais de 100 soldados seus foram aniquilados no Mali em diferentes ataques das forças que compõem a resistência à ocupação.

Ocupação imperialista e Resistência nacional

Conforme já destacamos nas edições nº 170 e 171 de AND, o Mali se defronta com agressão imperialista desde 2013, com a invasão e ocupação militar de seu território, com a potência imperialista França à frente das operações. Sob a máxima de “guerra ao terrorismo” e ao “narcotráfico”, o que todas as potências e superpotências imperialistas querem realmente é preparar a nova repartilha das nações oprimidas entre eles. Para isso, invadem, destroem, chantageiam e roubam as riquezas dos países oprimidos da África, Ásia e América Latina.

O imperialismo, neste caso principalmente o francês, busca se apresentar como vestal da civilização e da paz, se travestindo de “Missionário da Paz”, quando, na verdade, aplica o verdadeiro terrorismo. Vide a denúncia presente em AND nº 171, sobre a repressão e genocídio das forças de ocupação: durante manifestação contra a ocupação e as ações militares francesas no país, quatro pessoas foram assassinadas e sete ficaram feridas na cidade de Kidal, no norte do Mali.

No entanto, os fatos demonstram que os amplos setores nacionais partidários da resistência à ocupação imperialista no Mali têm imposto derrotas consecutivas, desde o início deste ano, às forças genocidas do imperialismo, principalmente francês sob o manto de “tropas da paz” da ONU.

Para que a luta de resistência nacional seja mais consequente e capaz de dirigir o Mali rumo a vitória e à independência, necessita que o proletariado dirija esta luta, o que demanda a existência de seu Partido Comunista maoísta ali para, no atual momento, unir todas as forças que se opõem à ocupação imperialista numa frente única anti-imperialista e, expulso o invasor imperialista, levar a cabo a liquidação da semifeudalidade e semicolonialidade conduzindo a Revolução de Nova Democracia ininterruptamente ao socialismo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja