Atrocidades e falácias na Previdência (2) 

Destruindo direitos para manter privilégios

http://anovademocracia.com.br/184/04.jpg

Restrita, até então, aos empregados urbanos não-domésticos, aos profissionais liberais e aos funcionários públicos, a cobertura previdenciária foi estendida em lei aos trabalhadores do campo, assalariados ou não, pelo “governo” João Goulart (1961-1964), em 1963. Antes mesmo que tal determinação se concretizasse, a ditadura instaurada em 1964, a tornou letra morta e, a partir de 1971, concebeu uma política de miséria controlada: aposentadoria de meio salário mínimo aos 65 anos de idade ou por invalidez, restrita ao “chefe” da família, que se presumia ser o homem; pensão por morte de 30% do salário mínimo (depois, 50%); e auxílio-funeral. Nada mais.

A Assembleia Constituinte de 1987-88 derrubou a limitação de aposentadorias por família; reduziu a idade de acesso a elas para 60 (homens) e 55 anos (mulheres); estendeu ao campo o salário-maternidade e os auxílios doença, acidente e reclusão; e instituiu o piso de um salário mínimo para os proventos.

A proposta de contrarreforma assinada pelo assalariado do Bank of AmericaHenrique Meirelles e enviada ao Congresso por Michel Temer reverte tudo isso para manter intactos os privilégios fiscais de latifundiários de velho e novo tipo (agroindústrias financeirizadas) que lucram em dólares e nada pagam à Seguridade Social.

Quem trabalha, hoje, em pequenas extensões de terra (próprias ou arrendadas), sozinho ou em “mútua dependência e colaboração” com familiares, sem empregados permanentes, é “segurado especial”, com direito, uma vez comprovado o trabalho, a todos os benefícios do INSS no valor mínimo, salvo aposentadorias por tempo de contribuição (comum ou especial), que dependem de efetiva e opcional contribuição, e salário-família, privativo dos empregados. Pescadores artesanais, seringueiros e outros extrativistas têm o mesmo enquadramento previdenciário e se sujeitam a iguais critérios.

O não-condicionamento das prestações previdenciárias dos segurados especiais à efetiva contribuição não resulta de caridade, mas da distinção que o Código Tributário Nacional contém entre contribuinte (quem paga um tributo) e responsável tributário (quem responde por ele perante o Estado). Se uma empresa deixa de descontar e/ou repassar ao INSS a contribuição previdenciária de um empregado ou prestador de serviços, estes tampouco deixarão de receber benefícios. No caso dos segurados especiais, a responsabilidade pelo desconto e repasse é, em regra, de quem compra o que produzem – ou seja, atravessadores e agroindústrias, inclusive cooperativas.

O “governo” Temer quer mudar isso alegando que a Previdência é deficitária e a arrecadação rural é muito inferior à despesa. A primeira premissa é falsa (ver AND nº 171) e a segunda é irrelevante (ver AND nº 181), mas não importa: há ampla margem para reduzir o hiato entre exação e gasto no campo. A questão é: às custas de quem?

A contribuição dos empregadores urbanos não-domésticos ao INSS é de 4,5% do faturamento ou 20% da folha de remunerações (salários e pagamentos a autônomos). Já aos empregadores rurais (pessoas físicas ou jurídicas), a lei impõe contribuição de 2,5% sobre o que faturam. Na teoria, pois na prática a maioria não paga nada – por sua condição de exportadores, que os exime, ou porque vários tribunais, inclusive o STF, declaram inconstitucional a contribuição sobre o faturamento, criada para substituir a de 20% da folha, sem determinar a incidência desta.

Há também uma contribuição destinada especificamente ao Seguro de Acidentes do Trabalho (SAT), cuja alíquota, para os empregadores urbanos, vai de 0,5% a 6% da folha salarial. Para os rurais, é de 0,1% da receita bruta, sem progressividade, mesmo com as atividades agropecuárias de maior peso econômico no Brasil (soja, açúcar, fumo, café, milho, carne de boi, porco ou frango) catalogadas como de risco máximo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin