Notas internacionais

A- A A+

Bélgica: reação à guerra imperialista

Jaílson de Souza

Em 6 de agosto, um ataque se deu na cidade belga de Charleroi. O autor, cujo nome não foi divulgado, é um homem de 33 anos, de origem argelina que vivia no país desde 2012 em situação de pobreza e era conhecido por praticar pequenos roubos. O alvo foram duas agentes da repressão policial, materialização da opressão do Estado imperialista belga sobre os setores mais pobres do proletariado local e imigrantes. O grupo Estado Islâmico reivindicou o ataque.

Destaca-se o papel que desempenhou o Estado imperialista da Bélgica na guerra de rapina ao Iraque e Síria. Ainda em outubro de 2014, iniciou sua participação na disputa do butim, bombardeando o Iraque e impulsionando o caos na região, sob o ensanguentado manto de “guerra ao Estado Islâmico”, participação incrementada a partir de março deste ano.

É evidente que os ataques que estão sendo realizados por setores das massas de imigrantes, oprimidas pelos Estados imperialistas, são atos de desespero, são reações de resistência à guerra imperialista e à situação de opressão e exploração extremas que são submetidas.

Expressa-se também o desenvolvimento da situação revolucionária em toda a Europa, a cada vez mais aguda contradição entre burguesia-proletariado nas próprias metrópoles imperialistas como consequência da agudização da contradição principal, imperialismo-nações oprimidas, vide que estas massas são componentes da classe proletária na região, seus setores mais profundos. Massas que clamam pela direção revolucionária proletária, o Partido Comunista maoísta.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Etiópia: repressão mata às centenas

O velho Estado etíope, com seus intentos de desapropriar e deslocar populações camponesas pobres e médias que vivem em Oromo, Oromia e Amharano para expandir a capital do país (Adis Ababa), tem aplicado a mais bárbara violência contra o povo.

http://anovademocracia.com.br/175/22-etiopia.jpg
Massivos protestos tomam as ruas na Etiópia

Conforme denunciamos em AND nº 172, ainda em julho mais de 400 pessoas que participaram da luta contra a desapropriação foram assassinadas pela repressão. Neste mês de agosto, a Anistia Internacional denunciou que mais 100 ativistas foram assassinados pela polícia.

A repressão não tem quebrado a disposição e decisão das massas. Protestos em Amhara exigiam o fim das desapropriações das terras dos camponeses e a libertação dos presos políticos e apoiadores da luta camponesa. Na capital Addis Ababa, em 6 de agosto, cerca de 500 manifestantes foram dispersados violentamente pela repressão enquanto marchavam.

Comprova-se com tudo isso o desenvolvimento da situação revolucionária em todo o mundo, particularmente no Terceiro Mundo – Ásia, América Latina e África – cuja situação demanda, para converter a exemplar decisão e fúria das massas em revolução, do Partido proletário.

Mais informações poderão ser acompanhadas nas próximas edições de AND.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja