Teatro do povo é teatro popular

Interessados em trabalhar com o teatro popular, o grupo paulistano Confraria da Paixão procura provocar no povo uma reflexão acerca dos problemas que afetam o país, sobretudo, os de natureza política. Buscando materializar em forma de teatro de rua o resultado de suas constantes pesquisas, o grupo também promove debates e oficinas.

http://anovademocracia.com.br/182/19a.jpg

— Teatro verdadeiramente popular é aquele feito pelo povo, ou ainda, com o povo. Todo espetáculo que não considera o povo como co-autor, embora contenha todos os elementos de um teatro popular, não pode ser considerado teatro popular — afirma Luiz de Assis Monteiro, ator e diretor do coletivo.

— E o que é povo? A multidão de excluídos que foi se formando, se miscigenando a partir da primeira invasão cultural, imposta pelos portugueses que aqui chegaram. Abandonados à própria sorte, em suas lutas e afazeres diários, estes excluídos foram se construindo enquanto povo, e  construindo uma cultura própria — continua.

Luiz diz que dois ingredientes básicos e principais caracterizam o teatro popular: a criação pela necessidade e a fruição coletiva.

— Desta necessidade é que surgiram, dentre outras formas de teatro popular, o pastoril, o mamulengo, o bumba-meu-boi, o cavalo marinho, a nau catarineta etc. Apesar das outras invasões: inglesa, francesa e, mais recentemente, a americana, o povo seguiu construindo a sua própria identidade cultural — fala.

— E é uma das mais ricas do mundo. Mesmo com o massacre dos meios de comunicação de massa, sobretudo da televisão, continua resistindo heroicamente, reafirmando a beleza e a singularidade desse teatro do nosso país — continua.

A temática é um elemento importante na caracterização do teatro popular.

http://anovademocracia.com.br/182/19b.jpg

— Em geral, o teatro destinado à elite e à classe média trabalham com temáticas marcadamente “classistas”; quando não, caracterizadas pela fuga da realidade. Ou ainda, trazendo a realidade de outros países, sobretudo, europeus, que nada ou pouco tem a ver com a nossa realidade — diz.

— O teatro popular, por outro lado, trabalha com a dura realidade do dia a dia dos excluídos, com os problemas enfrentados pelo povo, com as suas paixões. A crítica social apontando as mazelas e o descaso do poder público, a luta pela sobrevivência, a falta de assistência médica, de escolas, de transporte, de segurança e de moradia — relata.

— Mas também, com as suas mais genuínas manifestações humanas, artísticas, e de regozijo coletivo. Existe uma espécie de código não estabelecido entre as partes, que proporciona a perfeita comunhão entre quem faz e quem assiste — acrescenta.

— Isto devido a natureza da temática, da linguagem, da forma de apresentação, das personagens e, sobretudo, pela identificação de classe. Ou seja, o teatro popular fala à mente e ao coração do público, reconhecendo-o como membro integrante da mesma espécie, que comunga das mesmas dores e das mesmas alegrias. E isto basta! — conclui.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro