Estado genocida promove barbárie no Complexo do Alemão

No dia 2 de fevereiro, tropas da polícia militar iniciaram uma megaoperação no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio de Janeiro, ocupando becos e vielas e erguendo barricadas pelas ruas das 15 favelas do Complexo. Desde 2010, moradores já sofrem com a rotina de desmandos imposta pela Unidade de Polícia “Pacificadora” (UPP) e com os constantes confrontos entre traficantes varejistas de drogas e policiais militares. Os conflitos acontecem a qualquer hora do dia e em qualquer dia da semana e já vitimaram incontáveis moradores nesses sete anos de militarização, incluindo crianças e idosos.

http://anovademocracia.com.br/184/08a.jpg
Retrato da barbárie: cápsulas pelo chão após criminosa ação policial

Dessa vez, a intensificação da presença policial no Complexo tornou ainda mais penosa a rotina das cerca de 250 mil pessoas que vivem na região. Pelas redes sociais e através dos coletivos de imprensa independentes que atuam no local, moradores denunciam torturas, assassinatos, agressões e vários outros tipos de abusos cometidos por PMs contra a população. Em cinco dias de operações permanentes na área, policiais usaram sacos de areia para bloquear os acessos aos becos e vielas nas localidades Areal e Nova Brasília, inviabilizando a circulação de moradores.

Nesses cinco dias, os tiroteios tornaram-se diuturnos, amedrontando moradores que estão, desde então, impossibilitados de irem trabalhar e levarem seus filhos às creches e escolas, que fecharam as portas por conta dos confrontos. Imagens e áudios divulgados pelo Coletivo Papo Reto — grupo de mídia independente que atua nos Complexos do Alemão e Penha — chocaram as redes sociais, lembrando um verdadeiro cenário de guerra — casas repletas de buracos de bala, imensas barricadas erguidas pelos becos, manchas de sangue, cápsulas de balas de armas de grosso calibre, marcações no chão e paredes delimitando os locais de confronto, ruas vazias e sons de disparos de fuzil que podem ser ouvidos 24 horas por dia.

http://anovademocracia.com.br/184/08b.jpg
Morador baleado

— Há 5 dias, o Complexo do Alemão está em guerra. Há 5 dias as pessoas estão com medo de ir só ali na padaria. Há 5 dias que as aulas nas escolas da comunidade foram adiadas, por início de uma operação repentina. Há 5 dias que os moradores têm como despertador tiros de metralhadora. Há 5 dias que os moradores têm que passar o dia no chão, com medo de uma bala perdida. Há 5 dias que as ruas parecem cenário de guerra, com paredes das casas metralhadas e o chão coberto de sinais avisando que ali muitas balas sem destino foram lançadas. E há 6 anos que viver numa favela ‘despacificada’ começou a parecer uma missão impossível. Servir e proteger a quem? — publicou uma moradora que preferiu não se identificar nas redes sociais.

Os moradores que têm a sorte de não serem alvejados ao arriscarem deixar suas casas, muitas vezes são abordados por policiais, torturados e humilhados nas barreiras erguidas pelas tropas do velho Estado nos acessos ao Complexo. São inúmeros os relatos de pessoas que foram agredidas, ameaçadas e até torturadas com facadas por PMs nas ruas que levam ao alto da Serra da Misericórdia. Como se não fosse o bastante, policiais também estariam invadindo casas, expulsando moradores, destruindo veículos e saqueando o comércio.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin