Os bastidores da farsa eleitoral

Vem eleição, vai eleição e nada muda para o favelado.

http://www.anovademocracia.com.br/178/07b.jpg
No Complexo do Alemão,cartazes infestam os becos e vielas

Sempre que se aproxima o período de eleições, muitas favelas e bairros pobres no Rio de Janeiro, assim como em todo o país, são infestados de propaganda eleitoral e candidatos esbanjando simpatia para cima e para baixo, cumprimentando moradores e prometendo-lhes mundos e fundos. No entanto, a cada dois anos, crescem a desconfiança e a rejeição das massas mais pobres às fantasias apresentadas pela farsa eleitoral.

No Rio, muitas favelas encontram-se cercadas e militarizadas e outras foram demolidas pelos tratores da prefeitura nos últimos oito anos, aumentando a revolta e a rejeição de quem vive nesses territórios à farsa eleitoral. Há ainda áreas que foram convertidas em currais eleitorais por meio do domínio de grupos paramilitares formados por policiais, bombeiros e militares das forças armadas.

Atualmente, 170 favelas em todo o estado do Rio de Janeiro encontram-se sob o domínio desses grupos que cobram taxas de “segurança”, monopolizam o comércio de gás, TV a cabo e transporte público, exterminando a concorrência, coagindo e assassinando opositores. De acordo com investigações da DRACO (Delegacia de Combate ao Crime Organizado) e informações da CPI das “Milícias” da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, em alguns locais, durante as eleições, moradores são forçados a fotografar a urna eletrônica para provar aos paramilitares que votaram em seus candidatos.

A equipe de AND conversou com alguns moradores de favelas e bairros do subúrbio do Rio de Janeiro e da Baixada Fluminense para saber suas expectativas em relação às eleições para vereador e prefeito.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

— Os moradores de favelas estão desacreditados com a representatividade institucional, com a política. Eu particularmente não acredito nas eleições. Para mim isso é uma farsa, porque nunca nenhum governo vai representar os interesses dos favelados. Quem se elege a prefeito, governador, presidente, sempre vai defender os interesses da elite burguesa — diz Bruna Aguiar, estudante de ciências sociais da UFRJ e moradora da Favela de Acari, que está há dois meses sitiada por policiais do 41º BPM.

— Eles só prometem, prometem, mas cumprir que é bom, nada. Estamos aqui abandonados. Ninguém vem aqui dar uma satisfação, só aparecem em época de eleição, dizem que vão fazer e acontecer, mas depois somem. Todos nós aqui já estamos cansados disso. A gente tenta confiar, mas infelizmente não dá — protesta Fabrício Silva, morador do Morro Santo Amaro, na Zona Sul do Rio.

— Há muito tempo o povo espera uma reinvenção do ideário de representatividade política. Nesse sentido, ninguém nunca se identificou muito com as eleições e agora menos ainda. As pesquisas mostram isso. Os candidatos ganham com 20, 25%, enquanto a porcentagem de votos nulos só cresce, porque as pessoas estão cada vez mais desacreditadas — diz o jovem músico Nyl de Souza, morador do bairro de Irajá, na Zona Norte do Rio.

— Falar de democracia representativa nos dias de hoje é algo muito complexo, se você levar em consideração que na última eleição para governador 40% das pessoas votaram nulo ou não votaram. É um grande jogo de poder no qual os representantes das classes dominantes entram em disputa e o povo é ignorado nesse processo — diz o antropólogo Fábio Silva, morador de Nilópolis, na Baixada Fluminense.

— Aqui na favela, as pessoas estão totalmente desacreditadas, porque na última eleição para prefeito várias políticas públicas foram oferecidas e nada foi feito aqui na Penha. É sempre assim: eles aparecem aqui em época de eleição e desaparecem como mágica — observa o jovem Daniel Santos, morador da Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, Zona Norte do Rio.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro