Lutas de libertação nacional

A- A A+

Síria: barbárie imperialista contra massas

Jailson de Souza

http://www.anovademocracia.com.br/176/22b.jpg

A guerra de rapina levada a cabo pelo imperialismo, com o principal promotor sendo os ianques (USA), segue causando destruição e desgraça para as massas e à Síria. Em Aleppo (norte da Síria), segunda maior cidade síria e com importância estratégica para definir os rumos da guerra, batalhas decisivas entre “oposição” e a gerência Bashar Al-Assad (ambos opostos à resistência nacional, marionetes das superpotências imperialistas USA e Rússia, respectivamente) estão sendo preparadas e já iniciadas.

Tal guerra imperialista, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), já ceifou, somente nos últimos quatro meses, a vida de 1.396 civis e feriu mais de 8 mil através dos bombardeios e ataques, tanto pelas forças do exército fiel à gerência de Bashar Al-Assad como pelas forças de “oposição” marionetes dos ianques. Entre os mortos, 313 são menores de idade e 199 são mulheres.

Conforme estabelecemos em AND nº 173, o imperialismo ianque, na sua sanha por dominar todo o mundo como superpotência hegemônica única que é, impõe o caos e dissemina mais e mais distúrbios sem precedentes no Oriente Médio e norte da África para, ademais de dominar toda aquela região e intensificar o saqueio das nações oprimidas para contrarrestar a crise geral do imperialismo, como também para quebrar as últimas áreas de influência significativas da Rússia (superpotência atômica). Assim pode ser resumida a situação e todo o desenvolvimento da guerra na Síria.

O papel de outras potências imperialistas

O imperialismo russo em conluio e pugna com os ianques para manter a Síria (ou o que restar dela) sob sua área de influência, intensificou os bombardeios contra os mercenários pró-ianques em Aleppo.

Juntamente está a China, aprofundando sua atuação na guerra e tentando fazer pesar seu poderio e influência a favor da gerência Assad, o que representa também sua maior participação na disputa pelo butim em conluio e pugna com a Rússia, buscando aumentar sua influência sobre Assad.

A Rússia, no entanto, está jogando para perder menos na guerra imperialista e para isso vende constantemente sua influência nos territórios da Síria para os ianques — através das marionetes ianques, os “oposicionistas” — em troca da garantia momentânea de seguridade. Eis a razão pela qual os partidários da resistência nacional não devem confiar no imperialismo, independente de ser o ianque, chinês ou russo, mas sim apostar na organização e armamento das massas para assegurar a soberania e a integridade nacional da Síria.


Palestinos resistem à agressão sionista

O Estado sionista de Israel segue impondo a guerra contrarrevolucionária contra a nação palestina sob a forma de genocídio. Na segunda quinzena de agosto, foram perpetradas uma série de agressões sionistas contra o povo palestino pelo Estado de Israel.

A começar por 16 de agosto, quando as hienas sanguinárias do exército genocida de Israel invadiram — com comboio militar e armados até os dentes — o campo de refugiados de Fawwar (próximo a Hebron, ao sul da Cisjordânia ocupada pelos sionistas) onde moram mais de 10 mil palestinos. Lá, os soldados maltrataram os habitantes e demoliram paredes das casas. Ante a justa resistência dos moradores, que reagiram visando proteger seus poucos bens e sua própria vida, as hienas sionistas assassinaram um jovem e feriram outros 18 palestinos com tiros de munição letal calibre 22 e balas de borracha.

O campo de refugiados de Fawwar foi instalado em 1949, um ano após a criação do Estado sionista de Israel e a expulsão por este último de mais de 800 mil palestinos de suas terras e lares. Desde logo, ele é cercado por uma base militar israelense e por uma torre de controle construída logo na entrada do acampamento, visando controlar cada movimento dos palestinos, impondo uma verdadeira guerra contra o povo e as famílias.

Assassinato de jovem e protestos

Em 23 de agosto, em Nablus, o assassinato de um jovem por forças da repressão revoltaram a população. O jovem havia sido detido pela “polícia palestina” (capitulacionista, a serviço da ocupação sionista) e foi brutalmente espancado até a morte. As massas enfurecidas marcharam denunciando a barbárie e deram sua resposta atirando pedras contra a polícia assassina.

Bombardeio sionista na Faixa de Gaza

No mesmo dia 23 de agosto, o exército genocida de Israel bombardeou a Faixa de Gaza, ferindo dois palestinos e destruindo um reservatório de água.

Os ataques genocidas de Israel sustentados pela justificativa de “resposta ao terrorismo” é absolutamente fajuta — conforme denunciado em edições anteriores de AND —, onde fica claro que o real terrorismo e a guerra de agressão e dominação são impostos pelo sanguinário Estado de Israel contra o povo palestino, a que este último responde com uma heroica e inquebrantável resistência.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja