RO: camponeses resistem a cerco policial

A- A A+
Pin It

Os camponeses pobres do Acampamento Enilson Ribeiro resistem bravamente ao cerco policial sobre o acampamento, mantendo a ocupação do latifúndio Bom Futuro, no município de Seringueiras (RO) – como relatado na última edição de AND.

Os policiais militares fotografaram as pessoas e seus documentos, criando um banco de dados, um agravante em um estado onde o número de policiais em grupos de pistolagem é muito elevado, além de impossibilitar o acesso dos camponeses a alimentos e medicamentos, a ida das crianças e adolescentes à escola e de obter apoio externo.

No dia 08/08, o Tribunal de “Justiça” do estado de Rondônia (TJ-RO), restabeleceu a reintegração de posse da “Fazenda” Bom Futuro, que havia sido suspensa provisoriamente no final de julho. A decisão foi emitida pelo juiz Jorge Luiz dos Santos Leal, que definiu um conjunto de medidas a serem tomadas, tais como: o estabelecimento de um prazo de 10 dias para que os camponeses deixem o latifúndio ocupado, o despejo dos camponeses para uma localidade que esteja pelo menos a 300 quilômetros da “fazenda” e a fixação de uma multa de mil reais para cada membro da LCP que volte a ocupar o latifúndio.

Além dessas medidas, a “vossa excelência”, alegando a possibilidade de “conflito armado” entre camponeses e a policia militar, notificou o Exército, a Polícia Federal e a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN).

Em trecho da decisão, divulgada por órgãos do monopólio de imprensa como o G1 e outros órgãos de comunicação do latifúndio, o “meritíssimo” juiz demonstrou o seu ódio aos camponeses pobres, onde registrou: “Considerando a gravidade do conflito, PROÍBO AOS ÓRGÃOS PÚBLICOS de fornecer meios de subsistência à LIGA DOS CAMPONESES POBRES neste e em outros acampamentos, pois a atitude demonstrada neste caso não é de quem luta pela terra dentro da legalidade, mas de milícia armada que busca enfrentar o Estado Democrático de Direito”.

Tal decisão vai ao encontro dos interesses dos latifundiários, evidenciando mais uma vez o caráter burguês-latifundiário da justiça brasileira, não importando a esfera (estadual ou federal) ou a instância.

A decisão do juiz está em sintonia com o recente comunicado pronunciado pelo gerente estadual Confúcio Moura (PMDB), através de seu blog, no qual afirmou que irá “pegar pesado” no combate a “violência” no campo, obviamente se referindo ao combate às tomadas de terras pelos camponeses e não aos inúmeros crimes perpetrados por latifundiários e seus grupos de pistoleiros. Nas palavras de Confúcio: “Vou pegar pesado. Eu não quero ver o nosso querido Estado de Rondônia, nas manchetes nacionais, como o Estado que mais mata no campo. Que tem mais conflitos agrários. De jeito nenhum. A nossa meta é a regularização das terras (documentos) e paz no campo. E a palavra de ordem é NEGOCIAÇÃO E MEDIAÇÃO DOS CONFLITOS”, frisou o gerente de turno.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja