Cantando na rua

A- A A+

Curitibana que ganha a vida cantando em praças do Rio de Janeiro, Catarina Crystal é filha de uma polonesa e um árabe, uma imensa diversidade cultural que lhe ajudou a cantar hoje, além do português, em três idiomas: inglês, francês e árabe. Batalhadora e determinada, prestigiada pelas pessoas nas ruas, Catarina tem conseguido sobreviver da sua arte.

http://anovademocracia.com.br/183/19a.jpg— A música na verdade pra mim é uma coisa emocional e realmente me faz feliz. Não é uma ferramenta pra eu adquirir fama ou ver a minha cara na revista, é o que realmente gosto. Canto com a alma, escuto com a alma. É incrível o poder que a música tem de mudar o nosso humor, lembrar algo que passamos, relembrar o passado e trazer a esperança de um futuro melhor fala Catarina.

— Meu amor pela música e pelo canto começou assim que aprendi a falar e ter alguma compreensão. Tenho uma foto com dois anos de idade cantando com meu pai ao violão. Minha maior influência foi Janis Joplin. Conheci sua música quando eu ainda era menina, e me causou um choque de hábitos, porque tinha recém-saído de um conventoconta.

— O que mais admiro nela e nas minhas outras cantoras preferidas, é a garra, a vida, a perseverança, e até mesmo a desistência delas. Mas, acima de tudo é o cantar de alma, e todas elas têm essa garra — continua.

Aos seis anos de idade Catarina foi morar com seu avô materno, que era coronel do exército. Aos nove, seu avô a colocou em um convento, onde ficou até os 14.

— Cheguei em casa e meus irmãos já estavam crescidos, todos indo dançar. Era danceteria, balada, então comecei a mudar totalmente. E fui encontrar de cara logo a Janis Joplin para me ajudar nessa mudança. Quando criança eu era muito humilhada na escola porque era miudinha, tímida e quieta demaislembra.

— Não conseguia fazer amizades, então sofria bullying. Meus pais são de origem imigrante, ele é filho de estrangeiro vindo do Oriente Médio e ela é da Polônia. É interessante o quanto minha família vive culturas diferentes, minha mãe vem trazendo hábitos criados por ucranianos, e meu pai estilo libanês — conta.

— Do lado do meu pai é uma comida com muito condimento, açafrão, gengibre, café, chá de hortelã, cuscuz, coisas assim. E da minha mãe é muita massa, requeijão, mingau etc. Também isso aparece bem forte na religião, meu pai pratica o islamismo e minha mãe muito levemente passando para a religião dele, mas com aquele fundo no coração para o catolicismocontinua.

Catarina começou a participar de karaokês em Curitiba, sendo muito bem aceita e aplaudida pelas pessoas que a ouviam. Mas, seu pai temendo que isso a levasse para o mundo das drogas, colocou obstáculos para que não continuasse.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja