Os imigrantes e a ruína do imperialismo

A tal onda migratória de massas vindas principalmente das nações agredidas no Oriente Médio e norte da África, fugidas da desgraça causada pelas guerras de saqueio promovidas pelos imperialistas ou da miséria fruto da dominação colonial ou semicolonial, continuam batendo às portas da Europa.

http://www.anovademocracia.com.br/185/21c.jpg
Imigrantes são levados em trens para campos de contêineres

Tal como afirmou o AND, as potências imperialistas demandam incorporar força de trabalho imigrante em seu mercado de trabalho, dado o envelhecimento da população nesses países. A admissão de imigrantes também lhes serve para extrair lucro máximo do trabalho do proletariado rebaixando os não-nativos: neste sentido, a onda migratória é uma necessidade do imperialismo. Ao mesmo tempo, os governos reacionários agitam o chauvinismo e o nacionalismo burguês como “os imigrantes roubam empregos” etc. para dividir o proletariado, enfraquecer suas lutas, conjurar a revolução e ampliar a exploração.

No entanto, refugiados e imigrantes, provenientes especialmente das nações agredidas pelas guerras de rapina promovidas pelo imperialismo, quando submetidos a mais profunda exploração nas entranhas das potências imperialistas se rebelam, agitam a luta de classes nesses países e frequentemente promovem atos de guerra contra todo o quadro de opressão, como ataques a bomba – chamados de “atentados” pelo monopólio de imprensa. É o que se denomina de “a guerra imperialista regressa a casa”.

Crimes contra refugiados na Hungria

O parlamento reacionário e semicolonial húngaro aprovou, neste 7 de março, uma absurda lei que ordena aprisionar em precários contêineres todos os refugiados que solicitaram asilo no país enquanto durar a avaliação de seus pedidos. Esta criminosa lei não poupa sequer crianças, que também serão detidas.

Segundo as próprias normas dos órgãos do imperialismo, como a ONU e a UE, não se pode deter refugiados ou solicitantes de asilo exceto em justificadas circunstâncias relativas à segurança, somente após terem sido adotadas outras medidas menos agressivas para alcançar tal objetivo. Já no caso das crianças, é proibido sua detenção em qualquer circunstância.

O velho Estado húngaro já havia anunciado outras medidas tão absurdas quanto. Uma nova cerca com câmeras e sensores, com um custo de 123 milhões de euros, está sendo construída na fronteira com a Sérvia com o objetivo de barrar criminosamente a entrada de refugiados. O anúncio ocorreu neste 27 de fevereiro pelo “governo” húngaro.

Por trás de tudo isso estão as potências imperialistas. A União Europeia, sob direção do imperialismo alemão, tem atribuído aos países da periferia da Europa, como por exemplo Hungria e Turquia, a tarefa de peneirar os refugiados que anseiam chegar até as potências como Alemanha e França. O objetivo é permitir a chegada apenas dos refugiados com formação técnico-profissional que sirvam ao mercado de trabalho das potências imperialistas; e reter e descartar os demais, em condições de profunda miséria.

As medidas chauvinistas de Trump no USA

No USA não é diferente. Com suas medidas “anti-imigrantes” o arquirreacionário Trump busca tão somente agitar chauvinismo entre o proletariado, principalmente sua camada mais abastada, com a gritaria histérica de “combate ao terrorismo” e “combate ao islamismo radical”, e ganhar, através do populismo, a aprovação desta camada ao seu governo.

Por isso, embora incorpore imigrantes no país, o imperialismo há de incrementar a repressão. Nesse sentido, o FBI informou que está investigando 300 pessoas admitidas nos Estados Unidos como refugiadas, para evitar “atentados”. Isto vem a confirmar a tese planteada por AND de que “os países imperialistas são cárcere para o povo” e de que necessitam cada vez mais incrementar seus aparatos de guerra contra o povo no seu próprio país.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin