Líder comunitário é preso no Juramentinho

A- A A+

No dia 21 de março, policiais civis invadiram a casa do presidente da Associação de moradores do Morro do Juramentinho, em Vicente de Carvalho, Zona Norte do Rio de Janeiro. Sebastião Jorge Fortunato, de 52 anos, foi arrastado para fora de casa na presença de sua esposa e levado pela polícia sob a acusação de “associação para o tráfico de drogas”. Isso porque Fortunato, além de um grande mobilizador, sempre lutou contra os abusos cometidos pela polícia nas operações que acontecem na favela e sempre rejeitou o apoio de políticos e candidatos, alertando sempre os moradores para os interesses obscuros desses falastrões.

http://www.anovademocracia.com.br/178/07a.jpg
Piscina construída para crianças da comunidade

Recentemente, a equipe de reportagem de AND conversou com a esposa de Fortunato, Gilda da Silva, de 48 anos, que denunciou a arbitrariedade e falou como a prisão do presidente da Associação de moradores desmobilizou a população do Morro do Juramentinho. Depois de seis meses de luta pela liberdade de seu companheiro, Gilda se disse desacreditada diante da negativa do velho Estado ao pedido para que Fortunato respondesse ao processo em liberdade.

— Nós estávamos dormindo quando a polícia entrou na nossa casa gritando, torceram o meu braço e algemaram o Fortunato. Falaram para ele colaborar e se dar por satisfeito porque a ordem era levar ele morto. Ele foi acusado de associação para o tráfico por conta de uma piscina que ele construiu no Morro do Juramento junto com os moradores em um mutirão. A imprensa disse que a piscina é do tráfico, mas todos sabem que não é e, até hoje, as crianças brincam naquela piscina — conta Gilda.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

— O Fortunato mobilizava a favela para resolver seus problemas em mutirão. Assim ele agitou os moradores para fazerem o asfaltamento, a distribuição de água por bombas, um campo de futebol, tudo através de trabalho coletivo. Mas o que incomodava mesmo era a atuação dele para inibir a violência da polícia, porque todos nós sabemos que quando a polícia entra na favela, os policiais não respeitam o morador, arrombam portas e até subtraem objetos das casas. O Estado não faz nada por nós e quando nós mesmos metemos a mão na massa, sem políticos, e fazemos nossas coisas, nossa liderança é presa. Colocaram ele em um processo como traficante com duas pessoas que ele nunca viu na vida e negaram até o direito de responder em liberdade. Um absurdo — protesta a esposa de Fortunato.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja