Gerenciamento Pezão intensifica o massacre nas favelas do Rio

A- A A+

No final de novembro e início de dezembro, a Polícia Militar do estado do Rio de Janeiro intensificou o cerco às favelas na capital, deixando um rastro de sangue e morte pelas invasões.

http://anovademocracia.com.br/182/06.jpg
Familiares das vítimas de Costa Barros seguem firmes na luta por justiça após 1 ano da chacina

No dia 19 de novembro, conforme noticiado na edição 181 de AND, PMs assassinaram 7 homens com tiros de fuzil e golpes de faca em invasão à Cidade de Deus (CDD), Zona Oeste da cidade. Os corpos foram encontrados por parentes das vítimas e líderes comunitários na mata que margeia a favela. Dias depois do ocorrido, a equipe de reportagem de AND esteve na Cidade de Deus e conversou com uma comunicadora e líder comunitária que preferiu não se identificar.

— Nós já estávamos esperando uma operação violenta da polícia. Quando vimos o helicóptero caindo, imaginamos que eles invadiriam a CDD para derramar sangue. Desde que passou o período de eleição, as operações aqui têm acontecido diariamente e em todas essas ações alguém acabou ferido ou perdeu a vida. Mas dessa vez o que aconteceu foi um massacre. Os moradores do Karatê disseram que viram os jovens sendo levados para a mata com vida pelos policiais. Algumas pessoas relataram que era possível ouvir os gritos dos meninos sendo torturados e os disparos que provavelmente tiraram a vida dos sete. A gente tenta fazer um trabalho de denúncia da violência policial aqui na favela, mas é muito difícil bater de frente com os grandes veículos de comunicação, que promovem uma campanha de ódio contra os favelados disse a líder comunitária.

No dia 21 de novembro, policiais militares invadiram a favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, e mataram ao menos mais duas pessoas. A esposa de uma das vítimas — Marcelo da Silva Aguiar, de 32 anos — disse que seu marido era trabalhador e teve seus objetos roubados por PMs depois de ser assassinado.

— Levaram tudo do meu marido. Relógio, cordão e a aliança. E ainda tem gente que chama isso de polícia. Fico tentando entender a finalidade disso tudo. Eles entram aqui, matam morador e vão embora. O tráfico continua. É porque nós somos pobres e para eles a nossa vida não vale nada— diz a esposa de Marcelo, que segundo ela, trabalhava como serralheiro.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja