Avança a Guerra Popular no Nepal

A- A A+

Depois de sangrentos combates nos dias 20 e 21 de março, a Divisão Ocidental do Exército Popular de Libertação (EPL) do Nepal, dirigido pelo Partido Comunista do Nepal — Maoísta [PCN (M)], se apoderou durante 13 horas da capital do distrito de Myagdi, a cidade de Beni, no oeste do país. O EPL desferiu este golpe aos quartéis da polícia e exército a 300 km oeste da capital Katmandu, três semanas depois que a Divisão Oriental ganhou um combate similar em Bhojpur, capital de uma província do leste.

Segundo relatos, vigiavam a cidade mais de mil efetivos do Exército Real do Nepal (ERN), metade no quartel e outra em patrulha. Foram aniquilados cerca de 150 e estima-se que centenas tenham se rendido, além do que, os revolucionários fizeram 35 prisioneiros de guerra, entre militares e políticos reacionários. O EPL se apoderou ainda de 130 fuzis modernos e 50 mil balas de diversos calibres.

Os combatentes revolucionários iniciaram o ataque às 23 horas e rapidamente reduziram a escombros o Escritório da Administração (OAD), o Escritório de Polícia (OPD), onde recuperaram todos os fuzis dos gendarmes e o Escritório de Desenvolvimento do Distrito (ODD). Entraram à força na prisão e libertaram todos os presos políticos. No Escritório do Banco Nacional de Desenvolvimento expropriaram todo o dinheiro.

À meia-noite atacaram o Batalhão Kaliprasad e, segundo o serviço de notícias maoísta KSS, destruíram o círculo exterior do quartel. Os combates seguiram até meio dia de domingo (21). O EPL, disparando das colinas ao redor da cidade, impediu que reforços em helicópteros aterrissassem. Um helicóptero foi derrubado, e atearam fogo ao quartel do Exército e ao escritório do Oficial Chefe do Distrito e a ODD. Segundo a imprensa nepalesa, a população dos arredores compareceu, cantando músicas revolucionárias e dançando.

Às 15 horas do dia 21, quando os revolucionários dirigidos pelos maoístas haviam deixado o campo de batalha, sete helicópteros do ERN sobrevoaram a cidade e bombardearam as aldeias vizinhas, assassinando três civis. A emissora maoísta FM do distrito de Salyan transmitiu as notícias. Os habitantes do distrito de Baglung, a 15 Km, ficaram muito felizes ao se inteirarem da grande investida no campo inimigo.

Numa entrevista coletiva em Katmandu, o ERN, cinicamente, declarou que havia matado 500 maoístas e ferido 200 e que obteve somente 18 baixas. Nem a imprensa burguesa deu crédito. No dia 22 quase todos os jornais nepaleses questionaram e até zombaram desta afirmação. Nos dias subsequentes, o Ministério do Interior e o quartel do ERN na capital censuraram os meios de comunicação para que não divulgassem nada além do que fosse passado por estes órgãos. Na noite do dia 21, o presidente Prachanda do PCN (M) lançou um comunicado com os fatos. Disse: “Esta segunda ação, qualitativamente exitosa, depois da ação sob a coordenação central em Bhojpur, é uma refutação contundente às mentiras propaladas pelo inimigo (sobre o enfraquecimento da força militar dos maoístas) e mostrou claramente o desenvolvimento e a invencibilidade da guerra popular mediante ações descentralizadas em todo país e com estas últimas ações, o EPL tem estabelecido sua supremacia militar sobre o assassino ERN. Continuarão as ações militares até que se obtenha uma solução política com mudanças globais.” O serviço de notícias KSS informou que no combate tombaram 49 revolucionários, dentre eles o vice-comandante de brigada do EPL.

O governo e seus partidários reagiram com muita preocupação. O enviado especial britânico, Jeffrey James, se reuniu com os dirigentes dos partidos políticos parlamentares e os instou a unirem-se ao rei. Desde que o rei dissolveu o parlamento e tomou o poder absoluto em 2003 se agravaram as brigas internas nas classes dominantes. Richard Boucher, porta-voz do departamento de Estado ianque, disse que os maoístas “devem parar a violência e retomar as conversas com o governo em busca de uma solução política para crise.” O secretário geral da ONU, Kofi Annan, disse que não se pode resolver a crise por meios militares. A monarquia disse que está a ponto de derrotar os maoístas.

O PCN (M) caracteriza a situação da guerra popular no Nepal como em equilíbrio estratégico, em iminência de se passar à contra-ofensiva estratégica, o que leva ao desespero as classes dominantes locais e o imperialismo. Recentemente, o New York Times afirmou em artigo que não haveria graça nenhuma uma República Popular maoísta no sudeste asiático a esta altura do campeonato.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja