PA: O bravo guerreiro centenário ‘Capitão Kokrenun’

A- A A+
Pin It
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia


Os indígenas Parkatejê, conhecidos como “Gavião”, sofreram grande golpe com o falecimento, na noite de 18/10, do Capitão Kokrenum, como era chamada a histórica liderança indígena da região. A localidade popularmente denominada Bico do Papagaio, localizada-se entre os estados do Pará, Tocantins e Maranhão.

Os Parkatejê – e seus irmãos Kykatejê e Akrãtikajê – vivem na Terra Indígena (TI) Mãe Maria, distante cerca de 40km da cidade de Marabá (PA). A trajetória dos Gavião se assemelha a de todas as etnias massacradas em nosso país, com a peculiaridade de ocuparem uma região de altíssimo interesse: localizada entre o Complexo Mineral de Carajás, a Hidrelétrica de Tucuruí e o Porto de Itaqui. Até os dias de hoje, isso faz com que os Parkatejê sofram enormes pressões, de maneira que a TI Mãe Maria já é cortada por uma ferrovia da Cia Vale do Rio Doce e por uma linha de transmissão da empresa elétrica Eletronorte.

Capitão Kokrenum tinha sua idade estimada em 100 anos e era líder de seu povo desde a década de 1950, época em que os Gavião haviam sido reduzidos a pequenos grupos espalhados pela floresta, após terem sido dizimados por doenças e ataques de madeireiros e donos de castanhais.

Uma passagem de sua trajetória demonstra como tinha pulso firme e uma compreensão avançada acerca da questão indígena.

Como maneira de jogar massas contra massas e enfraquecer os Parkatejê, o Incra criou um projeto de assentamento dentro da TI Mãe Maria, com o objetivo de depois remanejar as famílias e ali construir a ferrovia. Mas, nesta ocasião, como em tantas outras,o Capitão mostrou a justeza de suas ideias e, em discussão com os camponeses, explicou que aquele território pertencia aos Parkatejê, indicando a solução para o problema: a tomada de terras vizinhas à Reserva. E assim foi feito.

A vida e luta do Capitão Kokrenum e dos Gavião Parkatejê servem de exemplo para o povo brasileiro, para os camponeses em luta pela terra e, principalmente para os povos indígenas em seu longo caminho até a autodeterminação.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja