Rap como ação combativa

A- A A+

O grupo de rap Ar Livre surgiu da proposta de Rude criar um grupo de rap na comunidade do Alto Santa Terezinha, Zona Norte do Recife (PE), que concentra uma grande zona periférica. Rude e Russo se conheciam e tinham os mesmos gostos musicais.

http://anovademocracia.com.br/175/19a.jpg

Russo conta como surgiu o nome do grupo e como fazem suas composições:

— O nome surgiu de duas formas que acabaram se juntando: a primeira foi o fato de normalmente nossas reuniões e nossos ensaios serem ao ar livre, em algum parque, praça, escadaria etc., por não termos condições de ensaiar em estúdio, juntamos com a ideia de um companheiro que pensava em criar um coletivo de nome “Ação Revolucionária Livre” usando a sigla “A.R.” para resumir as duas primeiras palavras. Agregando a ideia do coletivo através da música, nós decidimos nomear como ‘Ar Livre’, só revelando o significado depois de um ano de grupo.

— Nós produzimos nossas letras e compomos em cima de um instrumental, chamado de “base”. As vezes algum companheiro nos ajuda nessa parte, noutras buscamos grátis na internet mesmo, e assim fluímos. Não fizemos oficialmente uma parceria em álbum com outro grupo, buscamos sempre nos juntar com parcerias de outras comunidades e de outros estilos musicais para o fim de fortalecer a cena do rap.

— Nossas músicas sempre tiveram a dinâmica autoral em cada estrofe. Se o DonR canta uma estrofe, então essa estrofe foi criação dele, com todos os termos e variações embasados em estudos dele, assim como a minha, e a do Rude. Geralmente um de nós escreve uma estrofe que enfatiza uma determinada temática (ou não) e mostra aos outros, e tomando o feeling do que este primeiro quis expressar, compomos nossas estrofes, já pensando no tipo de flow, arranjos etc. O Bobby fica responsável pela parte da base, que também é criação dele, por vezes coletiva. Ao final juntamos tudo junto com a base e começamos a ensaiar para fazermos juntos os reparos.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

— Por essência, nós trabalhamos com o lirismo à flor da pele. É bem visível que nossas letras são carregadas de subjetividade em poesia. Naturalmente e individualmente nossas letras já são compostas dessa dose de lirismo, por vezes até subjetivo demais. É nossa forma de expressar, não combinamos ser assim, apenas escrevemos e o que vêm vomitamos no papel. No disco Café Pronto, além do lirismo nós colocamos uma boa dose de poesia combativa, também sem combinarmos, apenas sentimos como estava indo a cena do rap nacional e vimos que algumas coisas importantes estão se perdendo. Visto isso, fizemos faixas bem pesadas como Lo-de bar, Vermelho, Garoa etc.

— Nossa vivência na Zona Norte, onde moramos, nos traz muita inspiração para esclarecer e expor o que vemos. Somos muito influenciados pela MPB, muitas faixas do Café Pronto possuem introduções e/ou interlúdios com músicas populares como DiMelo, Sérgio Sampaio, Lula Côrtes... Alguns grandes nomes do Rap também servem de base pra gente, o maestro Sabotage é um deles, e acho que será até não termos mais fôlego.

O grupo se apresenta principalmente nas comunidades, tem um CD gravado e se preparam para novos projetos. 

— Nos apresentamos bastante pela Zona Norte, existe muita riqueza cultural nas comunidades daqui, algumas pessoas sempre fazem eventos e nos chamam e vamos com o maior prazer, também já nos apresentamos em Olinda, Jaboatão e Camaragibe. Vamos começar a trabalhar em um novo projeto — continua.

http://anovademocracia.com.br/175/19b.jpg

— Gravamos o Café Pronto mais recentemente, infelizmente só pudemos colocá-lo disponível em plataformas virtuais por não ter financiamento para produzir material físico. Para nós foi rico o processo de conceber uma obra musical, há muito tempo já vínhamos planejando esse feito e conseguimos com muito esforço.

— O Café Pronto é o nosso primeiro disco, para quem já conhece nosso estilo consegue perceber que conservamos algumas tendências que já usávamos antes, o lirismo, o teor político... este último veio mais forte neste disco, e fortalecido por trechos de músicas de grandes nomes da MPB. É uma mistura de poesia e luta, os dois, a mesma coisa. Continuamos vomitando nossos sentimentos em forma de Rap, mas agora saindo da defensiva e se fazendo presente, à postos, dizendo que existimos e alertando/informando ao povo o que precisamos, juntos, fazer.

Suas músicas podem ser encontradas no canal Ar Livre do YouTube, lá também encontra-se nas descrições o link da plataforma para download do disco Café Pronto.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait