Lutas de Libertação Nacional

Imperialistas pugnam por dominar a Síria

Jailson de Souza

Na última edição de AND, analisamos o agravamento da pugna e a escalada da guerra imperialista de agressão à nação síria impulsionada pelas duas superpotências imperialistas de nosso tempo: o USA – em posição de superioridade – e a Rússia – o elo débil.

http://www.anovademocracia.com.br/179/27a.jpg
Bombardeio a escola em Hass, Idleb em 26/10

Já passados os fatos que noticiamos na última edição, em 3 de outubro, o USA anunciou a suspensão da tão propagada “conversação de paz pelo fim das hostilidades” com a Rússia. A secretaria de imprensa da Casa Branca (USA) afirmou que “acabaram-se as paciências com a Rússia”.

No dia 6 de outubro, Assad/Rússia afirmou que concederá anistia aos rebeldes de Aleppo que se renderem. A cidade está militarmente cercada.

Ante estes episódios, o conselho de segurança da ONU, como de costume, foi palco de intensas pugnas e conluios, e dali saiu a certeza da continuidade da agressão à Síria, em 8 de outubro.

A França, em conluio com os ianques, apresentou uma resolução ao conselho propondo o fim dos bombardeios da gerência Assad/Rússia à cidade de Aleppo, controlada pelos mercenários pró-ianques. Os russos, no entanto, vetaram, enquanto a China, outra potência imperialista que tem atuado de maneira tímida na disputa do butim, apenas se absteve. Em seguida, a Rússia apresentou sua resolução que propunha um “cessar-fogo” de caráter geral. França, USA e Grã-Bretanha, entre os principais, votaram contra.

A resolução do bando chefiado pelos ianques tinha em vistas, evidentemente, pressionar os imperialistas russos ante a opinião pública mundial como inimigos da paz. Por isso afirmou demagogicamente o chanceler francês: “[Quem se opõe à resolução apresentada pela França...] dará a Bashar al-Assad a possibilidade de matar ainda mais”. Como se, ao fundo e ao cabo, todas as potências imperialistas, sobretudo as envolvidas na guerra de agressão à Síria, não fossem as mais sanguinárias forças ali atuantes.

A resolução dos russos, no entanto, mostra precisamente a sua atual posição de debilidade na guerra de agressão e partilha da Síria, visto que embora comandando a ofensiva a Aleppo através do lacaio Bashar al-Assad, o seu real objetivo é perder menos na guerra imperialista. Por isso, ao avançar no cerco a Aleppo, logo propõe o “cessar-fogo”. De fato, no início da segunda quinzena de outubro, a Rússia anunciou cessar-fogo unilateral de 72 horas com fins de “ajuda humanitária” aos civis.

Sobem as apostas, aumenta-se a tensão

Dada a postura da superpotência imperialista russa, o USA cumpriu sua promessa de intensificar a pugna e solicitou uma investigação sobre os crimes de guerra cometidos – não exclusivamente – pela gerência Assad/Rússia.

Em 7 de outubro, John Kerry, secretário de Estado ianque, foi incisivo e caracterizou a intervenção russa – através de Assad – como “atos de terror” contra civis, mulheres e crianças, e acusou: “Os ataques a hospitais não são meros casos acidentais, vão muito além”. Não falou, no entanto, dos crimes de guerra praticados também pela intervenção ianque através dos mercenários.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza