Editorial - Barrar os crimes contra o povo e a Nação

A- A A+
 

A cambada que tomou de assalto o gerenciamento do velho Estado brasileiro, assegurada a sua permanência até 2018, se prepara, como um verdadeiro serial killer, para cometer uma grande quantidade de crimes contra a Nação.

Agindo no interesse do mercado — quer dizer, do sistema financeiro internacional —, as transnacionais e o agronegócio, ramos econômicos de fachada do imperialismo, da grande burguesia burocrática e do latifúndio, ameaçam atirar ao lixo o que resta de direitos dos trabalhadores e do povo em geral, ademais de escancarar o território nacional para a ganância de mineradoras e especuladores de todos os naipes.

Entregar tudo, o solo, o subsolo, a plataforma continental, principalmente, o pré-sal e o que resta das empresas estatais da União, dos estados e municípios, essa é a sanguinária meta da quadrilha!

Aproveitando-se da situação de aumento da concorrência no seio da força de trabalho nacional, com mais de dez milhões de desempregados, pretendem realizar “flexibilizações” na legislação trabalhista para praticar verdadeiro esbulho do proletariado.

A menina dos olhos dos escroques é a Previdência Social, não apenas uma fonte arrecadadora de recursos dos trabalhadores, mas um verdadeiro rio caudaloso o qual pretendem desviar para o oceano imperialista.

Tais medidas nada mais são do que as exigências do imperialismo como cota das colônias e semicolônias para suprir as perdas do sistema financeiro internacional com a crise detonada a partir de 2008 no centro do império. À época, o AND já advertia que as colônias e as semicolônias seriam o butim para conjurar a crise imperialista.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia


Ter um parlamento constituído de bandidos cuja docilidade é garantida à base do “quem dá mais” é fundamental para alterar e violar a sua própria constituição (das classes dominantes), eliminando, criando ou substituindo a legislação para beneficiar o assalto à Nação. É o caso, por exemplo, da legislação sobre a limitação dos gastos da União, dos estados e municípios que, se aprovada, provocará uma devastação sem precedentes nos serviços públicos.

Não há dúvida de que o que já está ruim deverá piorar: a redução e pauperização do funcionalismo público, a falta de merenda nas escolas, a falta de leitos, de equipamentos, de comida e outras necessidades básicas nos hospitais públicos, a falta de saneamento, as epidemias de doenças tropicais e a violência contra o povo (que, nos dias atuais, infelicitam a vida da gente pobre deste país), que somam dezenas de milhões, tenderão a se potencializar transformando a vida do povo num inferno ainda maior.

Não resta dúvida, também, que será desse inferno que os brasileiros do campo e da cidade lançarão as labaredas que destruirão de uma vez por todas a velha ordem de exploração e opressão.

Nesse momento em que as classes dominantes encenam mais um episódio da farsa eleitoral é uma excelente oportunidade para que as massas promovam um ensaio do repúdio ao podre sistema político vigente.

Aos revolucionários, além de seu dever permanente de mobilizar, politizar e organizar as massas para o cumprimento de sua histórica missão, cabe desencadear uma vigorosa campanha de agitação para denunciar a farsa eleitoral e conclamar o povo ao protesto ativo. Não há o que perder!

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja