Editorial - Impulsionar o protesto popular e propagandear a Revolução Democrática

“Na atual marcha dos acontecimentos em que o Brasil vai sendo arrastado para a convulsão social, o único recurso das classes dominantes de grandes burgueses e latifundiários, serviçais do imperialismo, para manter o controle do poder será o incremento da violência reacionária, brutal e covarde contra as massas em luta por seus direitos pisoteados. A crise política é já uma crise não só de legitimidade do governo, mas uma crise de autoridade de todo o sistema político legal vigente, de suas instituições e de seus agentes” (Editorial de AND nº 182).

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Dito e feito, ao mesmo tempo em que abrem as portas da barbárie, Temer e Meirelles vão cumprindo à socapa as determinações do imperialismo na aplicação da política de terra arrasada contra os direitos do povo e da nação.

Pendurado no galho putrefato do Congresso Nacional e escorraçado pela nação, Temer aguarda o dobre de finados, mas não sem antes lançar mão do arsenal de medidas antipovo e vende-pátria. Via decretos, medidas provisórias e emendas à Constituição, o sabujo vai esquartejando o país e sua gente. Põe em liquidação o patrimônio da Petrobras e do pré-sal, derrama o FGTS na bacia dos bancos, entrega florestas nacionais ao latifúndio, aumenta o desemprego e retira direitos para vulgarizar a escravidão e eludir o direito à aposentadoria para entregá-la à sanha voraz dos banqueiros. Tudo em caráter de urgência, à ligeira como quem rouba.

Esta pressa ancora-se na expectativa dos parasitas de que os trabalhadores do campo e da cidade, cujas entidades sindicais, anestesiadas por anos de corporativismo e colaboração de classe, não tenham tempo suficiente para fazer com que seus dirigentes “troteiem ou saiam da frente” e organizem massivas manifestações que resultem na derrubada do fantoche e seu nefasto projeto. Assim pensando, incidirão em erro crasso, pois, de há muito os trabalhadores do campo e da cidade encontraram formas de organização e manifestação capazes de fazer frente àqueles que pretendem aniquilá-los.

As tomadas de terras e a greve geral como uma escola de união e politização das massas as ensinará que são elas que fazem a História, de que não devem cair no “canto de sereia” das “meias medidas” ou de paliativos eleitoreiros que só garantem a continuação da opressão e da exploração com nova roupagem.

Nunca é demais afirmar que só uma revolução dos dominados é capaz de expropriar aqueles que há mais de 500 anos – latifundiários, grandes burgueses e seus amos imperialistas, principalmente ianque – através de um processo contínuo de subtração da terra, do trabalho, da saúde, da educação, do saneamento, da habitação, do transporte, do lazer, da informação e, até mesmo, da vida em sociedade, expropriam a nossa gente e nossa pátria, negando-lhe o direito a uma vida digna.

Com, sem ou apesar dos traidores da luta pela terra e das centrais sindicais pelegas, o povo brasileiro desencadeará uma onda de protestos e manifestações jamais vista em sua história recente. Enfrentará toda a repressão do Estado genocida açulada pelo torpedeio de mentiras dos monopólios de imprensa e, em sua caminhada, irá construindo mais instrumentos de luta e definindo uma direção que seja comprometida com o processo revolucionário; processo este, ainda que prolongado, necessário para, passo a passo, demolir este velho Estado e edificar o novo, o Estado de Nova Democracia.

Propagandear, agitar e fazer preparativos para impulsionar a Revolução Democrática, Agrária e Anti-imperialista é criar as condições para entregar aos camponeses pobres, à classe operária, aos servidores públicos, professores e estudantes, bem como aos pequenos e médios proprietários, tudo o que lhe foi usurpado pelas classes de latifundiários e grandes burgueses serviçais do imperialismo, principalmente ianque.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro