Aqui não tem pra candidato

A- A A+

Brincando com assuntos sérios, o forrozeiro Ton Oliveira manda seu recado e abre os olhos do povo. Além de letras que falam de política e questões sociais em forma de denúncia, o paraibano de Campina Grande trabalha as raízes culturais, o cotidiano do povo nordestino e apresenta obras de importantes artistas que muito o influenciaram.

http://www.anovademocracia.com.br/177/19.jpg

— Meu pai, Juvenal de Oliveira, era poeta repentista, tocador de viola e eu fui embalado pelas cantorias, pelos baiões da viola do meu pai e dos parceiros que frequentavam a nossa casa, que faziam dupla nos congressos nacionais de violeiros, nas cantorias mesmo etc. — conta.

— Comecei a falar e ao mesmo tempo já tentava fazer as primeiras rimas, um verso que fosse. Com 13, 14 anos de idade já passei a ganhar um dinheirinho tocando triângulo, zabumba nos trios de forró, nos conjuntos musicais — continua.

— Toquei em bares, violão e teclado em alguns conjuntos, mas escolhi o forró. Sou um forrozeiro, trabalho a música nordestina e faço questão de apresentar músicas de grandes nomes, como: Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga, Trio Nordestino, os quais inclusive muito me influenciaram — diz.

Em seu repertório autoral, desde o primeiro disco Ton costuma falar de questões sociais.

— Acho que esta é uma obrigação de cada um de nós artistas. Mas desde que seja feito de forma muito séria, com compromisso realmente, e não vestindo camisa de partido A ou B — afirma.

— Sou povo e como artista sou representante do povo, me vejo na obrigação de me posicionar, denunciar de alguma forma o que estou vendo. Acho importante este posicionamento, principalmente quando também é o de milhares de pessoas — fala.

Ton gravou seu primeiro disco em 1991 e até o momento são cerca de 30 trabalhos gravados: vinis, CDs e DVDs.

— A maioria das músicas são de minha autoria e algumas fiz com parceiros. Entre outras, no primeiro disco tem: ‘Falta um boi vaqueiro’, feita em parceria com o meu pai — diz.

— O boi vaqueiro para a cultura sertaneja e nordestina é aquele que segue na frente e a boiada vai atrás. Então fizemos uma simbologia desse boi com o presidente da república, que é quem está à frente do país. Começamos falando um pouco da vaquejada, mas depois viramos a coisa para a política — conta.

Verdade e irreverência

“Eu sou candidato nessa eleição, estou prometendo tudo pro bem da população/quando for eleito, ah, eu crio asa/vou ajudar o povo, mas o povo lá de casa/Pra defender os direitos da família o meu filho e minha filha vão pro primeiro escalão/minha mulher vai virar primeira dama, de noite a gente se ama e de dia é passado a mão/eu tenho um colega na cidade vizinha que fica com a turma minha e a dele comigo vem/e desse jeito fazendo malabarismo não existe nepotismo e todo mundo se dá bem”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Canta Ton em ‘O Candidato’. E no final ele fala, ainda na música: “Quem não quiser votar em mim, pode votar em qualquer um dos colegas candidatos que o resultado vai ser isso aí, vai dar no mesmo”.

— Tento levar a coisa para a brincadeira, é meio uma piada musical, mas com um fundo muito forte de verdade, porque são coisas que realmente acontecem no Brasil. E o que me leva a fazer essas músicas é a inspiração mesmo do nordestino, do poeta — define.

Na mesma linha de ‘O Candidato’ está a música ‘O Prefeito’, quando Ton especifica o cargo:

“Mamãe, agora eu quero ser prefeito/Garanto que vou me candidatar/Do jeito que já sei mentir bastante/Acho que de hoje em diante minha vida vai mudar/Pra quem me apoiar eu dou abraço/Se fala mal de mim eu dou dinheiro e ele muda/E vai ficar tudo do mesmo jeito/Se eu ganhar para prefeito/É o mesmo “deus nos acuda”/É a cidade esburacada (ai ai ai)/E o povo vivendo mal (ui ui ui)/Mas quando a coisa ficar preta/Eu invento uma micareta/E faço aquele carnaval/Trago um conjunto da Bahia (ai ai ai)/Pago mais do que ele merece (ui ui ui)/Se pagar 100 digo é 500/Desviando os 400 meu saldo banqueiro cresce/Ai o povo esquece tudo (ai ai ai)/E no embalo desse som (ui ui ui)/A cidade fica feliz/E ainda tem gente que diz:/”eita, que prefeito bom!”.

‘O Prefeito’ chegou a ser proibida de tocar nas rádios, mas Ton recorreu.

— Problemas aconteceram em várias cidades, mas o fato que chamou mais atenção foi aqui mesmo no Nordeste. O juiz proibiu de tocar nas rádios, entendendo que estava desfavorecendo um tal candidato em prol de outro — relata.

— Nem conheço a cidade, nunca estive lá. Então recorri e ganhei a causa, porque era a expressão musical que estava sendo cortada, decepada por um juiz com um ponto de vista equivocado — diz.

— Provamos que há vários anos fazia parte do meu repertório, já tinha sido gravada em disco. Inclusive é interessante dizer que mesmo gravada há bastante tempo a música é totalmente atual, nada mudou — constata.

Uma música de Ton, devido ao seu conteúdo, certa vez foi inserida em uma prova da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

— Foi ‘O país da sacanagem’. Em cada verso eu cobro do senador, do governador, do deputado, do presidente da república, enfim, de todos providências para tantos problemas que o país enfrenta — fala.

— Deixo claro que não é pessimismo: acredito no Brasil, acredito no nosso povo. É uma visão realista, porque não posso ficar calado, me sinto na obrigação de falar a verdade e sempre existiram artista com esse compromisso, não sou o único — fala.

— Durante o regime militar alguns compositores tinham essa coragem e enfrentavam a repressão. O próprio Luiz Gonzaga de alguma forma fazia isso quando dizia: ‘doutor, o jumentinho está morrendo de sede’. Ele estava cobrando uma posição, mas não falava abertamente — lembra.

No momento Ton Oliveira está fazendo shows pela Paraíba e estados vizinhos.

— Trabalho o ano inteiro. Além dessas, tenho outras músicas engraçadas, com duplo sentido, irreverência, brincadeiras, falando de outros assuntos, das nossas raízes, da cultura, do cotidiano do nosso povo nordestino. E convido a todos para vir conhecer a Paraíba, esse estado que tanto amo — finaliza.

(83) 99619-6060 é o contato do artista.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja